BTS dá vida a ‘Map of The Soul: Persona’ e relembra o passado no início da Speak Yourself Tour em LA

Anúncio

BTS dá vida a ‘Map of The Soul: Persona’ e relembra o passado no início da Speak Yourself Tour em LA

“[A turnê] será mais forte,” disse RM em uma entrevista pouco tempo atrás. É difícil imaginar algo que conseguisse superar a turnê Love Yourself – que acabou apenas alguns meses atrás! – especialmente considerando que o grupo estava extremamente ocupado com as atividades do lançamento de Map of the Soul: Persona, e a sensação que temos é que eles não tiveram tempo para planejar surpresas de cair o queixo. Mas, se você conhece o BTS, sabe que eles não estão satisfeitos em se repetir ou limitar suas apresentações em algo que não os force a sair de sua zona de conforto, ou que coloque a prova o que são capazes de fazer. O grande esforço dos sete integrantes mostrou que, na verdade, a promessa de RM seria um eufemismo – a turnê Speak Yourself, além de ser mais forte, está em um nível completamente diferente da turnê anterior.

Isso fica claro antes mesmo dos sete entrarem no palco. Enquanto o VCR introdutório toca nos dois grandes telões aos lados do palco, funcionários estendem panos brancos que pendem de pedestais gregos, e entre eles duas panteras são infladas. A dupla levanta do solo, formando uma guarda do grupo e seus dançarinos enquanto fogos de artifício estouram e “Dionysus,” a música hip-hop e rock que conclui o mais novo álbum do grupo, dá vida ao estádio.

BTS é energético e sem limites, tanto dentro como fora do palco. Eles continuam a alta energia do início do show com 2 músicas antigas – a batida desafiante de “Not Today,” e a energética e otimista “Outro: Wings” – construindo a vibe no estádio de 90 mil pessoas a cada pulo, finger heart e notas acertadas.

Antes de “Wings,” o “Worldwide Handsome” Jin diz ao público: “É tudo por sua causa, ARMYs. Vocês são nossas asas.” O grupo coreano tem uma ligação muito forte com sua fanbase, e isso fica mais claro ainda no show. Todas as vezes em que param para falar com o público, eles passam mensagens de gratidão sincera e genuína, sempre dando o crédito de tudo que acontece com eles aos fãs. A resposta vem em forma de gritos, que ocorrem tão frequentemente no show que você poderia até mesmo esquecer como é ouvir em uma frequência normal, enquanto o nome de cada integrante é cantado com amor e encorajamento entre cada música.

Tem apenas uma personalidade que apareceu no show que ameaçou roubar o holofote da noite – Yeontan, o cachorrinho de V e amado por todos em suas aparições no Twitter do grupo, e nos vídeos. Um clipe antes dos solos de J-Hope e JungKook conta com o fofo Spitz Alemão, que recebeu reações de amor e gritos tão fortes quanto aqueles que o próprio BTS ganha.

Esse vídeo e muitos outros que tocam entre cada segmento do show foram reciclados da turnê Love Yourself, mas as apresentações entre eles sempre trazem algo novo. As vezes é apenas uma melhora no palco, como por exemplo os novos blocos neon em que J-Hope dança durante “Just Dance,” ou algo ainda mais surpreendente, como a viagem aos céus de JungKook durante “Euphoria.”

Ao mesmo tempo que o primeiro refrão termina, encantando os fãs, um poste preto aparece atrás do integrante mais novo e ele é preso por meio de cabos antes de levantar vôo, indo bem acima do público. Enquanto navega por cima dos fãs, ele tira um dos pés do apoio por alguns segundos, e continua a cantar como se nada estivesse acontecendo. “Tão lindo!” exclama JungKook ao retornar ao solo, e ele não está errado.

Também ocorreram algumas atualizações nos solos de outros integrantes. Jimin agora começa “Serendipity” dentro de sua própria bolha de sabão – que estoura assim que encosta um dedo – e o remix de “Triva: Love” de RM mostra o líder rodeado de hologramas de coração e explosões de glitter enquanto o público canta, em uma só voz, “sarang,” a palavra em coreano para amor. Depois, V surge das profundezas do palco em uma cama suspensa, fingindo acordar nas primeiras notas de “Singularity”, “Seesaw” de SUGA se passa na frente de um horizonte noturno descrito por J-Hope quanto falou da nova música “Mikrokosmos”. Por fim, Jin começa “Epiphany” sentado em um piano futurístico, que poderia muito bem ser uma nave espacial em um filme de ficção científica.

Se a Love Yourself foi uma celebração, pode-se afirmar que a Speak Yourself é uma grande festa. A nova turnê cumpre todos os requisitos de um grande show de pop – fogos de artifício, palcos impressionantes, cantos de fãs e aquele tipo de euforia que se sente ao compartilhar um momento especial com milhares de estranhos – mas, ao mesmo tempo, é cheia de personalidade. Existe um tom de brincadeira (a felicidade no rosto dos integrantes do BTS enquanto brincam no pula-pula inflável no final da passarela para “Anpanman,” ou quando JungKook gentilmente empurra V da frente para que ele possa ficar ao lado de SUGA em “Make It Right”), estilo (a sempre autoconfiante “MIC Drop), sensibilidade (a balada emocionante da vocal line “The Truth Untold”) e inovação (uma releitura de eletrônica de “IDOL” transformou o Rose Bowl em uma grande boate). Misture isso tudo e você terá problemas em encontrar um artista pop com um show melhor e mais apaixonante.

É claro, essa nova turnê não é apenas para relembrar o passado do grupo. Algumas músicas novas deram as caras na setlist, dessas sendo 4 de Map of the Soul: Persona. “Boy With Luv” já parece ser uma velha conhecida, e seu refrão apaixonante ecoou pelo estádio enquanto o boygroup recriou seu videoclipe ao vivo. A já mencionada “Dionysus” deixa os espectadores sem ar, enquanto o hit co-escrito por Ed Sheeran “Make It Right” parece tomar vida ao vivo. “Nós preparamos essa música para vocês, porque vocês são a luz da nossa noite,” diz JungKook antes da música começar e os fãs fazem jus à comparação, ligando suas ARMY Bombs ou acendendo as lanternas de seus telefones.

“Sinceramente, não sei o que dizer,” diz Jimin, no momento em que cada integrante faz um pequeno discurso ao final do show. Ele pensa um pouco e conclui, “Esse momento em que estamos juntos é um dos mais felizes da minha vida,” ele afirma.

“Essa é a noite mais importante da minha vida,” conclui RM alguns minutos depois, com os olhos marejados. Ele continua a linha de pensamento exposta por JungKook e diz “Vocês são as estrelas da nossa noite, e o farol que nos guia.” É uma frase que combina perfeitamente com a última música da noite, “Mikrokosmos.” “Talvez o motivo pelo qual a noite seja tão bonita/não é por causa dessas estrelas, e sim nós,” cantam em coreano Jimin e Jin, com um globo de espelhos girando acima deles. A noite do dia 4 de maio talvez tenha sido especial pela produção impressionante e a visão chocante de 90 mil luzes piscando ao mesmo tempo, mas, assim como todo show do BTS, a conexão entre o grupo e fãs se torna o fato mais lindo da noite; é bonito ver como um eleva o outro.

“BTS faz história” está começando a se tornar redundante – parece ser algo tão natural para eles como respirar. Mas, enquanto eles começam sua turnê mundial de estádios, e mais uma vez fazem história por serem os primeiros artistas coreanos a realizar tal feito, parece que eles estão longe de terminar. Apertem os cintos – assim como JungKook – e se preparem para uma linda viagem.

O BTS apresentou as músicas:

“Dionysus”
“Not Today”
“Outro: Wings”
“Trivia: Just Dance”
“Euphoria”
“Best Of Me”
“Serendipity”
“Trivia: Love”
“Boy With Luv”
“DOPE”
“Baepsae”
“FIRE”
“IDOL”
“Singularity”
“FAKE LOVE”
“Trivia: Seesaw”
“Epiphany”
“The Truth Untold”
“Outro: Tear”
“MIC DROP”
“Anpanman”
“So What”
“Make It Right”
“Mikrokosmos”

Fonte: NME

Artigos | por em 09/05/2019
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio