btsbr.co.vu/archive & btsbr.wordpress.com
SITE: Bangtan Brasil - Fã Base
VERSÃO: 1.4 - SPEAK YOURSELF
DESDE: 29.03.2013
VISITAS: 5.272.752 ARMYs
Bulletproof Boy Scouts (em coreano: 방탄소년단) é um grupo masculino sul coreano de hip-hop formado pela Big Hit Entertainment. Geralmente conhecidos como BTS, são também chamados de Bangtan ou Bangtan Boys. Eles estrearam em 13 de junho de 2013 com sua... LEIA MAIS
SEJA BEM VINDO À BANGTAN BRASIL, A PRIMEIRA E MAIOR FÃ BASE BRASILEIRA DO BTS. FEITA DE FÃ PARA FÃ!

Categoria: Artigo

Publicado em 14.10.2018
Quem é V? A voz angelical que irá derreter seu coração
Acha que sabe tudo sobre o Tae? Leia e saiba ainda mais!

Se tem alguma boyband que vem fazendo grande sucesso em 2018, é o grupo de K-Pop BTS. Eles arrebentaram no Billboard Music Awards de 2018, mostrando ao mundo que cada um dos sete integrantes são incrivelmente talentosos (e também, muito, mas muito bonitos), e eles estão ganhando cada vez mais fãs.

Enquanto todos enlouqueceram por causa do Jimin, também conhecido como o gato de terno vermelho no America’s Got Talent, também tem outro integrante que merece muito o nosso amor: Kim Taehyung – ou V. Então, quem é V do BTS? Você talvez se surpreenda como existe muito a descobrir sobre esse artista bem sucedido.

1. ELE É CONHECIDO POR SUA VOZ PROFUNDA E SENSUAL

Como o 2º integrante mais novo do BTS, poderia-se assumir que o alcance vocal de V não é tão vasto como os de seus companheiros de grupo. Mas isso estaria completamente errado. Esse cara consegue emitir grandes falsettos, como também consegue cantar notas super suaves e baixas, que são um elemento-chave na construção do som pelo qual BTS é conhecido.

Comum nos trabalhos do BTS, cada integrante recebe uma oportunidade para brilhar sozinho nos seus álbuns, e V sabe muito bem como impressionar com suas músicas.

Aqui ele está cantando sua música solo, “Stigma”, do álbum Wings:

Você já derreteu?

Talvez eu tenha que continuar te convencendo. Escute aqui o solo de V em Love Yourself: Answer, “Singularity”:

Honestamente, se você não está apaixonado, então não sei o que você quer da vida.

ARMYs no Twitter são completamente apaixonados pela voz de V (ou, como é carinhosamente apelidado, Tae ou Tae Tae):


[TRAD] @BTS_twt posso, por favor, ter outro solo do Tae com sua voz profunda e ofegante me matando devagar? Obrigada.


[TRAD] Taehyung, tae tae, por que sua voz é tão viciante? Eu estava te ouvindo há meia hora e ela ainda está tocando na minha cabeça. Te amo, amigo.


[TRAD] Eu simplesmente amo Singularity, a voz do Taehyung é incrível, tão suave, eu me sinto em outro mundo quando o ouço. LINDO V 💜💋


[TRAD] Quando eu cozinho o almoço do meu filho (Bento), eu sempre ouço os álbuns do BTS. Esta manhã, eu notei que a voz do Tae é fascinante. É profunda e extensa e tranquila.

 

[TRAD] Oh, Taehyung, sua voz é tão bonita e maravilhosa. Eu gosto de ouvi-la. É tão profunda e suave ao mesmo tempo. Te amo, Tae Tae. 💜💜💜


[TRAD] Tae, eu acabei de ouvir “Singularity” pela milionésima vez e me apaixonei pela milionésima vez pela sua voz e alma e por você, uau. Eu te amo e amo sua voz até demais 💜💜💜

2. ELE JÁ SE AVENTUROU COMO ATOR.

Além de ser super talentoso musicalmente, V também é um ótimo ator. Ele apareceu no drama coreano “Hwarang”, uma “novela histórica que começou em dezembro e terminou de ser transmitida em fevereiro.” Taehyung é, até o momento, o único integrante do BTS a atuar (fora dos videoclipes do grupo, digo). De acordo com Soompi, V falou sobre como foi especial para ele a oportunidade de filmar “Hwarang”:

Hwarang foi um trabalho que me fez perceber muitas coisas e me deu muitas memórias lindas e inesquecíveis… Sendo sincero, essa foi a minha primeira vez atuando, e eu estava muito nervoso e senti muita pressão… Eu agradeço, do fundo do meu coração, o amor e apoio dado à Hansung (personagem de V) pelos espectadores. Por favor, se lembrem do Hansung de Kim Taehyung por muito tempo, e continuem a dar amor para o drama Hwarang.”

Veja abaixo um pequeno vídeo do drama (incluindo V fingindo estar doente para poder faltar um treinamento):

Ele é MUITO talentoso e modesto e fofo. Ele merece ser uma crush de todos nós.

3. SEU COMPORTAMENTO MUDA COMPLETAMENTE EM SUAS APRESENTAÇÕES

Com apenas 22 anos de idade (!!!), V parece jovem e no geral adorável, porque ele é. Se você não acredita em mim, então me permita apresentar Prova A:


Eu não vou mentir: eu já revi esse vídeo muitas e muitas vezes (e provavelmente continuarei revendo, não me julguem). Agora, Prova B:

Ele é tão jovial! Tão doce! Eu só quero abraçá-lo!

Mas, quando ele encarna sua persona musical, ele se transforma em um artista sexy dos nossos sonhos que vai te deixar NERVOSA! Apenas assista ele no vídeo de Singularity novamente.

Resultado de imagem para singularity gif

Já volto, vou apenas ligar o ventilador, porque as coisas estão ficando beeeem quentes por aqui.

Então agora vocês sabem. Mais um integrante do BTS para entrar na sua lista de pessoas com quem vale a pena sonhar. De nada.

Fonte: Elite Daily
Trans eng-ptbr; fer zloccowick @ btsbr


Publicado em 13.10.2018
[#HappyJiminDay] Feliz aniversário, Jimin!
Artigo original em comemoração ao aniversário de 23 anos do Jimin

Quando penso em Park Jimin, a primeira coisa que me vem à cabeça é a sua personalidade. Mesmo após inúmeras dificuldades, Jimin sempre continuou seguindo em frente, tentando conquistar seu sonho. Para muitos, isso pode passar despercebido e eu não os culpo, realmente. Em uma indústria onde a personalidade dos idols normalmente se é escondida atrás de diversos estereótipos e âmbitos, muitas pessoas se esquecem de reparar no que o idol é por trás das câmeras.

Entrei para essa febre hallyu em 2015, mal conhecia BTS e muito menos sabia algo sobre seu país, mas, de longe, Park Jimin foi a pessoa que mais me chamou a atenção logo no primeiro mês.

Com apresentações impecáveis, canto no ponto certo e um carisma de tirar o fôlego, ele sempre rouba os holofotes para si, porém, seu fator de destaque foi a sua personalidade.

Tendo sido considerado um dos idols mais gentis da indústria, Jimin derrete o coração das pessoas onde quer que vá, – ele é, inclusive, conhecido por “maltratar” o coração de apresentadores de TV shows com seu sorriso e personalidade encantadoras.

Para mim, o que mais me impressiona é como ele permanece o mesmo garoto gentil que se apresentou com o BTS em seu debut, mostrando que, ao decorrer dos anos, não deixou-se ser corrompido pela sociedade em que está inserido. Perante tantas dificuldades enfrentadas logo em seu pré-debut com o BTS, Jimin nunca desistiu.

Caracterizado por uma afinidade com o perfeccionismo, ele sempre levou suas obrigações e hobby em um outro nível, como aconteceu com a dança, por exemplo. Jimin é aquela pessoa que nunca faz algo pela metade, ou ele faz bem feito, ou simplesmente não faz, e, mesmo que essa característica não agrade a todos, é ela que me faz, muitas vezes, ter uma vontade maior de levantar da cama para correr atrás do que eu acredito.

Quando passei a reparar mais nesses aspectos de sua personalidade, finalmente percebi que ele é simplesmente vários tons de um arco-íris que me ajuda a seguir em frente. Jimin é a resiliência em pessoa, é o significado de dar o seu melhor sempre, é a junção de cair e logo após se levantar e aceitar todos os seus machucados adquiridos no meio dessa trajetória. Por fim, logo me veio a cabeça de que sim, Park Jimin é alguém mais do que um ídolo em minha vida. Ele é mais que a performance, mais do que uma entrevista dada ou que um simples fanservice. Park Jimin engloba tantos aspectos bons em sua composição que é notório o quanto sua presença irradia onde quer que vá, como se toda uma galáxia estivesse presente em seu peito e fosse revelada pouco a pouco, nos mínimos detalhes.

Esses pequenos detalhes mostram-se cada vez mais encantadores e motivadores, pois ele possui uma aura tão boa que consegue transmiti-la para mim através de uma simples tela de computador, sempre sendo minha loja mágica em momentos difíceis.

Jimin me surpreende dia após dia com sua bondade e amor pelo próximo, mostrando-se em variadas situações como um exemplo a ser seguido. Além de todas essas qualidades, ele também é um ótimo cantor e dançarino e exerce com perfeição todo seu papel no BTS, deixando muitas pessoas (inclusive eu) babando por sua paixão transparente em tudo que faz.

É indispensável dizer que ele também é extremamente carinhoso com todos à sua volta, muitas das vezes colocando as pessoas acima de si mesmo para dar um conforto maior à elas. Após três anos me caracterizando como uma árdua Jimin biased, sinto um enorme prazer em dizer que sim, ele é uma das pessoas mais incríveis que esse mundo já viu. Ele é a minha maior inspiração de vida e eu sempre sentirei um orgulho imenso em dizer sobre o quanto ele me ajuda todos os dias, sempre serei grata por fazer parte de sua história e por contribuir para que sua galáxia interior se expanda.

★ Não deixe de acompanhar a Bangtan Brasil no dia de hoje para relembrar alguns dos momentos mais marcantes ao lado do nosso adorável Park Jimin. Aproveite também para o conhecer melhor! Acompanhe a hashtag #HappyJiminDay e a @BTS_BR no Twitter e deixe mensagens bonitas para o príncipe do grupo. ♥

★ Texto por Jumaria @ BTSBR Tradução, e arte por Emi @ BTSBR Design. Por favor, não retire os créditos ou redistribua sem os mesmos.


Publicado em 13.10.2018
Homem gasta 400 mil reais para ficar parecido com Jimin
Este ARMY elevou seu amor pelo BTS para um outro nível...

Oli London começou a gostar de K-Pop quando o BTS fez seu debut em 2013. O fã britânico estava morando na Coreia do Sul na época, e foi fisgado instantaneamente, pensando que todos os integrantes “são incrivelmente perfeitos”. Em uma entrevista recente com a Barcroft TV, o garoto de 28 anos de idade demonstrou seu desejo de ficar parecido com uma estrela de K-Pop.

“Eu quero que todo o meu estilo de vida gire em torno do K-Pop e eu quero que todo o meu visual se pareça com o Jimin, o vocalista do BTS, porque para mim ele é a perfeição”, afirmou London, “o formato do maxilar dele, seus lábios, sua voz, tudo.”

E ele não estava brincando. London gastou 100 mil dólares em cirurgia plástica para imitar o visual do Jimin. Ele fez sua primeira plástica no nariz após assistir o MV de “FAKE LOVE”, e desde então ele fez um total de quatro rinoplastias, bem como uma blefaroplastia (cirurgia nas pálpebras), redução do ângulo da mandíbula (cirurgia do maxilar), uma incisão dentro da boca, implante de queixo, transferência de gordura para as bochechas, aumento de lábios, injeções de botox, tecido gorduroso removido do peito, dentre outras coisas. E ele espera fazer ainda mais procedimentos no futuro, para ficar ainda mais coreano.

Apesar da preocupação dos seus amigos, London garante que ele não está obcecado. Ele tem um objetivo e não vai parar até seu visual ficar perfeito. “Eu não quero parecer uma pessoa normal”, ele disse. “Eu quero ficar parecido com um boneco de K-Pop, um boneco exatamente igual ao Jimin.”

Oli London produziu um mini documentário sobre a sua transformação no Youtube. Aviso de gatilho para imagens gráficas de cirurgia! Se você não se sente confortável assistindo, não aperte o play. 

 

Fonte: PopCrush
Trans eng-ptbr; beccs @ btsbr


Publicado em 13.10.2018
Os ARMYs não conseguem lidar com SUGA tentando imitar os giros do Jimin
SUGA literalmente ‘girou’ a cabeça dos fãs!

O BTS apresentou seu último show na O2 Arena na noite de quarta-feira, finalizando a parte britânica da BTS World Tour: Love Yourself.

É desnecessário dizer que os fãs vão sentir saudades do bromance entre Jimin e SUGA, cujo nome verdadeiro é Yoongi, então os cantores deram aos ARMYs um último momento especial para apreciar.

[TRAD] Yoongi tentando imitar o giro do Jimin

Os ARMYs ainda estão tocados depois do giro, com um fã tweetando: “Amo o Yoongi! O giro do Jimin foi incrível!”

Foi “adorável” de acordo com um fã, enquanto outro comentou: “O Yoongi é engraçado. O giro do Jimin, porém. LINDO.”

Outro fã brincou: “Eu nunca vi o Yoongi se mexer tanto sem motivo aparente risos”

Jimin estava claramente brincalhão pois, em um momento, o cantor sussurrou algo no ouvido de JungKook, que pareceu o ter deixado histérico.

[TRAD] O que diabos o Jimin sussurrou para o Jungkook 

Ao anunciar a notícia, o comunicado dizia: “Um dos nossos integrantes, JungKook, se machucou ontem. Embora a lesão não seja grave, conforme o conselho de nossa equipe médica, o JungKook ficará sentado durante todo o show. Nós sinceramente pedimos desculpa a todos nossos fãs.”

O fenômeno BTS está dominando o mundo. Prova da influência do grupo foi serem nomeados pela revista Time como um dos líderes da próxima geração.

Fonte: Metro UK
Trans eng-ptbr; natália feitosa @ btsbr


Publicado em 13.10.2018
BTS Bon Voyage – INTENSIVO: S03E04
Confira um grande resumo de cada episódio da saga do BTS em Malta!

É o terceiro dia em Malta para o BTS, e os integrantes rapidamente se dividem em 3 grupos para chegar ao destino do dia! JungKook dirige o primeiro carro, com Jimin e RM de passageiros. Enquanto J-Hope dirige o segundo, com SUGA e Jin como seus passageiros. Naturalmente, várias coisas engraçadas acontecem enquanto eles lutam com o sistema de navegação e novamente SUGA quer saber quem peidou no carro. Todos estão animados para andar de carro dentro de uma balsa pela primeira vez!

Quando eles finalmente estão na balsa, decidem comer algo enquanto esperam. Todos estão animados para ver V, que chegou em Malta e se juntará aos demais mais tarde.

Assim que a balsa chega em Gozo, eles voltam a seus carros e se perdem de novo. SUGA tem que contar más notícias aos garotos, após receber informações pessoais e descobrir que precisará voltar para a Coreia antes do previsto. Jin está especialmente triste por perder seu companheiro de pesca tão cedo.

O grupo começa sua instrução para mergulho, enquanto V segue em um tour rápido pela vila do Popeye antes de se encontrar com os outros. Os garotos, menos SUGA, que apenas assiste, vestem o equipamento de mergulho e praticam em uma piscina com seu instrutor. Há certa reclamação pela temperatura gelada da água antes deles ficarem sérios e começarem a aprender.

Depois, o grupo parte para o almoço onde todos estão tristes pela partida de SUGA. Enquanto eles estão falando sobre isso, V chega e se junta aos demais no almoço. Isso melhora o clima, com todos o cumprimentando e dizendo o quanto sentiram sua falta. Jimin e JungKook mostram suas tatuagens de henna, e SUGA e Jin mostram seus colares da amizade. V é rápido ao perguntar sobre a situação dos quartos na casa e descobre sobre o jogo para decidir seu quarto.

Há mais preocupações sobre SUGA ter que voltar mais cedo da viagem, e ele responde à elas dizendo que todos eles vivem na Coreia juntos, então se verão em breve. Enquanto o grupo sai para fazer o mergulho e se divertir, SUGA fala para as câmeras sobre ter que retornar mais cedo e deixa mensagens para seus companheiros de grupo. Ele espera que eles aproveitem o restante da viagem mesmo com ele indo embora, e quer que eles aproveitem esse tempo em Malta. Ele também espera que Jin pare de perguntar às pessoas se elas conhecem o BTS.

JungKook, Jimin, RM e J-Hope saem para sua aventura de mergulho e se divertem muito observando o que as águas de Malta têm para oferecer, enquanto V convence Jin a ficar com ele e andar de jet ski. Eles também se divertem muito dirigindo pelas águas, e Jin começa a gritar animadamente. Depois, Jin decide tentar pular na água com algumas pessoas da região, mas V não o acompanha

Depois que os meninos terminaram de brincar na água, eles voltaram para os carros. Como SUGA havia ido embora, V fica em seu lugar no carro de J-Hope e logo coloca música para tocar. Eles também chega à balsa primeiro, e V dá os bolinhos de arroz que ele trouxe da Coreia aos meninos como lanche, enquanto eles esperam por JungKook, RM e Jimin, que  se lembram que J-Hope está com todo o dinheiro. Mas, felizmente eles descobrem que podem pagar a balsa com cartão e usam seu próprio cartão de crédito para conseguir embarcar na balsa.

Depois de mais uma volta de balsa, é hora do grupo ir andar a cavalo! V é o mais animado para essa atividade, já que ele aprendeu a cavalgar durante o drama que ele participou, apesar de ele informar que fazem dois anos desde de a última vez que ele andou a cavalo. O grupo rapidamente descobre que J-Hope tem um pouco de medo de cavalos, e o restante deles realmente não sabe o que está fazendo! Eles também ficam impressionados pelo tamanho do cavalo de JungKook. Eles aproveitam a cavalgada juntos para assistir ao pôr do sol e V consegue mostrar algumas das coisas que ele aprendeu sobre cavalgar – dando ao resto dos integrantes algo interessante de ver.

Já cansados do dia, todos voltam para a casa, onde V traz sua bagagem. JungKook, Jimin, RM, Jin e J-Hope o esperam na sala e respondem algumas de suas perguntas enquanto ele tenta decidir seu quarto. Eles tinham planejado manter os detalhes em segredo, mas acabam desistindo e dando algumas dicas. Depois de tentar conseguir o máximo de informação possível, V acaba escolhendo o quarto que JungKook está ficando.

Depois da agitação por conta da escolha de quarto do V, eles todos tomam banho e colocam seus pijamas antes de jantar. Eles decidem fazer um rápido e fácil Ramen depois do longo dia de atividades. E todos lamentam o fato de SUGA ter ido embora, pois ele geralmente era o chefe de cozinha da casa. Jimin não consegue evitar e grita “Eu sinto sua falta, SUGA”, depois de entrar em seu quarto, agora sem as coisas do SUGA.

No próximo episódio, da semana que vem, os integrantes irão acampar! Parece que os grupos serão divididos em J-Hope, Jin e Jimin contra JungKook, V e RM. Eles também param para comer pizza, pescar e aproveitar a água!

Onde assistir à terceira temporada do Bon Voyage?

Os fãs podem assistir à terceira temporada do BTS: Bon Voyage online no canal do grupo no V Live. Essa temporada tem 8 episódios, 8 episódios dos bastidores e 2 vídeos bônus, que podem ser adquiridos como um pacote por 900 moedas (aproximadamente R$ 70,00).

O próximo episódio dessa temporada será transmitido no dia 16 de outubro, à partir das 9h (horário de Brasília).

Fonte: Hypable
Trans eng-ptbr; Jojo Viola @ BTSBR


Publicado em 13.10.2018
9 momentos do Jimin que farão você se apaixonar ainda mais por ele
Os momentos mais angelicais, doces, sexy e adoráveis do nosso mochi!

Eu não vou mentir para você: eu estava atrasada, atrasada, atrasada para a sensação que é BTS. Não me orgulho disso, considerando o status de celebridade e tudo, mas você sabe o que dizem: antes tarde do que nunca. E estou aqui, e sou ARMY pra caramba. Estou apaixonada por todos os membros do BTS por inúmeras razões, mas eu, como a maioria dos ARMYs, tenho um bias. Seu nome é Park Jimin. E eu poderia continuar e falar sobre todas as razões pelas quais ele é incrível, ou posso mostrar a você todos os vídeos incríveis que capturam perfeitamente por que ele é tão fácil de se apaixonar. Então, sem mais delongas, aqui estão todos os vídeos fofos de Jimin do BTS que fizeram os fãs se apaixonarem por ele.

 1. Quando ele derreteu o coração dos locais com sua existência angelical

OK, eu honestamente era uma “local” (ou seja, alguém que não é familiarizado com K-Pop) quando eu visualizei o vídeo abaixo, que se tornou viral no Twitter (tendo sido este que impulsionou minha obsessão com o BTS). De qualquer forma, Jimin conseguiu derreter milhões de corações de fãs e não-fãs neste momento em que ele estava … simplesmente existindo? O vídeo capturado pelo fã é literalmente o Jimin olhando para o… nada? Mas mesmo Jimin apenas existindo é uma visão de tirar o fôlego e se contemplar. Você pode realmente se surpreender pelo fato do vídeo ter se tornado viral, com os locais se perguntando: “Quem é este ser etéreo enfeitando a minha timeline?”

[TRAD] Ele é de tirar o fôlego

 

2. Quando ele apresentou “Serendipity” em Los Angeles e elevou todos os níveis quando o assunto é performance!

Embora todos os integrantes do BTS tenham níveis inacreditáveis ​​de talento quando se trata de comandar o palco, Jimin é incomparável (pelo menos se você perguntar a qualquer fã do BTS que tenha como bias o Jimin – ou seja, eu). Até mesmo os outros integrantes do grupo reconheceram a capacidade de Jimin em causar um grande impacto com cada passo de dança e expressão facial.

Veja o desempenho dele em sua faixa solo, “Serendipity”, no show do BTS, no dia 9 de setembro, em Los Angeles, por exemplo. O perfeccionismo de Jimin transparece em todos os movimentos coreografados (quero dizer, naquele momento ele faz o que eu chamei de “roda horizontal”, compreensivelmente faz com que os ARMYs entre toda vez em histeria). Cada movimento e floreio adicionados parece intencional – como quando ele estourou a bolha? Quero dizer… não sei explicar, mas você sabe exatamente do que estou falando.

Confira o momento abaixo (Avance para a marca de 1:08 se você não quiser assistir a coisa toda – entretanto, por que você não iria querer assistir a coisa toda?):

3. Quando ele vestiu o terno vermelho no America’s Got Talent

Jimin é lindo o tempo todo, mas ele realmente se  superou no dia 12 de setembro de 2018, quando vestiu um elegante terno vermelho para apresentar “IDOL” no programa America’s Got Talent. Apenas alguns dias depois de se tornar viral por parecer um anjo enviado do céu, ele estava se tornando viral novamente por seus sexys movimentos de dança e estilo impecável.

 

[TRAD] Ele é lindo, esse cara de terno vermelho. Tipo, ele pode ser a pessoa mais bonita da história

 

4. Quando ele chorou enquanto revelava o quanto amava seus companheiros de grupo no palco

Jimin é fofo em todos os aspectos de sua vida, desde quando ele está cantando, dançando e cuidando dos integrantes, até quando ele está sendo um encrenqueiro travesso em sua busca sem fim por atenção (não se preocupe, Jimin, nós temos bastante atenção para dar a você). Mas nada supera um Jimin emocionado se abrindo sobre o quanto ele ama seus companheiros de banda. Um dos momentos mais emblemáticos de Jimin foi no final de uma das apresentações da turnê ‘The Beautiful Moment em Life On Stage: Epilogue, quando ele decidiu fazer com que todos os presentes tivessem um ataque de lágrimas – incluindo os integrantes.

Eu só vou dizer isso hoje. Nós não falamos muito sobre essas coisas [nos bastidores]. Taehyung, Yoongi, Seokjin, Jungkook, Namjoon, Hoseok“, ele disse, chamando cada um de seus colegas pelo nome enquanto enxugava as lágrimas dos olhos. Ele continuou.

“Eu sou muito grato a vocês. Eles me fizeram olhar para mim mesmo. Eles me possibilitaram de fazer coisas que eu não podia fazer. Eles me ensinaram o que significava ser legal, então eu queria ser legal e ser mais como eu mesmo. Graças a eles, sinto felicidade.”

Vamos apenas dizer que não houve um olho seco após este discurso! E nem terminou aí. Confira o discurso na íntegra abaixo, começando por volta de 3:43 (traduzido brilhantemente para o inglês pela generosa fanbase do BTS que eu não sei onde me encontraria sem):

 

5. Aquela vez que ele ficou com raiva por receber ordens de um garoto de 14 anos

Sim, Jimin é mesmo fofo quando está com raiva. Este é um TBT de 2014, quando os garotos filmaram seu reality show, American Hustle Life – que realmente, realmente, não envelheceu bem por inúmeras razões. Mas, visto por si só, o momento em que Jimin e Jungkook (que é um dos amigos mais próximos de Jimin no grupo) foram encarregados de limpar um avião e deixados aos cuidados de uma criança de 14 anos para ter certeza de que fariam um bom trabalho (para o terror de Jimin, de 18 anos) foi hilário. Jimin talvez pudesse ter feito um trabalho melhor de limpeza, mas aquele garoto de 14 anos estava se divertindo muito mandando nele (eu também acho que algum produtor definitivamente incentivou o garotinho… isso era um reality show, afinal de contas). A reação de Jimin a ser mandada incessantemente por alguém quatro anos mais novo que ele era IMPAGÁVEL.

6. Toda e qualquer hora em que ele fala inglês

Jimin entrou em no papel de superstar global em um piscar de olhos, então não há como você esperar que ele seja fluente em qualquer outro idioma além de sua primeira língua, o coreano. Como já dito, considerando que eu levei seis anos de espanhol na escola e ainda mal consegui perguntar onde o banheiro fica na língua, as habilidades de inglês do Jimin são bem excepcionais. Jimin geralmente deixa RM falar em inglês nas entrevistas com  veículos dos EUA (ele é o mais fluente do grupo graças a seus pais que o forçaram a assistir Friends, FYI), mas de vez em quando, temos um gostinho de Jimin falando inglês e os fãs amam cada momento.

Tanto é assim que os fãs fiéis compilaram todos os momentos gloriosos em vídeos para facilitar a visualização:

Tem como ele ser mais encantador?!

7. Qualquer momento em que ele abençoou os ARMYs com uma pequena mostra de seus abs

De vez em quando, Jimin mostra um vislumbre minúsculo de seu abs tonificados para nós fãs indignos, mas nenhum momento é mais icônico do que quando ele rasgou sua camisa durante a batalha de BTS ‘Fight of the Century’ com Block B no Mnet Asian Music Awards de 2014.

O que fizemos para merecer tamanha perfeição ?! Você está bem? Ok…

8. Todos os seus clímaxes nas músicas

O que é uma killing part, você se pergunta? Bem, no K-Pop, killing part é aquele momento na música ou no MV que é considerado inesquecível. Aquele momento em que o baixo aparece, ou a nota musical muda e o seu bias atinge aquela nota inacreditável. No caso de Jimin, ele apenas coloca você em transe com seus movimentos de dança absurdos.

Se eu tivesse listado todas as partes do Jimin que me fizeram dar replay cerca de 1.000 vezes, nós ficaríamos aqui para sempre, então eu vou te dar o meu favorito: “Not Today” quando isso aconteceu:

GIF

Eu também adoraria aproveitar esta oportunidade para apreciar a era do Jimin com cabelo rosa.. Eu sei que estou atrasada, mas eu aprecio isso.

9. Qualquer momento em que ele demonstra preocupação com seus colegas

Cada membro da BTS tem um relacionamento especial um com o outro e todos se importam profundamente um com o outro, mas entre os membros, Jimin é conhecido por ser particularmente caloroso, fazendo de tudo para cuidar de seus colegas de grupo o tempo todo. Embora existam tantos momentos que capturam a personalidade carinhosa de Jimin, não há como esquecer aquele em este e Jungkook dormiram em um sofá enquanto viajavam para o exterior. Jimin acordou no meio da noite e foi buscar um cobertor e travesseiro para o caçula. Como não falar MELHOR HYUNG?!

Eu sei, eu sei, eu sei… há cerca de dez milhões de outros momentos do Jimin que eu poderia adicionar a esta lista para mostrar o quão fofo e surpreendente esse lindo ser humano é, mas acho que é melhor parar por aqui para nos poupar de sermos sugados para um buraco sem fim do Jimin, onde não teremos a chance de sair. E, de qualquer maneira, gostaria de manter meus olhos abertos para o futuro, já que, sem dúvida, muitos vídeos fofos do Jimin estão por vir!

 

Fonte: Elite Daily
Trans eng-ptbr; fernanda azevedo @ btsbr

 


Publicado em 13.10.2018
Como o maior grupo do mundo se mantém radicalmente coreano
A importância de manter-se fiel a cultura do seu país no grande sucesso do grupo

Em 2015, o One Direction declarou uma pausa de 18 meses nas atividades do grupo. Acabou se transformando em anos, e eles efetivamente abdicaram do título de maior boyband do mundo. Desde então, os sete sul-coreanos do BTS rapidamente ascenderam a esse trono, tornando-se o primeiro artista coreano a conseguir um álbum número 1 nos Estados Unidos e esgotando arenas em todo o mundo.

Olhando à minha volta durante o show do BTS que aconteceu em 6 de outubro no Citi Field de Nova Iorque – a última parada da fase Norte-Americana de sua BTS World Tour: Love Yourself e seu primeiro show em um Estádio fora da Ásia até agora, eu não fiquei surpreso em ver um dos públicos mais diversos da minha vida, em termos de raça e idade. Neste ponto, está bem estabelecido que as barreiras linguísticas e culturais praticamente não influenciam a popularidade do K-pop; Da mesma forma que as estrelas ocidentais são recebidas com amor no exterior, o BTS tem sido bem acolhido pelo pública na América. Quando o grupo subiu ao palco e tocou seu atual single, “IDOL”, os gritos ensurdecedores me fizeram pensar se eu estava assistindo a versão da minha geração dos Beatles no Shea Stadium. O mais marcante em toda a trajetória do grupo, é que o BTS manteve a cultura coreana como seu maior atrativo e marca. Diferente das bandas que foram parte da invasão Britânica nos Estados Unidos, o BTS não compartilha sua língua ou tradições musicais eurocêntricas com o público estadunidense.

Em seu som pop global abrangente, o BTS continua priorizando o espaço para elementos tradicionais coreanos em suas músicas. Seja em sua versão original ou em seu remix recente com Nicki Minaj, “IDOL” apresenta um elemento vocal (“얼쑤!” / “URSOO!” – traduzido aproximadamente como “oh yeah!”) tirado diretamente de Pansori, um gênero tradicional coreano de ópera narrativa. Ao final da música, os membros aproximam-se vocalmente dos sons de janggu coreano: tambores de som oco em forma de ampulheta que datam do século XI. Essas alusões se mostraram populares entre os coreanos, mas não ficou claro para mim quantos fãs na América podem se conectar a esses elementos em um cenário ao vivo. Acontece que milhares de pessoas vão gritar onomatopéicamente a ritmos que existem há literalmente milênios, sem noção alguma de sua história, desde que seja disfarçada dentro de uma canção pop. Como um coreano nativo, foi bastante surreal viver essa experiência incrível em uma multidão de 40.000 pessoas.

Continuando o show, o BTS nos mostrou mistura de baixo e bateria com “I’m Fine”, a melódica neo-soul “Singularity”, bouncy synth-pop com “Trivia 轉: Seesaw”, e muitas batidas trap. Cada integrante – RM, Jin, SUGA, J-Hope, Jimin, V e JungKook – teve a chance de cantar uma música solo, de raps contagiantes à baladas. Este é o K-pop moderno: uma reinterpretação em constante evolução do rap ocidental, R&B e eletrônica através das lentes da experiência coreana.

Esse tipo de agnosticismo de gênero parece uma conclusão completa do caminho estabelecido pelo trio Seo Taiji and the Boys, cujo a performance na TV do single “Nan Arayo (I Know)” em 1992 é amplamente creditada como a introdução do rap às massas coreanas. Uma nova faixa de swing com guitarras distorcidas e um refrão melódico, “Nan Arayo” provavelmente deu origem a todo o K-pop em si. Inclusive, Seo Taiji e the Boys estabeleceram um precedente para a arte política no mainstream relativamente conservador da Coreia do Sul. Suas canções, como “Come Back Home” e o “Kyoshil Idea”, apontavam para o governo e expressavam desgosto pela pressão social para se sobressair academicamente.

Seguindo os passos de Seo Taiji e the Boys de outra maneira, o BTS também faz críticas políticas em suas mensagens (seja música ou declarações) há anos. Em “Dope” e “Silver Spoon/Baepsae”, eles abordam o estresse econômico e social colocado em sua geração, condenando baby boomers sul-coreanos que se julgam a geração do milênio. Na apresentação do Citi Field, essas músicas faziam parte de um medley com sucessos passados, mas os fãs cantaram as palavras em coreano com a mesma ênfase que fizeram com os sucessos atuais. Em determinado momento do show, os integrantes do BTS disseram que nunca pensaram que iriam fazer isso aqui. Pela primeira vez, o K-pop conquistou a América em seus próprios termos, e não com a comédia como foi “Gangnam Style”.

Durante um recente discurso às Nações Unidas (o primeiro por um artista de K-pop), o líder do BTS, RM disse: “Não importa quem você é, de onde você é, sua cor de pele, sua identidade de gênero, fale por si mesmo” um sentimento que ele ecoou no palco durante a turnê atual. Talvez na América isso pareça uma declaração clichê, mas na Coreia do Sul – onde até mesmo o atual presidente liberal (e fã do BTS) Moon Jae-in se opôs publicamente à homossexualidade – a declaração de RM é um gesto corajoso, de aliado e uma janela para um enorme apelo internacional. Apesar das barreiras linguísticas, o que se traduz é o compromisso do BTS em servir como porta-vozes de uma nova geração global insatisfeita, que espera mais de seus governos, que quer envelhecer em um mundo melhor.

Seo Taiji – hoje com 46 anos e considerado um gigante da cultura na Coreia do Sul – passou a tocha ao grupo quando convidou o BTS para tocar com ele em um show comemorativo de 25 anos em Seul no ano passado. “Grande irmão, não estamos brincando”, disse Jimin no palco. Ao que Taiji respondeu: “Agora é sua hora. Vamos ver o que você pode fazer.”

Fonte: Pitchfork
Trans eng-ptbr; Caroline Piazza @ BTSBR


Publicado em 13.10.2018
Líderes da próxima geração: Como o BTS está dominando o mundo
O grupo saiu da Coreia e conquistou atenção contínua nos charts do ocidente

É cedo numa noite de segunda-feira em setembro em uma suíte extravagante no último andar do Hotel Ritz-Carlton em Los Angeles, e Jimin, 1/7 do BTS, a boyband mais popular do mundo, tira uma soneca bem em frente ao espelho iluminado do camarim.

Não podemos culpá-lo por estar exausto. Exatamente 24 horas antes, Jimin, 22; Jin, 25; SUGA, 25; J-Hope, 24; RM, 24; V, 22; e JungKook, 21, estavam se aquecendo no backstage do Staples Center, em Los Angeles, se preparando para se apresentar seu quarto e último show de uma série de shows esgotados na arena com capacidade para 20 mil lugares. Cada noite é uma maratona de coreografias afiadas, intervalos com MVs e pirotecnias internas — tudo isso tendo como fundo, é claro, os rugidos e gritos dos fãs. “É uma verdadeira honra,” diz J-Hope, através de um tradutor. “Estamos orgulhosos que o que estamos fazemos está dando resultado.”

Como os Beatles e One Direction antes deles, o BTS apresenta uma mistura de galãs bonitos e refrões chiclete que causam mania, junto de movimentos de danças que vão de encontro ao New Kids on the Block e *NSYNC. Mas o grupo — que significa Bangtan Sonyeondan, em coreano, e Beyond the Scene, em inglês — também está chegando a um novo patamar. O BTS não só é o primeiro artista coreano a esgotar os ingressos para um estádio nos Estados Unidos (para não falar dos recordes que quebraram pela Ásia), mas fizeram isso sem prover para o público ocidental. Somente um de seus integrantes, RM, é fluente em inglês, e a grande maioria de suas músicas são em coreano — provando ainda mais que música “não precisa ser em inglês para ser um fenômeno global”, como disse Steve Aoki, DJ estadunidense que colaborou com o BTS. O grupo também é incrivelmente adepto às redes sociais, tanto para promover suas músicas, quanto para se conectar com os fãs.

Mas, por agora, pelo menos, eles precisam dormir. “Ainda estou tentando superar o jet-lag,” diz SUGA, um dos três rappers do grupo.

***

Desde a sua origem nos anos 90, o pop coreano — ou K-Pop — vem se tornando sinônimo daquilo que os estúdios chamam de “idols”: um grupo de pop stars jovens, polidas e aparentemente perfeitas cujas imagens são rigorosamente controladas (eles são desencorajados, por exemplo, de discutir suas vidas amorosas para que pareçam disponíveis para os fãs). Mas ainda que o K-pop tenha amadurecido a uma indústria de quase US$ 5 bilhões com fãs ao redor do mundo, suas maiores estrelas — incluindo Rain, Girls’ Generation e BigBang — falharam grandiosamente em ganhar tração nos mercados ocidentais. O forasteiro, neste caso, foi Psy, rapper sul-coreano cujo “Gangnam Style” se tornou um hit viral em 2012 por meio da sua persona cômica e escandalosa foi um sinal incomum (e, alguns críticos discutem, problemático) para o gênero.

Quando o BTS chegou em 2013, era claro que eles criariam novas regras. Eles foram recrutados por Bang Si-hyuk, um renegado do K-Pop que deixou uma grande companhia para começar sua própria empresa. Ele escolheu jovens estrelas que aparentavam ser descolados, começando com RM, que era inicialmente parte da cena underground de rap da Coreia. E embora o BTS tenha elementos de idols — a estética impecável, a coreografia certeira, os singles divertidos e amorosos — eles também abraçam seus defeitos. Seu primeiro lançamento, “No More Dream”, assumiu a forma de como a juventude coreana se sente frustrada pelas expectativas criadas pela sociedade; RM gravou uma música com Wale que faz alusão à importância do ativismo; SUGA lançou uma mixtape abordando sua depressão. “Nós começamos a contar histórias que as pessoas queriam e estavam prontas para ouvir, histórias que outras pessoas não podiam ou não queriam contar”, diz SUGA. “Nós dissemos o que as pessoas estavam sentindo— como dor, ansiedade e preocupações.” Eles transmitem essas mensagens em seus videoclipes, carregador de metáforas e referências culturais; nas suas redes sociais; nas letras de suas músicas, as quais os fãs traduzem e analisam através de grupos de mensagens e podcasts. “Esse era o nosso objetivo, criar essa empatia que as pessoas conseguem se identificar”, SUGA continua.

Ajuda, também, que o som deles seja amplamente atraente, misturando hip-hop com EDM e produção pop. Colaborações recentes incluem Desiigner e Nicki Minaj, que adicionou um verso no single mais recente “IDOL”, cuja letra dá uma visão da posição deles na indústria do K-Pop. “Você pode me chamar de artista, você pode me chamar de idol”. eles cantam. “Não importa do que você me chame, eu não ligo… você não vai me fazer parar de me amar”. RM diz que o mantra — love yourself, se ame — é a essência da identidade do BTS; é até incorporado nos títulos dos álbuns mais recentes. “A vida tem muitos problemas imprevisíveis, problemas, dilemas”, diz RM. “Mas eu acho que a coisa mais importante para viver bem é ser você mesmo. Nós ainda estamos tentando ser nós mesmos.”

Essa combinação de características refletiu em seus fãs, especialmente nas redes sociais, onde o BTS acumulou milhões de seguidores dedicados. Eles se chamam de ARMY (exército), que além de ser um acrônimo para Adorable Representative M.C. for Youth (Adoráveis Representantes da Juventude), também mostra seu poder organizado. Em 2017, os fãs do BTS protagonizaram as manchetes por levarem o grupo ao topo do chart Billboard Social Artist — que incorpora streaming, menções em redes sociais e mais — e por ultrapassarem as curtidas de Justin Bieber e Selena Gomez. Desde então, os ARMYs catapultaram ambos os álbuns mais recentes do BTS, Love Yourself ‘Answer’ e Love Yourself ‘Tear’, para o topo dos charts nos Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão. “Mesmo que haja uma barreira de linguagem, uma vez que a música começa, as pessoas reagem praticamente da mesma maneira em qualquer lugar que nós vamos”, diz SUGA. “Parece que a música realmente nos torna mais próximos.” Jimin complementa: “Nós damos energia para os nossos fãs e ouvintes, mas nós também recebemos energia deles.”

***

De volta ao Ritz, o maquiador acorda Jimin de seu cochilo. Próximo dele, V canta a nota de uma música enquanto seu cabelo loiro é seco. JungKook alonga seu pescoço enquanto a maquiadora aplica corretivo. RM conversa com um empresário. SUGA veste seus sapatos. Jin, que atende pelo apelido de “Worldwide Handsome”, deixa um assistente ajustar sua gravata. A risada de J-Hope ecoa pela porta.

É um momento raro para os garotos. Nas semanas seguintes, eles apresentaram mais 11 shows esgotados, fizeram uma aparição no Good Morning America e inclusive ajudaram a lançar uma iniciativa de empoderamento da juventude na Assembleia Geral da ONU em New York, na qual RM falou sobre aceitação pessoal: “Não importa quem você é ou de onde você é, a cor da sua pele, sua identidade de gênero, fale por si mesmo”.

Um cronograma como esse pode parecer intimidante. Mas para o BTS e seus ARMYs, é um sinal encorajador do que há por vir.  “Eu vou apenas jogar isso no ar”, diz SUGA, “mas talvez a gente possa se apresentar no Super Bowl um dia”.

Fonte: Time
Trans eng-ptbr; beccs, nalu @ btsbr


Publicado em 13.10.2018
BTS ilumina o palco e seus ARMYs fazem o resto
Leia a resenha do The New York Times para o show final nos EUA no Citi Field

Os lightsticks custam 57 dólares. Nas horas anteriores aos versáteis maximalistas do BTS dominarem o palco do CitiField na noite de sábado, fãs faziam fila às centenas nos stands ocupando todo o estádio do Queens, dando quantias de dinheiro nada insignificantes em troca de lightsticks com formato de microfones e do tamanho de garrafas de um litro.

Uma vez em seus lugares, ou no gramado, os fãs seguraram seus lighsticks — chamadas ARMY bombs — acima de suas cabeças durante todo o show de duas horas e meia do BTS, sacudindo-as no ritmo da música enquanto vários efeitos eram produzidos via Bluetooth, tornando a multidão em um oceano de cores em sequência.

Demonstrações de severa devoção são a norma no K-pop, mas mesmo nesse universo, o fervor gerado pelos sete integrantes do grupo masculino BTS — RM, SUGA, Jin, J-Hope, Jimin, V e JungKook — é intenso de forma incomum.

IMG 1

E no às vezes sísmico show de sábado à noite, com um espaço lotado com 40,000 pessoas, havia uma espécie de diálogo entre artista e fãs, um exercício colaborativo. Foi o show final da BTS World Tour: Love Yourself, e a primeira apresentação do grupo em um estádio no país. Alguns fãs do grupo — chamados ARMY — acamparam do lado de fora por quase uma semana para serem os primeiros a receberem as pulseiras e se posicionarem o mais perto possível do palco central.

Após muitos anos nos quais os maiores e mais ambiciosos artistas do K-pop tentaram fazer o seu caminho para dentro dos Estados Unidos, BTS se tornaram os mais bem-sucedidos na América do Norte. Lançado em maio, Love Yourself 轉 ‘Tear’, o seu terceiro álbum, se tornou o primeiro lançamento de K-pop a alcançar o topo das paradas de álbuns da Billboard. O seu repackage, Love Yourself 結 ‘Answer’, lançado em agosto, foi o segundo.

Esses álbuns mostram como BTS navega entre complexos e crescentemente variados sons: EDM-pop à la The Chainsmokers, R&B dos anos 1990, hip-hop de Nova York e do sul, e muito mais. Como cantores e rappers, os integrantes são talentosos. Como dançarinos e artistas, são ágeis. E nesse show, sua execução foi tranquila.

photo.jpg

No seu melhor, a música do BTS é densa e polivalente, beirando o caos. “DNA” começou como um guitar-pop meio Shawn Mendes e atingiu o nível vulcânico de música de balada. “I Need U” era um pop-R&B primal. “Airplane pt. 2” teve centelhas de piano de cabaré e pop latino. “So What” teve o frenesi aéreo de um ganhador do Eurovision. Um medley de músicas mais antigas no meio do show fez com que o estádio se tornasse digno de uma trilha sonora cinematográfica, com eletrizante hard rock e industrial electronic colapsando em uma sequência frenética.

Perto do fim do show, “The Truth Untold” mostrou as doces harmonias dos quatro vocalistas (Jin, Jimin, V e JungKook) e foi imediatamente seguido por “Outro: Tear,” que demonstrou a versatilidade e alcance dos três rappers (RM, SUGA e J-Hope). Cada integrante teve seu momento solo também — um sensual R&B de V em “Singularity,” e em “Serendipity,” Jimin mostrou movimentos meio balé, meio Matrix.

Para toda a coreografia profissional e planejamento aplicados nessa performance, o que realmente a tornou particularmente acessível foi o ar de casualidade dos integrantes, mantendo-se calmos na superfície enquanto trabalhavam furiosamente por baixo. Eles entendiam a importância de pequenos gestos — em vários lugares, tanto no palco quanto em intermissões gravadas, uma dupla de integrantes segurava brevemente as mãos, ou se abraçavam, demonstrando uma brincalhona e confortável familiaridade.

IMG 2

Houveram também lapsos de um comportamento mais sensual e adulto entre o amigável clima do show, como quando JungKook, durante a elaborada coreografia de “Fake Love,” levantou sua camisa para revelar um rápido lampejo de seu abdômen. (O figurino era elaborado, indo de “mariachi artístico” para “pirata sadomasoquista” até “b-boy modernista.”)

E alguns dos momentos mais interativos foram os mais humorísticos, cortando a seriedade do grupo com um pouco de ironia e sarcasmo. No início de “Singularity,” V estava se acariciando por cima de um blazer pendurado, e durante “So What,” JungKook mexeu no cabelo de Jimin em tom de brincadeira enquanto encarava a câmera com um olhar desafiador.

Esses atos também eram um reconhecimento da adoração de seus fiéis fãs, uma maneira de tornar o sentimento literal no palco. Essa conversa implícita continuou em discursos nos quais cada integrante confessou seu amor pelo ARMY.

Em certo ponto, Jimin se debulhou em lágrimas, mas o momento mais emocionante veio de RM, o mais fluente em inglês no grupo. Ele falou sobre o quão animado ele se sentia sobre estar em Nova York, “o lugar onde a música que mudou a minha vida nasceu.” Ele discorreu sobre o tema da turnê e da recente música do grupo.

“Parece que estou usando vocês para me amar,” ele falou. “Por favor me usem. Por favor usem BTS para amar a si próprios.” Os sorrisos na multidão eram mais brilhantes do que qualquer luz.

Fonte: The New York Times
Trans eng-ptbr; gabriela @ btsbr


Publicado em 13.10.2018
Quem é Jimin? O príncipe encantado do BTS
Acha que sabe tudo sobre o nosso pequeno príncipe? Leia e saiba ainda mais!

O BTS acabou de completar a BTS World Tour: Love Yourself na América do Norte no dia 6 de outubro e, enquanto eles estavam nos Estados Unidos, eles realmente deixaram sua marca nos ARMYs estadunidenses, e até em quem não é fã. Minha mãe chegou a me ligar no dia 26 de setembro após a apresentação deles no Good Morning America para ter certeza de que eu, como editor no meio de celebridades, soubesse sobre a boyband coreana BTS. E sim, mãe, eu já estava sabendo.

De qualquer maneira, RM, Jungkook, V, Suga, Jin e J-Hope já se solidificaram como galãs internacionais, mas vamos parar um pouco para apreciar o rei do charme do BTS, Park Jimin. No período de um mês em que o BTS esteve em terras estadunidenses, ele viralizou por volta de 15 vezes, e esses fatos sobre ele podem ajudar a entender o porquê, exatamente, de Jimin ter hipnotizado tanta gente ao redor do mundo.

1. ELE É O MAIS ESFORÇADO DO BTS

Antes que você comece a atacar a mim e ao meu bias, preciso te dizer que esse é um fato aceito universalmente pelo grupo em si. É inegável o fato de que todos os integrantes do BTS são muito esforçados (como é de se esperar quando se faz parte da maior boyband do mundo), mas os meninos apontaram diversas vezes que o Jimin é um “rato de ensaio”, ou seja, uma vontade incontrolável de ensaiar sem parar.

“Eu tenho que dizer que o Jimin é o que mais me inspira. Até onde eu sei, ele é perfeito.” Jin disse sobre Jimin durante a BTS Festa. “Ele é perfeito nos palcos, então eu imagino como ele consegue trabalhar sem parar. Ao ver o Jimin praticar tanto — Eu ensaio com o RM no canto quando estou cansado, e quando olho para Jimin, ele ainda está ensaiando sem parar.”

Você pode ver o Jin elogiar a ética de trabalho do Jimin aos 27:11 do vídeo abaixo.

2. ELE SE ESPECIALIZOU EM DANÇA MODERNA

Apesar de todos os integrantes do BTS serem dançarinos excepcionais, Jimin é reconhecido como um dos melhores do grupo, e até do K-Pop como um todo (junto de seu colega de grupo, J-Hope). Ele é elogiado frequentemente por seus movimentos suaves e elegantes nos palcos. E isso é graças ao seu treinamento em dança moderna, o qual ele se especializou quando estava estudando na Busan High School of Arts antes de fazer seu debut como integrante do BTS.

Confira essa apresentação de seus dias pré-debut e se prepare para se surpreender.

Definitivamente um estilo completamente diferente do que estamos acostumados a ver no BTS, mas agora você pode entender porque os passos do Jimin são tão legendários.

3. ELE COBRA DEMAIS DE SI MESMO

Jimin é um perfeccionista. É, sem sombra de duvidas, parte do motivo dele ter chegado tão longe como artista, mas o coração de qualquer ARMY se parte quando o Jimin começa a cobrar demais de si. Na série Burn The Stage, a qual documentou a turnê Wings, Jimin confessou que às vezes ele se sente inseguro de sua habilidade vocal.

“Os outros podem até dizer que não é nada demais, mas uma coisa faz me sentir culpado e eu começo a ficar estressado por conta disso. Ainda mais quando não posso fazer nada sobre o que aconteceu.” Ele explica sobre sua apresentação de “Lie”.

JungKook, também vocalista do BTS, elogiou a ética de trabalho de Jimin e explicou sua jornada para ser o vocalista incrível que ele é hoje em dia. “Se você o ouve cantar hoje em dia, percebe como ele mudou se comparado com anteriormente” JungKook explica. “Ele me faz várias perguntas sobre a parte vocal… Ele se sente mal depois de toda apresentação. Ele diz que não sabe como usar suas cordas vocais. E eu me sinto mal quando o vejo assim. Ele não está em uma posição na qual pode fazer aulas de canto.”

Confira o trecho de Burn The Stage abaixo e se prepare para ter seu coração partido.

Você está escutando esse barulho? É o som de todos os ARMYs existentes gritando “JIMIN, VOCÊ TEM A VOZ DE UM ANJO” em uníssono.

Embora seja de quebrar o coração ver o Jimin se cobrar tanto por uma falha em sua voz, sua natureza modesta e seu perfeccionismo são coisas que contribuíram para sua incrível presença de palco. Mas assim, Jimin: a única coisa pela qual você se deveria sentir culpado quanto a sua voz, é o fato da beleza dela me deixar acordado a noite toda. Ok? Ok.

4. O CHARME DELE É IRRESISTÍVEL

[TRAD] ele é de tirar o fôlego

Exemplo: Jimin mal disse 10 palavras em inglês nas entrevistas que o BTS fez durante a BTS World Tour: Love Yourself nos EUA e mesmo assim conseguiu criar o bromance mais épico de todos os tempos com o Jimmy Fallon, além de capturar olhares de todos que viram a apresentação de “IDOL” no America’s Got Talent.

Como, você me pergunta? Bom, charme é uma língua universal, certo? E o Jimin fala essa língua. Fluentemente.

Confira esse momento em que ele conheceu uma fã durante a participação do BTS no Good Morning America. Claro, ele mal falou com ela, mas o seu sorriso e seus gestos foram o suficiente para derreter o coração de qualquer um.

 

[TRAD] E foi assim que o show terminou hoje. Muitas razões para amar esses garotos.

 

5. ELE VIROU MELHOR AMIGO DO JIMMY FALLON

Falando em charme, vamos reviver o momento em que o Jimin conquistou o coração do Jimmy Fallon? Os meninos fizeram parte do The Tonight Show, e mesmo Jimmy e Jimin não falando a mesma língua, criaram um laço inquebrável com seus charmes e nomes quase idênticos.

Jimmy começou o segmento do BTS usando um arquinho do Chimmy em homenagem ao Jimin, e Jimin, literalmente, foi ao chão de emoção quando notou (todos sabemos como o Jimin adora elogios).

Resultado de imagem para jimin jimmy fallon gif

Um pouco mais tarde, Jimmy não se segurou e ficou todo animado enquanto Jimin se preparava para se apresentar para o mundo, e o par compartilhou o abraço mais ‘bromântico’. Confira o momento abaixo:

[TRAD] JIMMY ANIMADO PELO JIMIN SIM JIMMY FALLON É O CAPITÃO DOS JIMIN STANS

Então, apenas para provar que sua conexão é eterna, Jimmy gravou um vídeo para os meninos desejando um bom show enquanto eles se preparavam para seu momento histórico no estádio CitiField em Nova York….usando um moletom do Chimmy, é claro.

[TRAD] BTS no CitiField hoje!! Nova York ama vocês! Boa sorte!! 💜💜 Chimmy

E o Jimin respondeu com sua frase icônica, “você está tão fofo!”

 

[TRAD] Obrigado jimmy!
Você está tão fofo ☺️!!
Te vejo logo!!😁🙏

Acabou para você, Justin Timberlake, o novo bromance com o Jimmy Fallon chegou!

6. ELE TEM A FANCAM MAIS POPULAR DE TODOS OS TEMPOS

Qual o resultado da mistura da dança impecável e charme irresistível do Jimin? Uma fancam que quebrou vários recordes, obviamente.

Fancam é um termo popular no K-Pop para vídeos de apresentações de grupos que são focados em um só integrante, para que os fãs possam focar no seu bias durante uma apresentação sem se distrair com os outros integrantes.

Não existe um ranking oficial de fancams (que eu pude achar), mas uma simples pesquisa no Youtube já lhe traz resultados. A fancam do Jimin de “FAKE LOVE” da MNet em maio de 2018 é a primeira a aparecer, com mais de 33 milhões de visualizações.

JungKook, vem logo atrás com sua fancam do mesmo dia com mais de 30 milhões de visualizações. Então os colegas de grupo do Jimin também não estão para brincadeira.

Eu mal encostei na essência real de quem é Park Jimin nesse artigo, mas eu sinto que vocês verão mais e mais de Jimin e do BTS no futuro. A estrela que é o BTS só fica mais brilhante a cada dia, e eles não mostram sinais de que pretendem parar a qualquer momento.

Fonte: Elite Daily
Trans eng-ptbr; gio liotti @ btsbr


Publicado em 12.10.2018
40 mil ARMYs não estão enganados: assistindo ao maior grupo do mundo com os fãs mais dedicados
“Nosso amor pelo BTS é o que nos une,” dizem os fãs do BTS

Eu os vi pela primeira vez no trem 7 indo para o Queens, usando moletons com os dizeres “MIC Drop” e fones de ouvido plugados como se fossem lutadores se preparando para uma partida. Logo, estavam em todo lugar, 40 mil de todos os demográficos, fortes, mas em sua maioria mulheres jovens — asiáticas, negras, latinas, árabes, nativo-americanas, brancas, e todos os grupos étnicos que essas palavras podem significar — indo em direção ao Citi Field, o epicentro do K-Pop. Porque naquele sábado à noite o BTS, a boyband sul-coreana de sete integrantes, iria se apresentar em uma das únicas arenas de Nova York capaz de contê-los, onde os [fãs] mais devotos acamparam no estacionamento por uma semana. Se o prêmio de Top Social Artist do Billboard Music Awards dado ao BTS no ano passado pareceu uma curiosidade passageira, 2018 foi o ano que converteu todos os céticos: o BTS ganhou, novamente, o prêmio do BBMAs; discursou nas Nações Unidas sobre amor próprio e, o mais importante, conquistou dois álbuns no primeiro lugar das paradas, com Love Yourself 轉 ‘Tear’ e Love Yourself ‘Answer’. Eles vieram para ficar e seus fãs, conhecidos como ARMYs, estão prontos para celebrar. “Vamos torcer para que minha filha não desmaie,” uma mãe falou para mim antes do show.

Tudo sobre a ascensão do BTS é improvável. Eles não eram o grupo pop coreano que deveria conquistar o sucesso — nem na Coreia e, certamente, nem nos Estados Unidos. A maioria dos artistas musicais da Coreia da última década vieram de uma das empresas conhecidas como Big Three — as gravadoras SM, JYP e YG — e são meticulosamente modelados para dominar o mundo. Cada integrante é uma parte distinta com habilidades rentáveis projetadas para atingir um subgrupo demográfico ou mercado nacional diferente. O sucesso do BTS é parcialmente devido ao fato de que seu objetivo principal não era sobre agradar as massas: o grupo teve início em 2010 quando uma pequena empresa chamada BigHit Entertainment, fundada por Bang Shi-hyuk, assinou com RM, o rapper principal do grupo, depois de ouvir uma demo feita por ele quando tinha 15 anos. Ao longo dos anos seguintes, BigHit gradualmente assinou com o rapper SUGA e o dançarino street J-Hope até, eventualmente, montar o grupo com outros quatro vocalistas, “mundialmente lindo” Jin, V, Jimin e JungKook. RM é o único que fala inglês fluentemente, mas eles já deixaram claro que não têm a intenção de lançar músicas em inglês. Na verdade, fazer isso poderia diminuir o seu apelo.

A mitologia do BTS é toda sobre esse senso de autenticidade. Os integrantes, liderados por RM, escrever e produzem muitas das suas próprias músicas, e suas letras mais antigas, desde o seu debut oficial em 2013, são cobertas de consciência social e inquietações geracionais. Eles fizeram raps sobre os efeitos sufocantes do sistema educacional coreano, ansiedade, depressão, pressão das gerações mais velhas e a obsessão cultural com o materialismo. Uma das imagens predominantes em suas canções desde o seu primeiro álbum, 2 Cool 4 Skool, é a do baepsae, um pássaro pequeno e fofo com pernas curtas e conhecido como crow-tit, em inglês. O inimigo do baepsae é o hwangsae, uma cegonha que tem tudo muito fácil com suas pernas e passadas longas. É uma analogia muito coreana, mas facilmente compreendida em um mundo crescentemente dividido por aqueles que “tem” e aqueles que “não-tem”. Na música “Silver Spoon”, SUGA diz “nossa geração tem muitas dificuldades / Vamos persegui-los rapidamente / Por causa da cegonha, a virilha da minha calça está apertada / Me chame de baepsae.”

Ademais, o BTS é ativo nas redes sociais desde o começo, gravando diários em vídeo, conversas pós-show e respondendo perguntas no Fancafe e no Twitter. Isso deu a impressão, principalmente se você os segue desde o início, de que você esteve nas trincheiras com eles. O resultado é um círculo de reações: os ARMYs são o melhor exemplo de embaixadores culturais, traduzindo as aparições do BTS em programas coreanos para diversas línguas, fazendo compilações de vídeos (tome aqui dez minutos do Jin se chamando de lindo), e evangelizando outros fãs. O que é bom para o BTS é bom para os ARMYs, e torcer pelo sucesso deles é como torcer para o seu próprio sucesso. De fato, a BigHit constantemente posta atualizações através de seus canais de redes sociais, como o fancafe, bem como comunicados oficiais, não só porque é um mecanismo de divulgação efetivo, mas também porque preservar essa linha de comunicação direta com os ARMYs é crucial para a “experiência BTS”.

Ainda que o BTS seja um artista pop dominante, esgotando estádios que somente a Beyoncé conseguiria nos dias de hoje, seu fandom ainda tem um lugar desfavorecido nos Estados Unidos. Quando conversei com fãs do BTS, jovens e velhos, eles admitiram que adorá-los publicamente ainda é estranho, apesar da crescente influência do K-Pop. Um grupo de estudantes da Vanguard High School, em Nova York, me contou que seus colegas as chamam de “korea boos” por gostarem de K-Pop, mas o deboche apenas fez com que ficassem mais firmes em sua devoção. “Muitos fãs têm vergonha quando perguntam a razão pela qual gostam de K-Pop. Eu sinto que as pessoas julgam muito hoje em dia. Por que você gosta de rap? É a mesma coisa com a gente,” disse Khadiga Ghirani, estudante do nono ano em Vanguard. “Quanto mais pessoas gostarem de K-Pop, melhor e também, pior. Sempre que alguém diz “oh, comecei a gostar de K-Pop”, dentro de mim queima um fogo: seja meu amigo mas, ao mesmo tempo, eu cheguei aqui primeiro. Cai fora.”

Enquanto eu aguardava na fila do lado de fora da arena, uma mãe, que trouxe a filha da Carolina do Norte, disse que a música ajudou a menina a lidar com sua própria ansiedade e as aproximou uma da outra. Só podiam pagar por um ingresso, então a mãe disse que esperaria do lado de fora enquanto a filha lhe mandaria vídeo do lado de dentro (o bias dela é o Taehyung). Depois do show, duas mulheres mais velhas me disseram que amar o BTS é como um escape das notícias ou do racismo nos Estados Unidos, e que a natureza multicultural e global do fandom fazia parte da experiência. “Nosso amor pelo BTS é o que nos une,” disse uma delas. “Parece um intervalo [para tudo]. Aqui, não importa a minha aparência ou da onde eu venho.”

Online, esse poder é vigilante e espantoso. A falta de fronteiras no mundo construído na internet permitiu que os ARMYs florescessem independentemente de estado-nação ou repreensões culturais, através de cliques, votos e compras (o MV do hit mais recente do grupo, “IDOL”, recebeu mais de 56 milhões de visualizações nas primeiras 24 horas). Eles são protetores uns dos outros e relatam assiduamente os erros cometidos por jornalistas (normalmente aqueles que não falam coreano). Mais recentemente, os ARMYs repreenderam um escritor britânico por debochar do inglês de RM — auto-didata e aprendido através da série F.R.I.E.N.D.S — durante o discurso nas Nações Unidas, e o que perceberam ser um desrespeito geral em relação ao grupo (o jornalista do UK Times escreveu que RM tinha uma “sintaxe desconcertante” e soava mais como Joey do que Chandler). Tamar Herman, que escreve para a Billboard e frequentemente faz coberturas sobre K-Pop e o BTS, já foi chamada à atenção pelos ARMYs algumas vezes. Ela postou um tweet se desculpando por não dar a mesma atenção a um dos integrantes, JungKook, na sua crítica do show no CitiField.

No palco, tudo isso se traduz em uma humilde capacidade de representação do BTS. A música é puro pop de excelência, cobrindo diversos gêneros musicais com um distinto estilo coreano, desde seus hits mais badalados como “IDOL”, músicas divertidas como “Anpanman”, baseada no anime japonês, e baladas exorbitantes como “The Truth Untold”, apresentada pelo quarteto de vocalistas. O ponto alto do BTS vem de assistir sete rapazes coreanos bonitos e cheios de habilidades fazendo aquilo que fazem de melhor: cantar, dançar, fazer rap e jogar corações para as câmeras. Assisti-los tem um efeito transformador, lhe fazendo se sentir — se você for mais velho — como uma criança novamente. Uma mãe de Connecticut me disse que trouxe sua filha de 11 anos porque se lembrava do quanto significou para ela ver o Menudo quando era criança no Panamá, e queria que a filha tivesse essa mesma experiência.

E parte da felicidade de um show do BTS é, também, ver as reações dos ARMYs, seja vendo o mar de luzes Bluetooth em cascata pelo estádio, seja ouvindo o seu coro ecoando pelo ar. Os gritos mais estridentes vieram quando o BTS se referiu aos fãs, falando, simplesmente, “ARMY”. O BTS entende de forma inerente que devem seu sucesso ao seus fãs, resultado de uma simbiose firme: ao final do show, RM disse que eles podem “usar o BTS para amar a si próprios,” da mesma maneira que os fãs ensinaram ele a se amar. Esse não é um grupo que se acha maior que seus fãs.

A medida que fandoms se tornaram importantes construtores de identidade na era digital, os objetos de afeto — como Taylor Swift ou Rick and Morty — podem se tornar, de repente, um perigoso teste Rorschach para traços de personalidade ou inclinações políticas. Ser fã do BTS no ocidente, hoje, significa se sentir desfavorecido e um campeão mundial ao mesmo tempo. Você pode sofrer deboche de seus colegas, mas ainda assistir seus meninos se apresentarem em um dos maiores palcos da América do Norte. Não há história de Cinderella melhor no K-Pop do que a do BTS, porque se esses sete garotos de diversos cantos da Península Coreana conseguiram derrotar todas as dificuldades, por que você não conseguiria?

Fonte: Vulture
Trans eng-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 11.10.2018
Quem é J-Hope? O dançarino vai te surpreender com seus movimentos incríveis
VOCÊ JÁ SABE TUDO SOBRE AQUELE QUE NOS ENCHE DE ESPERANÇA? LEIA E SAIBA MAIS!

Como um grupo de K-Pop, o BTS é conhecido por seus incríveis movimentos de dança. E nenhum dançarino do grupo tem mais habilidades que J-Hope. Apesar de ser popular dentre os ARMYs por seus passos de dança enérgicos, ele é muito mais que um dançarino. Então, quem é J-Hope? Além de ser o dono na pista de dança, ele também ostenta uma personalidade entusiasmada, um grande sorriso, e habilidades de rap impressionantes.

Já que há tanto para aprender sobre o BTS e o papel de J-Hope no grupo, vamos mostrar todas as maneiras que ele contribui para a popularidade desenfreada do grupo.

1. ELE FOI UM DOS PRIMEIROS INTEGRANTES DO BTS

Por ser um dançarino e rapper habilidoso, J-Hope, cujo nome verdadeiro é Jung Hoseok, foi um dos primeiros integrantes do grupo. No começo da jornada do BTS para a fama e o sucesso, ele foi o terceiro integrante a assinar o contrato com a BigHit Entertainment, depois de RM e Jin.

Resultado de imagem para jhope pre debut gif

2. ELE TEM UMA PERSONALIDADE SUPER OTIMISTA

Ele é conhecido pela sua personalidade incrivelmente feliz. É parte do que faz seu nome artístico ser tão apropriado. Dentre os fãs e os companheiros de grupo, J-Hope é considerado o performer mais brincalhão e entusiasmado. E quem poderia esquecer seu icônico slogan de esperança “Eu sou sua esperança. Você é a minha esperança. Eu sou o J-Hope!”

Obviamente, J-Hope rouba muitos corações com seu comportamento esperançoso e sorriso maravilhoso.

Veja alguns de seus momentos mais fofos nesse vídeo:

3. ELE É UM DANÇARINO DE ARREBENTAR COM MOVIMENTOS INCRÍVEIS

Não é segredo que o BTS tem coreografias que chamam a atenção. E o J-Hope é o centro de todas elas. Suas habilidades como dançarino faz ele se destacar dentre os outros integrantes do BTS. Portanto não é surpresa que o grupo se espelha nele para inspiração de dança. Aparentemente, J-Hope tem uma grande participação em termos de coreografia. Incrível!

Aqui estão alguns dos melhores movimentos do J-Hope:

4. ELE DANÇAVA EM COMPETIÇÕES

O fato de J-Hope dançar em competições te surpreende? Ele dança desde criança e até participou de competições nacionais na Coreia do Sul. Todo esse trabalho árduo compensou, pois ele ganhou o primeiro lugar em uma competição em 2008. E agora, olhe para ele! Literalmente dançando em um palco para o mundo inteiro ver. Que jornada!

Resultado de imagem para jhope dancing gif

5. ELE TAMBÉM É UM RAPPER SOLO BEM SUCEDIDO

J-Hope não é apenas um dançarino de primeira categoria e um artista completo, ele também é um rapper incrível. Ele é um dos três rappers do BTS. Usar seu talento com o rap no grupo o inspirou a lançar suas próprias músicas. Em janeiro de 2017, o portal de notícias Soompi declarou que J-Hope tinha planos de gravar sua própria mixtape. Com lançamento em março de 2018, Hope World foi extremamente aclamada pela crítica e pelo público.

J-Hope é um cara extremamente talentoso e definitivamente deixou sua marca no mundo com seu trabalho com o BTS. Tenho certeza que tem muito mais por vir. Mal posso esperar para ver que outras coisas extraordinárias ele vai trazer para o palco em seguida!

Fonte: Elite Daily
Trans eng-ptbr; beccs @ btsbr