btsbr.co.vu/archive & btsbr.wordpress.com
SITE: Bangtan Brasil - Fã Base
VERSÃO: 1.3 - WINGS BLUE
DESDE: 29.03.2013
VISITAS: ARMYs
Bulletproof Boy Scouts (em coreano: 방탄소년단) é um grupo masculino sul coreano de hip-hop formado pela Big Hit Entertainment. Geralmente conhecidos como BTS, são também chamados de Bangtan ou Bangtan Boys. Eles estrearam em 13 de junho de 2013 com sua.. LEIA MAIS
SEJA BEM VINDO AO BANGTAN BRASIL, A PRIMEIRA E MAIOR FÃ BASE BRASILEIRA DO BTS. FEITA DE FÃ PARA FÃ!

Categoria: Traduções

Publicado em 22.07.2017
[TWITTER] 20.07.17 – @bts_bighit
Tweet postado na conta oficial do BTS no dia 20.07.17

https://twitter.com/bts_bighit/status/887930148757975041

[TRAD] [Votação] Num dia quente como hoje, vocês lembraram da votação do <2017 Brand Awards>~~~( ͡° ͜ʖ ͡°)❓ARMYs, por favor mostrem todo o poder do #BTS😆💘

https://t.co/nwQtCv0BNt?amp=1

 

Trans ko-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 21.07.2017
[TWITTER] 20.07.17 – V
Tweet postado por V no dia 20.07.17

[TRAD] Pijama swag

 

Trans ko-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 21.07.2017
[TWITTER] 20.07.17 – @BigHitEnt
Tweet postado na conta oficial da Big Hit Entertainment no dia 19.07.17

[TRAD] [Artigo] #BTS, MV de ‘Spring Day’ atinge 100 milhões de visualizações, sétimo recorde do grupo
http://entertain.naver.com/read?oid=382&aid=0000580369

 

Trans ko-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 21.07.2017
[TWITTER] 18.07.17 – J-Hope
TWEET POSTADO POR J-HOPE NO DIA 18.07.17

[TRAD] Esconde-esconde

 

Trans ko-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 20.07.2017
[ARTIGO] Como o grupo BTS desafiou e quebrou as barreiras do K-Pop
A Dazed explica como o Bangtan quebrou as barreiras do K-Pop.

Em apenas curtos quatro anos, a banda de sete membros já acumulou uma fanbase obcecada, desbancou as agências coreanas, conhecidas como “Big 3”,  e se tornaram os artistas com mais chances de suceder no ocidente.

Desde que sua legião de fãs, popularmente conhecidas como A.R.M.Y (“Adorable Representative M.C. for Youth”), impulsionou o grupo a levar o prêmio de Top Social Artist de Justin Bieber no Billboard Music Awards em maio, os sete membros do grupo sul-coreano, BTS (rappers Rap Monster, J-Hope e Suga; vocalistas Jimin, Jin, Jungkook e V), vem dominando as publicações desde Vogue à Allure, Forbes à People, os tornando facilmente os artistas com mais chances proeminentes de sucesso no ocidente desde que PSY ficou conhecido algum tempo atrás, na selvageria de 2012, com “Gangnam Style”.

Eles ainda podem ser considerados como um fenômeno recente pela mídia americana impressionada com o poder do grupo nas mídias sociais, mas mesmo o olhar por trás dessa cortina de fama brilhante mostra a ferocidade com a qual o BTS se dedicou em nutrir uma relação simbiótica de longo prazo entre o grupo e seu fandom. Essas sete personalidades imensamente agradáveis e um tanto robustas, foram constantemente canalizadas durante esses quatros anos em uma onipresença digital via Twitter, uma série de mini-shows (como American Hustle, Bon Voyage, Run BTS! e BTS GAYO) exibidos em uma variedade de plataformas online, e milhares de vídeos de “behind the scenes” no YouTube, conhecidos como Bangtan Bombs, que capturam o lado mundano do estrelato – incontáveis camarins, hotéis e viagens – e as travessuras do grupo nesse tempo.

Tem sido uma jornada emotiva em que eles criaram seu próprio pequeno universo online, um refúgio para os membros e seus fãs, denso com piadas internas e frases de efeito (bem como algumas provações e tribulações), uma linguagem secreta que seus fãs lentamente conseguem aprender enquanto entram de cabeça no fandom. Essa intimidade forjou uma conexão inquebrável entre o BTS e as A.R.M.Y.s, que pode ser traduzida como um rolo compressor de suporte que assusta até outros fandoms – mas também incentiva outros grupos a aprimorar suas redes sociais, desde grupos como Astro, adotando a abordagem pesada do BTS em selfies, para o seu novo grupo WannaOne, espelhando sua conta do Twitter, @WannaOne_twt, com a  @BTS_twt.

Claro que nada disso chamaria a atenção das pessoas, não fosse pela produção criativa e estelar do BTS, que é tão pessoal quanto suas presenças fora do palco. Suas composições próprias podem ser francas e cruas, enquanto suas músicas experimentam e combinam gêneros entre o hip-hop ao rock e EDM ao future bass, em companhia de vídeos que contém histórias ricas que giram em torno do realismo social, ajudando a estabelecer um novo padrão para o visual do K-Pop.

Tudo sobre o imenso impacto do BTS é sentido com muito mais intensidade simplesmente porque ninguém esperava que eles fizessem sucesso algum, ainda mais desafiar o status quo do K-Pop, onde grupos de grandes empresas de entretenimento dominam o mercado e aqueles de empresas menores, como o BTS, apenas preenchem suas brechas. Mesmo até o ano passado, o grupo era visto pela indústria musical como os desfavorecidos e “por fora”, algo que eles aparentemente abraçaram e transformaram como parte de sua identidade – mesmo que para esmagar em alto e bom som esse mesmo status quo com os álbuns de platina que eles vêm acumulando.

Com 16 vídeos de seus singles até agora, o catálogo do BTS está transbordando com trabalhos memoráveis que os separa de seus concorrentes. Aqui, vemos os cinco principais vídeos de sua carreira que ajudaram a definir o aumento singular e imparável do grupo à realeza do pop.


AQUELA QUE DEU INÍCIO A TUDO: “NO MORE DREAM” (2013)

Voltando ao debut do BTS em 2013, é incrível o quão jovem eles parecem ser – Jungkook tinha apenas 15 anos na época. E a quantidade de Hood By Air e KTZ* que o grupo ostentava é impressionante. A faixa proclamava BTS como “ídolos de hip-hop”, um conceito em que eles não estavam necessariamente sozinhos (os grupos B.A.P e Block B, que ambos misturam rappers e vocalistas talentosos, debutaram em 2012 e 2011 respectivamente e, como BTS, tinham muito para dizer). Mas “No More Dream” chegou com tudo, debatendo contra a realização de um futuro e emprego tradicional, e hipocrisia daqueles que são contra sonhar mais alto por não terem aspirações próprias.

A cenografia do MV (vídeo musical), envolvendo rampas de skate, salas de aula e grafite, é um pouco poluída, porém efetiva em desenvolver um cenário para a primeira parte da série do grupo, “School Trilogy”, e o grupo foi capaz de, apesar de sua idade e rótulo de novatos, irresistivelmente seguros de si próprios, chamar atenção mesmo com sua batida frenética. A música ainda se mantém graças ao seu contrabaixo e ganchos melódicos, e tinha sua apresentação completa até a turnê WINGS deste ano, que lhes deu a oportunidade contínua de aprimorar a faixa com a força de uma profecia concluída e uma coreografia que se tornou legendária.

Na época, “No More Dream” os marcou como um grupo com potencial, e até agora continua sendo uma mina de ouro de cores saturadas – a introdução cheia de atitude, a jogada de óculos icônica de V, a sarcástica linha de Suga: “I wanna big house, big cars and big rings”, e ainda o movimento excelente de Jungkook ao elevar Jimin horizontalmente para correr pelas costas dos membros que estão de pé.

 


AQUELA QUE FEZ O JOGO VIRAR: “I NEED U” (2015)

Ao entrarem para o seu terceiro ano [como grupo], BTS manteve uma fanbase sólida, porém ainda não eram exatamente populares – mas “I Need U” foi seu momento de disparada. A música os levou do som agitado do pop/hip-hop e da vibração brincalhona de seus singles anteriores, como “War of Hormone”, para mergulhá-los em drama e corações partidos, com abundância em batidas eletrônicas e um refrão intenso.

Com o início da saga do seu álbum de duas partes, 화양연화 (Hwayang-yeonhwa), ou The Most Beautiful Moment In Life, você praticamente pode ver e sentir as placas tectônicas do grupo se juntarem em um alinhamento perfeito. Ter uma equipe de produção única e um fluxo de ideias e objetivos entre o grupo e a gerência, explica o porquê de “I Need U” transpor a sensação do grupo explorar novos caminhos de forma mais natural natural do que uma mudança drástica para perseguir o sucesso. Quanto à letra, é claramente uma música sobre o fim de um relacionamento, mas seu poder se encontra nos vocais carregados e um arranjo conclusivo – sem mencionar, claro, no vídeo que mexe profundamente com o espectador.

Este vídeo, a versão original, é um banquete visual de uma juventude desprotegida, como no filme The Outsiders, para o século XXI. A paleta de cores suaves tornam esses momentos alegres em situações delicadas, e os desesperadores e violentos em situações quase irreais, enquanto o enredo – carregado de alegorias e gerando milhares de teorias por suas fãs – atraiu fãs novos e curiosos. A narrativa é continuada através de “Prologue”, “Run” e, finalmente, “Epilogue: Young Forever”, construindo um enredo cânone denso e invejável em seus vídeos, ajudando a gerar essa tendência de “trilogias” utilizada por outros colegas da área, como GOT7 e MONSTA X.

 

AQUELA QUE PODERIA SER UM SUCESSO DE HOLLYWOOD: “FIRE” (2016)

Alguns até podem argumentar que “Dope”, com sua cinematografia que simula uma tomada única e uma letra que expressa sua determinação pelo sucesso, poderia muito bem ocupar esse título, mas “Fire” é a dicotomia do BTS – sua audácia, status de estrelas e execução em grande escala contra sua doçura e humor natural – realizada.

“Fire” é tanto intimidadora quanto tranquilizante: no segundo seguinte à lacônica frase de Suga: “불타오르네” (está pegando fogo), a música explode em um furacão de baixos que fazem o chão tremer, sintetizadores e percussão gritantes, como um estádio de rock depois de uma rave de 24 horas, roupas da Saint Laurent em todos os lugares e uma coreografia marcante… E então vemos V passando a blusa de Jin, com ele ainda a vestindo. É uma lição em como fazer um clipe que não se leva a sério, mas ainda impõe respeito – ele transforma o jeito charmoso em matador com as piscadinhas, olhares ardentes e mordidas nos lábios, incendeiam tudo e jogam carros de guindastes como se buscassem uma medalha à lá Michael Bay por sua destruição extravagante, que desencadeia o chamado principal da música e uma das coreografias mais brutalmente precisas feitas pelo grupo.

E é no palco que “Fire” consegue atingir seu máximo – assistir sua apresentação no MAMA Awards de 2016 foi como ter o ar privado dos seus pulmões, em um momento visceral e definitivo para sua carreira, onde aqueles que ainda não estavam convencidos de que BTS se tornou um dos grupos mais importantes de K-Pop no mundo, não poderiam mais duvidar disso.

 


AQUELA QUE OS LEVOU A LUGARES ESTRATOSFÉRICOS: “BLOOD SWEAT & TEARS” (2016)

O tropical house* pode ter sido uma tendência global na qual o K-Pop conheceu um pouco tarde, mas o BTS pulou de cabeça nesse subgênero musical em “Blood Sweat & Tears”, combinando seus elementos com os sons mais energéticos do moonbahton* para uma música mais sensual, porém profunda,, e que completamente se desvia do caminho que eles cuidadosamente passaram para chegar até aqui. Da intensa realidade dos sete garotos em “I Need U” e “Run”, BTS agora se encontra em uma fantasia barroca de vendas e absinto – e mesmo que você não se importe que a história venha emprestada da ficção de 1919 escrita por Hermann Hesse, Demian, você pode ser seduzido pela coreografia sinuosa, os cenários extravagantes e enquadramentos cuidados que celebram cada centímetro de suas lindas fisionomias.

“Blood Sweat & Tears” foi um grande passo mental, físico e emocionalmente, uma música sobre término que se lançou no abismo onde letras com grande carga emocional se misturam ao pote de ouro dessa ponte monstruosa antes do refrão. Se afastar do famoso conjunto de angústia adolescente que faz parte dos seus dois álbuns anteriores foi um risco, mas esse é um grupo cuja carreira inteira foi baseada em provar que as pessoas estavam erradas ao seu respeito. Então foi com emoção contagiante que “BST” e o álbum do qual faz parte, WINGS, marcaram uma série de prêmios no sudeste asiático, como Melhor Álbum, Melhor Vídeo e Melhor Grupo Masculino. Sem contar no choque dos fandoms vizinhos que não conseguiam acreditar que um grupo de uma empresa pequena poderia desbancar a tradição de vitórias conquistadas pelas famosas agências de entretenimento, mais conhecidas como “Big 3” (YG Entertainment, SM Entertainment e JYP Entertainment).

Em sua sequência, e apesar de “BST” ter sido lançado em outubro do ano passado, trop-house* se tornou onipresente no K-Pop, com música atrás de música ainda procurando gerar a mesma alquimia de sucesso e essa tendência que não mostra sinais de desaparecer tão cedo.

 

AQUELA QUE OS TORNOU REALMENTE À PROVA DE BALAS: “NOT TODAY” (2017)

Independentemente de quão tentador seja listar apenas os brilhantes Bangtan Bombs, trailers e gifs do BTS que foram acumulando ao longo dos anos (como, por exemplo, a introdução imperdível de sua tour de 2015, onde, vestidos como oficiais navais, o grupo sul-coreano mostram seus movimentos de dança precisos ao som de Krizz Kaliko a Limp Bizkit), para este último tópico, nós fechamos este ciclo com seu lançamento mais atual.

Assim como “Fire”, “Not Today” é épica em uma escala gigantesca, com uma batida pesada, versos progressivos e impactantes, e um refrão repetitivo, mas dominante. É o que o BTS consegue fazer de melhor – uma obra multidimensional que traz uma sensação cinematográfica, mas de forma pessoal (neste caso, indiretamente se referindo às ARMYs na letra, e também trazendo alguns versos do famoso hit “뱁새” (Baepsae/Silver Spoon, para a música). “Not Today” apresenta de uma forma intrigante, uma imagem vulnerável e poderosa, pois, apesar de serem amados e celebrados por milhões, eles também estão cientes que seus passos ainda são observados pelos concorrentes e antis. Isso pode ser notado na sobreposição da cena em que recriam momentos fatais de filmes de guerra, como Gallipoli, com sua “ressurreição”, e as cenas filmadas de um ângulo superior, que captura o grupo, a formação em V perfeita, marchando para frente. Mais do que isso, “Not Today” não é apenas uma declaração de perseverança ao lado mais feio do sucesso, e sim um juramento para não se tornarem complacentes com sua posição tão desejada na indústria.

Sendo o último single da era WINGS, o hit foi, ao mesmo tempo que confiante, também confrontador, considerando que foi lançado logo antes de ficarem presos à rotina de shows e turnês, sendo um adeus em formato de dedo do meio metafórico. Porém, agora que estão banhados pelo deslumbre aos olhos da mídia internacional, com muita expectativa sobre seus trabalhos futuros, “Not Today” adquire mais importância – um ponto de entrada decisivo e ambicioso, mostrando que qualquer que seja a direção tomada pelo grupo, será para e por eles mesmos, sempre. Sua trajetória ao topo já foi estabelecida, quer você queira ou não.

 

*KTZ é uma marca de roupa.
**Tropical house é um gênero musical.

Fonte: Dazed
Tradução eng-ptbr: Vics @ BTSBR


Publicado em 18.07.2017
[ARTIGO] As 10 músicas mais subestimadas do BTS
Músicas do BTS que você precisa escutar!

A cerimônia de premiação do 2017 Billboard Music Awards aconteceu no último dia 21 de maio, na ABC. Este ano foi especialmente empolgante por contar com a presença de um dos nossos grupos de K-pop favoritos, o BTS, como o primeiro grupo de K-pop a ser nomeado a um prêmio no BBMAs.

O BTS é conhecido por sua energia nas performances e suas faixas cativantes, como “Blood Sweat and Tears”, “Not Today”, “Dope”, e “I Need U”. Mas se você é um membro novo da BTS ARMY, talvez você não esteja familiarizado com o restante da sua discografia. Se você quer conhecer o grupo um pouco mais, essas dez músicas do BTS merecem mais amor.

E se as dez músicas não são o suficiente para você, dê uma olhada nas nossas menções honrosas primeiro…

“Gajah (Elephant)” – Gaeko com participação Rap Monster (2017)

Pense nisso / Você será uma estrela ou uma estrela do mar? / Sem desrespeito às estrelas do mar / Mas se você quer uma estrela, seja egoísta*” é o rap que Rap Monster faz na última música lançada por Gaeko. Como no seu trabalho com o BTS, o rapper brilha na faixa com seus trocadilhos inteligentes e versos que empoderam e provocam o ouvinte a pensar.

N/T: Trocadilho com as palavras em inglês “fish” (peixe) e “selfish” (egoísta), do trecho original “But if you want a fish, be selfish”.

 

“Joke” – RM (Mixtape do Rap Monster) (2015)

SUGA não é o único rapper no BTS que lançou uma ótima mixtape: confira o projeto auto-intitulado de Rap Monster, “RM”, disponível no SoundCloud.

 

“House of Cards”, The Most Beautiful Moment in Life: Young Forever (2016)

Esta música é para os fãs de R&B, sexy e suave. “House of Cards” é uma balada sensual, apresentando a vocal line do BTS em uma luz remanescente da música R&B americana. Se você é fã de artistas como The Weeknd, definitivamente vale a pena conferir.

 

 

10. “Boy Meets Evil”

“Boy Meets Evil” deu início ao WINGS com impacto. A música apresenta um rap poderoso feito por J-Hope, que retrata a luta de um homem com a tentação, acompanhado de uma dança emotiva que personifica a mensagem da música.

 

9. “Born Singer”

Em 2013, o BTS usou o sample da música “Born Sinner”, de J.Cole, para criar “Born Singer”, uma música que expressa suas histórias pessoais de conquista de espaço na indústria musical. Ainda que a música tenha sido feita cedo na carreira do grupo, as letras mostram o talento e a maturidade do BTS, que têm estado presente desde o começo.

 

8. ”Let Me Know

“Let Me Know”, presente no primeiro álbum de estúdio do BTS, “Dark & Wild”, é, de longe, uma das músicas mais emotivas do grupo. A música destaca vozes cativantes de Rap Monster, SUGA e J-Hope, complementadas pelas melodias comoventes dos vocalistas.

 

7. ”N.O.”

“N.O.” (usado como acrônimo para “No Offense”, “sem ofensa”, em português) é o single do primeiro mini-álbum do grupo. Embora não tenha sido um de seus sucessos,, é uma música poderosa que encoraja a juventude a seguir seus sonhos em vez de ficar presa às normas e padrões da sociedade.

 

6. ”Agust D” (Mixtape do SUGA)

SUGA prova que seu talento se eleva acima e além do seu trabalho com o BTS, na sua mixtape de 2016, entitulada Agust D. Na mixtape, ele faz raps sobre suas experiências verdadeiras com depressão, fama, e mais.

 

5. ”Epilogue: Young Forever”

“Young Forever” é provavelmente uma das músicas mais comoventes do BTS. A letra expressa as inseguranças que os membros enfrentam, suas reflexões no seu crescimento, e os seus desejos de serem jovens e fazer música para sempre.

 

4. ”Moving On”

O BTS é conhecido pelo seu sadio e incondicional amor que sentem uns pelos outros. Esse relacionamento é mostrado na música “Moving On”. Os membros cantam sobre suas memórias afetivas enquanto se despedem do passado, olhando e seguindo em frente para um futuro brilhante juntos.

 

3. ”21st Century Girl”

Este hino de apoio ao feminismo mostra os membros encorajando mulheres modernas a terem orgulho de si mesmas, porque são perfeitas do jeito que são. Confira os garotos fazendo uma interpretação alegre dessa música no seu ensaio de dança de Halloween anual.

 

2. ”Spine Breaker”

“Spine Breaker” é uma das músicas mais subestimadas da discografia do BTS. Com letra como “rockin, rollin, swaggin, swagger, wrong”, o BTS mostra que sabe como se divertir. Os membros recentemente filmaram, dirigiram e produziram um MV para este hit de 2014, no programa BTS Gayo, no V App.

 

1.”Autumn Lives”

Esta música é uma pérola escondida que frequentemente passa despercebida. A letra desta canção é uma das mais delicadas e poéticas dentre todas escritas pelo grupo. “Autumn Leaves” mostra que o BTS não se trata apenas de ótimos músicos, mas de ótimos letristas e compositores também.

 

Fonte; PopCrush
Trans eng-ptbr; nalu @ btsbr


Publicado em 18.07.2017
[TWITTER] 17.07.17 – Rap Monster
TWEET POSTADO POR RAP MONSTER NO 17.07.17

[TRAD] Tenha força, mesmo que esteja quente


ko-pt br: fanny ~ BTSBR


Publicado em 17.07.2017
[NEWS] BTS no topo das palavras-chave do Twitter da primeira metade do ano
O BTS ficou no topo da categoria “Música”, provando mais uma vez sua força [...]

BTS foi um dos assuntos mais comentados no Twitter coreano do primeiro semestre de 2017.

No dia 12 de julho, o Twitter Coreia divulgou uma lista das palavras-chave mais usadas e pesquisadas por usuários na primeira metade do ano, baseado em análises e geradores de tráfego. As palavras-chave foram divididas em 3 categorias: Música, TV/Filmes e Social.

O BTS ficou no topo da categoria “Música”, provando mais uma vez sua força nas mídias sociais.

 

Fonte: Soompi
Trans eng-ptbr; Bia Rehm @ btsbr


Publicado em 17.07.2017
[NEWS] BTS no top 5 vídeos mais assistidos de K-Pop da primeira metade do ano
"Not Today" e "Spring Day" entre os clipes mais assistidos de 2017!

YouTube divulgou a lista dos 10 vídeos de K-Pop mais vistos no primeiro semestre de 2017. O ranking é uma compilação dos MVs com mais visualizações lançados no período entre 24 de novembro de 2016 até 25 de junho de 2017.

O BTS aparece duas vezes na lista, em segundo lugar com “Not Today”, e em quarto com “Spring Day”. É o único grupo a aparecer duas vezes na lista no top 5.

Confira a lista divulgada pelo YouTube:

 

  1. “Knock Knock” – TWICE
  2. “Not Today” – BTS
  3. “FXXK IT”  – BigBang
  4. “Spring Day”  – BTS
  5. “Stay With Me” – Goblin OST
  6. “Signal”  – TWICE
  7. “Last Dance” – BigBang
  8. “New Face” – PSY
  9. “I LUV IT” – PSY
  10. “Never Ever” – GOT7

 

Parabéns ao BTS e aos outros grupos da lista!

Fonte: Soompi
Trans eng-ptbr; Bia Rehm @ btsbr


Publicado em 16.07.2017
[NEWS] “Come Back Home” fica em segundo lugar na Billboard World Digital Song Sales
BTS continua aumentando suas conquistas na Billboard!

A nova música remake do BTS conquistou uma posição alta na parada da Billboard World Digital Song Sales, e o álbum do grupo também subiu na parada World Albums!

É uma conquista impressionante para uma música que não foi lançada promocionalmente como comeback, mas sim apenas a primeira de uma série de músicas remakes que vêm sendo lançadas para a comemoração dos 25 anos de carreira de Seo Taiji.  

“Come Back Home” também apareceu em primeiro lugar na lista Twitter Top Tracks, segundo a Billboard, se trata de um ranking semanal para as músicas mais compartilhadas e mencionadas no Twitter. O grupo faz constantes aparições nesta parada.

Enquanto isso, o álbum repackaged You Never Walk Alone, lançado em fevereiro deste ano, subiu algumas colocações e apareceu em sétimo lugar no World Albums, também da Billboard, sendo a 17° semana do álbum na parada. E o álbum WINGS, lançado em outubro do ano passado, reapareceu na lista também na posição 11, fazendo desta a 21ª semana do álbum na parada.

O grupo agora se prepara para um comeback no segundo semestre do ano.

Parabéns, BTS!

 

Fonte: Soompi
Trans eng-ptbr; Bia Rehm @ btsbr


Publicado em 14.07.2017
[ARTIGO] Conheça o BTS: Jin
Jin não é só maravilhoso na aparência, mas também na cozinha.

Depois de sua popularidade global ter levado o BTS a ser o primeiro grupo de kpop a ser premiado no Billboard Music Awards de 2017 — conquista que não havia sido alcançada por nenhum outro artista coreano além do PSY– toda a atenção está no septeto. Com a sua abordagem atual e revolucionária do kpop e suas personalidades que são carismáticas, mas com as quais também nos identificamos, eles são o grupo de artistas asiáticos com maior visibilidade nos EUA  agora.

Enquanto as suas leais ARMYs sabem tudo o que há pra saber sobre os sete membros do BTS, tem muito a se descobrir sobre esses artista sul-coreanos. Mas o guia básico da Billboard sobre os membros do BTS está aqui pra ajudar!

O mais velho do grupo, nascido em 4 de Dezembro de 1992, Kim Seokjin foi descoberto nas ruas, enquanto estava estudando na universidade para ser ator, e foi convidado a participar de testes para a BigHit Entertainment. Quando o BTS lançou seu primeiro álbum em 2013, Jin fez seu debut como um dos 4 vocalistas do grupo.

 

Chame-o de “Terceiro da Esquerda”

“Cara da Porta do Carro” também é um apelido aceitável para o membro mais velho do BTS, cuja aparência faz suas fotos viralizarem. Em 2015, Jin foi fotografado saindo do carro no MelOn Music Awards, de uma maneira que acentuou a sua beleza, e as suas fotos durante a noite viralizaram entre fãs de kpop. E nos BBMAs esse ano, de novo a aparência de Jin causou um rebuliço no Twitter, que tentavam descobrir qual dos membros do BTS era o lindíssimo terceiro da esquerda em uma foto no tapete magenta

 

Ele Foi Co-Produtor do seu Solo em Wings

Apesar de já ter participado na criação de letras, a sua primeira experiência como produtor foi no ano passado, com sua música “Awake.” Com um som melancólico que mistura a balada da orquestra com um baixo rítmico, o membro se esforçou ao máximo para o seu solo no álbum que chegou no Billboard 200, Wings.

O Amante de Comida do BTS

Jin não é só maravilhoso na aparência, mas também na cozinha. Em várias ocasiões, os membros mencionaram que Jin normalmente é o responsável por cozinhar e alimentar o resto do grupo, e ele já postou fotos de seus experimentos culinários no blog da banda. Ele também tem sua webseries chamada “Eat Jin”

 

O Rei das Piadas Ruins do BTS

Quando se trata de humor, Jin tem seu próprio estilo. Sim, ele não só é O Membro Maravilhoso (apesar de que, todos eles são, na verdade) que gosta de comida e de cozinhar, Jin também é o engraçadinho, conhecido pelas piadas ruins que ARMYs e os outros membros do BTS fingem não gostar.

 

Um Homem com um Violão

O BTS normalmente dança enquanto canta nas apresentações, mas Jin ficou conhecido por sentar e pegar um violão às vezes durante shows e livestreams. ( O grupo já brincou dizendo que ele é um dos piores dançarinos ali, mas todos que seguem a carreira do BTS sabe que qualquer pessoa que consegue acompanhar suas coreografias tem talento). E às vezes, durante os livestreams, ele até come (veja o número 3) e toca o violão.

 

Fonte: Billboard
Trans eng-ptbr: Gi @btsbr


Publicado em 14.07.2017
[ARTIGO] Conheça o BTS: SUGA
Extremamente versátil, SUGA põe as suas mãos na maior parte dos trabalhos do BTS!

Após a sua grande popularidade global ter feito com que o BTS se tornasse o primeiro grupo de K-Pop a ganhar um Billboard Music Award na edição deste ano – uma façanha que nenhum outro artista sul-coreano, além do Psy, conseguiu – todos os olhos estão no septeto. Com uma abordagem atual e atrativa no K-Pop e as suas personalidades carismáticas – com as quais nos identificamos – a boyband é o artista asiático mais visível nos EUA ultimamente.

Enquanto o seus ARMY’s sempre leais sabem tudo o que há para aprender sobre o BTS, há muito sobre este grupo sul-coreano que os recém-chegados podem não estar familiarizados. Mas o guia básico da Billboard para conhecer os membros do BTS está aqui para ajudar!

Min Yoongi – com seu olhar expressivo e intenso – nasceu em 9 de março de 1993 e começou como rapper underground antes de entrar para o jogo do K-Pop. Quando o BTS lançou seu primeiro trabalho em 2013, Yoongi fez o seu debut como um dos três rappers do grupo sob o stage name SUGA. Descubra cinco fatos sobre SUGA abaixo:

 

Ele pode fazer TUDO: Compositor, produtor, rapper, você diz e ele faz!

Extremamente versátil, SUGA põe as suas mãos na maior parte dos trabalhos do BTS e recentemente começou a trabalhar com outros artistas coreanos. Ele produziu a faixa “Wine” ou “If I Get Drunk Today” da cantora Suran, que possui uma pegada R&B contemporânea. A faixa desbancou grandes hits da atualidade nas paradas musicais da Coreia do Sul e alcançou o topo de importantes charts.

 

Ele também é conhecido como Agust D!

Uma mistura de seu stage name com as iniciais “Daegu Town”, cidade-natal de SUGA no Sudeste da Coreia, ele já usou esse stage name para produzir no passado, e voltou a usá-lo para o lançamento do estrondoso hit que foi a sua mixtape solo intitulada com o mesmo nome.

https://www.youtube.com/watch?v=3Y_Eiyg4bfk

 

Ele realmente preza e ama o seu sono.

Dentro do grupo, SUGA definitivamente é o membro mais tranquilo e aquele que não cansa de demonstrar o quanto preza e ama suas horas de descanso. Durante a comemoração do terceiro aniversário de debut do grupo em 2016, SUGA escreveu em seu perfil que suas habilidades especiais são estar sempre deitado e não se mover de forma alguma.

 

Ele não tem medo de falar sobre as dificuldades que enfrentou em sua vida.

Quando ele lançou a sua mixtape “Agust D” no ano passado, tornou-se dolorosamente óbvio que a personalidade encantadora de SUGA e seu doce sorriso escondiam o tormento interior ao qual o músico teve de enfrentar quando optou por tornar-se um rapper em meio ao K-Pop. Falando abertamente sobre os encargos da fama e as dificuldades com o qual se deparou em relação à sua própria identidade em “The Last”, SUGA sadicamente, agressivamente, se abriu sobre como foi precisar de ajuda e tratamentos psicológicos.

https://www.youtube.com/watch?v=DB_AP7DLQ0w

 

Ele toca piano.

Os ARMYs de longa data sabem que muito embora SUGA tenha se tornado um rapper, seu primeiro amor foi o piano, e sua faixa solo “First Love” do álbum Wings é uma serenata em rap dedicada ao instrumento o qual ele cresceu amando. Ele se apresentou com a sua faixa solo ao piano durante toda a BTS Live Trilogy: Episode III – The Wings Tour.

https://www.youtube.com/watch?v=7VPcnJ9oJ-k

 


Fonte: Billboard
Trans eng-ptbr; Caroline Piazza @ BTSBR