btsbr.co.vu/archive & btsbr.wordpress.com
SITE: Bangtan Brasil - Fã Base
VERSÃO: 1.3 - WINGS BLUE
DESDE: 29.03.2013
VISITAS: ARMYs
Bulletproof Boy Scouts (em coreano: 방탄소년단) é um grupo masculino sul coreano de hip-hop formado pela Big Hit Entertainment. Geralmente conhecidos como BTS, são também chamados de Bangtan ou Bangtan Boys. Eles estrearam em 13 de junho de 2013 com sua.. LEIA MAIS
SEJA BEM VINDO AO BANGTAN BRASIL, A PRIMEIRA E MAIOR FÃ BASE BRASILEIRA DO BTS. FEITA DE FÃ PARA FÃ!

Categoria: Traduções

Publicado em 27.06.2018
[TWITTER] 26.06.18 – RM
Tweet postado por RM no dia 25.06.18

Transcrição do vídeo:

Namjoon: Oi. Oi. Olá. Eu peguei. Um caranguejo. Tchau. Vai!

 

Trans ko-eng; Jimin Lee & Yein @ bts-trans
Trans eng-ptbr; VenomQ @ btsbr


Publicado em 27.06.2018
[NEWS] 17 das Letras mais Inspiradoras do BTS, com que todo mundo vai se identificar
Uma das razões para o BTS ter se tornado tão popular são as letras [...]

Há muito para se gostar no BTS, e é bem fácil se apaixonar pela qualidade musical do grupo, pelas coreografias espetaculares, e pelos membros adoráveis. Mas uma das razões para o BTS ter se tornado tão popular é porque as pessoas se conectam com a música deles em um profundo nível pessoal: suas canções são sobre sonhar, desafiar as normas, e continuar sendo verdadeiro consigo mesmo em face das incertezas. Já que os próprios integrantes superaram a adversidade para alcançar seus sonhos, eles possuem um talento incrível para compor letras que inspiram públicos ao redor do mundo a fazer o mesmo. Então não importa em que estágio da vida você está ou quais são seus sonhos e aspirações, aqui vão algumas das nossas [time Soompi] letras favoritas do BTS que podem te inspirar:

 

  1. “O!RUL8,2?”

“Por quem você está vivendo?
Meu coração parou quando eu tinha nove ou dez [anos].
Coloque a mão no seu coração e se pergunte qual era o seu sonho,
O que o seu sonho realmente era.”

Para começar, iremos voltar lá atrás, na faixa introdutória do EP de 2013 do BTS,  “O!RUL8,2?”. Os versos de RM nos desafiam a olhar para dentro, e perguntar a nós mesmos o que queremos das nossas vidas. Com letras que fazem referência a um susto médico como sendo um lembrete de que não deveríamos deixar nosso tempo aqui passar batido. RM, a seguir, nos aconselha: “Nunca se atrase para fazer o que você quer”. Então se você está atrasado (se você está L8*), faça desses versos o seu despertador.

 

  1. “No More Dream”

“Qual é o você com que você sonhava?
Quem você vê no espelho? Devo dizer
Siga o seu caminho
Mesmo que você viva por um dia
Faça alguma coisa
Afaste a sua fraqueza.”

A música de estreia do BTS exige firmemente que encaremos a nós mesmos e nos perguntam quem queremos ser. As letras nos questionam sobre qual é o nosso sonho, nos desafiando a viver de verdade, encontrando nosso próprio caminho ao invés de simplesmente passar pela vida fazendo o que é esperado de nós ou o que nos mandam fazer.

 

  1. “N.O”

“Adultos me dizem que dificuldades são só momentâneas
Aguente um pouco mais, faça isso mais tarde
Todo mundo, diga NÃO!
Não pode ser mais tarde
Não fiquem presos no sonho de outra pessoa.”

Em “N.O”, os rapazes apontam a injustiça de um sistema educacional que coloca uma enorme pressão sobre os alunos para que sejam os melhores na escola, ensinando-os a se tornarem máquinas de estudar ao invés de seguirem seus sonhos. O BTS nos suscita a questionar: por quê? Por que deixar esses sonhos de lado? Por que não dizer não?

 

  1. “Dope”

“Eu trabalhei duro a noite toda, todo dia
Enquanto você saía para a balada.”

Se você realmente quer alguma coisa, simplesmente trabalhe duro por ela. Ao invés de bagunçar por aí em seu tempo livre, os integrantes usaram essas horas para compor músicas e aperfeiçoar coreografias – e o seu esforço valeu a pena!

 

  1. “Moving On”

“Estávamos sempre abatidos por um futuro incerto e preocupações,
Vendo todos os artistas mais velhos nas premiações de final de ano.
Não vamos nos esquecer dessas coisas, mas vamos deixar elas de lado.”

Nessa doce música sentimental, sobre se mudar do dormitório de trainee, os rapazes recordam sua época como jovens idols. Apesar de conseguirem deixar algumas preocupações do começo de suas carreiras de lado, os garotos resolveram não esquecer desses momentos difíceis conforme eles seguiram seu caminho. Afinal, foram essas dificuldades que deram base para o sucesso posterior do BTS – ainda que quando essa música foi lançada em 2015, o grupo não tinha nem ideia de tudo o que eles iriam conquistar!

 

  1. “Wings”

“Eu acredito em mim mesmo;
Minhas costas doem a fim de deixar minhas asas brotarem.”

Em uma música recheada de alegorias maravilhosas sobre se desfazer dos medos e confiar em seu caminho, esse verso é particularmente inspirador. Sacrifício e esforço podem ser fardos pesados de se carregar, mas eles são o começo das asas germinantes que eventualmente crescerão, para que você possa alçar vôos mais altos!

 

  1. “Not Today”

“Se você não puder voar, então corra.
Hoje vamos sobreviver.
Se você não puder correr, então ande.
Hoje vamos sobreviver.
Se você não puder andar, então rasteje.”

Até que essas asas tenham crescido, você talvez tenha que recorrer a outros métodos, menos graciosos, para ir atrás dos seus objetivos. Mas o BTS não liga se você está voando, correndo, andando ou rastejando: tudo o que importa é que você não está desistindo. Hoje não!

 

  1. “Boyz With Fun”

“Estou ficando estranho,
Você não consegue chegar no topo sendo normal, baby.”

Só um lembrete importante: parte do que permitiu ao BTS alcançar novos patamares de sucesso foi o fato de eles deixarem suas personalidades excêntricas, e várias vezes estranhas, brilharem – e todos nós deveríamos fazer o mesmo!

 

  1. “Lost”

“Eu continuo acreditando, mesmo sendo inacreditável:
Se perder do seu caminho,
É o único jeito de encontrar o seu caminho.”

A vida não é sempre simples e sem rodeios, e às vezes você pode sentir como se estivesse sem rumo e incerto de como alcançar seus sonhos, ou mesmo do quê esses sonhos são. Deixe essa letra, da música da vocal line, direto do álbum Wings, te tranquilizar: com o tempo você pode descobrir que se perder é o que, no fim, te permitiu encontrar o seu caminho!

 

  1. “Intro: The Most Beautiful Moment in Life”

“O que eu estou fazendo com a minha vida?
Esse momento nunca vai chegar de novo
Estou me perguntando, de novo, estou feliz agora?”

Todos provavelmente poderíamos ter a atitude de questionar a nós mesmo com essas perguntas importantes, da faixa reflexiva do SUGA, mais vezes.  É um bom lembrete para não desperdiçarmos nosso tempo, e ao invés disso lutar para viver todo e cada momento como o momento mais bonito da vida. (Caso você esteja se perguntando, a resposta do próprio SUGA para a pergunta está no próximo verso da música: “A resposta já está aqui: Eu sou feliz.”)

 

  1. “So What”

“No meio da estrada, no momento em que você quer desistir,
Grite ainda mais alto:
E daí?”

Vinda de seu mais novo álbum, Love Yourself: Tear, “So What” é uma música sobre deixar as preocupações e medos para lá. E daí se os outros te julgarem? E daí se você falhar? Você não vai desistir do seu caminho por essas questões, então não há motivo para tê-las; a única solução é continuar em frente.

 

  1. “Nevermind”

“Se você acha que vai bater, pise mais forte no acelerador.
Nunca se importe, nunca se importe,
Mesmo que seja uma estrada de espinhos, continuamos a correr.”

Outro rap introdutório forte de SUGA, “Nevermind” oferece uma mensagem marcante sobre não permitir que os medos te restrinjam. SUGA nos diz para nunca nos importarmos com a possibilidade de falhar ou de nos machucar: acelere mais, corra pelos espinhos e persiga seus sonhos!

 

  1. “Paradise”

“Quem disse que um sonho tem que ser algo grandioso?
Se torne qualquer um
Nós merecemos uma vida
Tanto faz, pequeno ou grande, você é você, apesar de tudo.”

Com todo esse papo sobre sonhos, o BTS nos lembra em “Paradise” de que não precisamos todos lutar por algo em uma escala tão grande quanto as aspirações dos próprios rapazes. Você não tem que querer ser um superastro; você simplesmente tem que ser quem você é e viver a vida que mais te agrade.

 

  1. “Tomorrow”

“Siga seus sonho como um destruidor.
Mesmo que ele quebre,
Nunca corra para o outro lado, jamais.
Porque a madrugada logo antes de o sol nascer é a mais escura.”

Em “Tomorrow”, o BTS manda a real sobre as frustrações e o desespero que podem andar de mãos dadas com correr atrás dos seus sonhos. Apesar dessas adversidades, as letras nos aconselham a manter os olhos no prêmio, porque assim como o nascer do sol vem depois da hora mais escura da noite, conquistas muitas vezes acontecem depois das provações mais difíceis!

 

  1. “Spring Day”

“A manhã virá de novo.
Nenhuma escuridão, nenhuma estação é eterna.”

Continuando com o tema da natureza em “Tomorrow”, a letra de “Spring Day” nos dá um lembrete gentil e ao mesmo tempo extremamente assegurador, de que não importa o quão tenebrosas as coisas estejam, no fim a manhã sempre chega. Se aguardarmos o inverno, que são as nossas dificuldades, passar, chegaremos na nossa própria primavera.

 

  1. “2!3!”

“Tá tudo bem, agora conte 1, 2, 3 e esqueça.
Apague todas as lembranças tristes.
Segurem as mãos uns dos outros e sorriam.”

Sempre que você estiver para baixo, essa faixa do álbum “Wings” vai te colocar para cima imediatamente e te trazer calma. Ao invés de mergulhar na tristeza, apenas conte até três, sorria, e tire forças das pessoas ao seu redor.

 

  1. “Magic Shop”

“Eu acredito na sua galáxia.
Quero escutar a sua melodia.
As estrelas na sua via láctea,
como elas aparecerão no seu céu?
Não esqueça, eu te achei mesmo assim,
Ao fim do meu desespero.
Você é o último motivo,
Para mim que estava em pé, na borda do precipício.
Viva.”

Finalizando nossa lista, “Magic Shop” é a última faixa do BTS em que os rapazes expressam seu amor e apreciação pelos ARMYs. É um lembrete tocante de que a inspiração é uma via de mão dupla: o tanto que o BTS nos motiva a descobrir nossos desejos e viver nosso potencial máximo, é o quanto os inspiramos com nossa energia, nossas galáxias, nossas melodias. O fato de acreditarmos neles os torna capazes de nos incentivar a acreditarmos em nós mesmos.

 

Fonte; Soompi
Trans eng-ptbr; VenomQ @ btsbr


Publicado em 27.06.2018
[NEWS] O Guia Definitivo das Canções do BTS: Todas as 97 músicas, classificadas pelo fandom ARMY
Quer ver qual posição sua música favorita se encontra na lista?

Em meio ao aniversário de cinco anos (13 de Junho), o grupo sul-coreano BTS continua a trilhar uma jornada de sucesso nos Estados Unidos, encantando seus fãs – novos ou antigos – com seus refrões viciantes, coreografias impecáveis e personalidades cativantes. Com tantas músicas em sua crescente discografia, 97 para ser exato, caso você seja um novo membro da fanbase, ARMY, inicialmente pode parecer impossível encontrar uma maneira correta de ouvir o grupo. Deveria ser a partir do primeiro lançamento em 2013, com 2 COOL 4 SKOOL, ou a partir do seu mais recente álbum, Love Yourself: Tear ?

Felizmente, o restante deste fandom mundialmente conhecido pode te ajudar: Por meio de uma enquete, a PopCrush perguntou aos fãs desta dedicada fanbase que votassem em suas músicas favoritas para que as canções do BTS fossem classificadas com precisão a partir do ponto de vista dos fãs. (No processo de votação, não incluímos os inúmeros  lançamentos ou remixes em japonês, bem como as intros, outros ou skits em que os membros gravaram conversas em vez de músicas).

Com base nas respostas do fandom, compilamos a lista das músicas mais populares do BTS, classificadas de acordo com o ARMY. Quer ver qual posição sua música favorita se encontra na lista? Vamos começar!

 

  1. “24/7 – Heaven”

BTS possui um lado doce desde que realizou seu debut, e isso pode ser visto em “24/7 = Heaven”, uma faixa deslumbrante que narra a perspectiva de um adolescente apaixonado prestes a ir em seu primeiro encontro.

  1. “Outro: Luv in Skool”

Uma escuta fácil, essa mistura entre um ritmo lento e influências de R&B está presente em “Outro: Luv In Skool”, que encerra o EP O! RUL8,2 de 2013 do BTS, de uma maneira positiva.

95. “BTS Cypher Pt. 1”

Na primeira das icônicas cyphers do BTS temos J-Hope, RM e SUGA  se dirigindo de maneira ardente aos invejosos haters. A rap line impõe sua dominância como verdadeiros rappers que exigem não ser desprezados apenas porque fazem parte da indústria do K-pop.

  1. “Converse High”

Sem dúvidas, “Converse High” foi criada para iniciar uma crise de identidade entre os fãs de BTS. O que devemos fazer quando RM e J-Hope dizem que amam garotas que usam Converse de cano alto, enquanto Suga diz que curte garotas que usam Jordans? E quando Jimin diz para nunca usar Converse de cano baixo? Será que não podemos entrar em um consenso ?

  1. “Intro: O!RUL8,2?”

RM inicia o EP de 2013 do grupo com alguns conselhos sábios, tudo em inglês: “Nada dura para sempre / Você só vive uma vez / Então viva sua vida, não a de qualquer outro / Agarre oportunidades e nunca se arrependa, nunca / Nunca se atrase em fazer algo que você quer fazer agora”.

  1. “If I Ruled the World”

Uma música de hip-hop de meio-tempo inspirada na versão de Nas de 1996 e na música original de Kurtis Blow de 1985 com o mesmo nome.

  1. “Intro: The Most Beautiful Moment in Life”

Uma introdução brutal ao altamente celebrado The Most Beautiful Moment in Life Part 1, o rap solo de Suga é uma exploração do medo, da pressão dos colegas e do desconhecido que é enfrentado por um adolescente à beira da idade adulta.

  1. “ Intro: 2 Cool 4 Skool (feat. DJ Friz)”

No início da carreira do BTS, as intros de cada álbum eram o playground de RM: seus rap solos  ditavam o tom do álbum. Dito isso, “Intro: 2 Cool 4 Skool”, revela o BTS como uma voz representativa para o adolescentes  e aqueles no início de seus 20 anos.

  1. “Hip Hop Lover”

Assim como o título sugere, “Hip Hop Lover” é uma carta de amor a todos os artistas favoritos do BTS que os inspiraram a fazer rap, referenciando Epik High, Jay-Z, CL, Nas, Dogmatic e Eminem.

  1. “Intro: Skool Luv Affair”

“Intro: Skool Luv Affair” da rap line é uma das introduções mais fofas do grupo e apresenta os diferentes estilos de hip-hop de cada membro misturado com adoráveis discussões sobre qual é o melhor. Alerta de spoiler: RM ganha.

  1. “Interlude: Wings”

Um pequeno, doce, tropical dance single que encoraja os fãs a voar nas asas dos seus sonhos.

  1. “Intro: What Am I to You?”

A introdução de Dark & Wild, “Intro: What Am I to You?”, é o preâmbulo do álbum que conta a história de um amor adolescente que rapidamente se torna amargo. Sendo um rap solo de RM, este faz um trabalho incrível ao alternar as letras alegres para grunhidos enquanto grita nos versos finais da música. Aqueles sentimentos de adoração e traição em nome do amor são transmitidos com facilidade por RM, dando o tom para o resto do álbum.

  1. “Outro: Does That Make Sense?”

A vocal line (integrantes Jungkook, V, Jimin e Jin) encerra o Dark&Wild com uma melodia lenta e sensual que suplica por um encerramento após um rompimento ruim.

  1. “N.O”

O primeiro comeback single do BTS, “N.O”, é um dos primeiros exemplos do grupo assumindo uma visão crítica dos costumes problemáticos que normalmente não são discutidos na cultura coreana, muito menos no K-pop. Em “N.O”, os integrantes destacam as dificuldades que os estudantes enfrentam enquanto estudam incessantemente para os vestibulares, que são notoriamente difíceis na Coréia do Sul. Suga lamenta ao dizer: “Quem nos fez máquinas de estudo?”, enquanto RM imagina, “Isso realmente fará nossos pais felizes?”.

  1. “Outro: Circle Room Cypher”

A primeira Outro do grupo mostra os integrante conversando entre si antes de SUGA interromper: “Eu escrevi uma batida matadora!”. Os integrantes então decidem fazer uma cypher e se revezam no freestyle. É extremamente divertido ouvir os meninos zoando uns aos outros e ver a vocal line tentando fazer rap e atingindo certos níveis de sucesso.

  1. “Look Here”

Com um vigoroso backbeat*, riffs de guitarra e letras atrevidas sobre tentar impressionar uma garota, “Look Here” é uma reminiscência de artistas como George Michael, Prince e Michael Jackson.

  1. “Blanket Kick”

“Blanket Kick” narra uma perspectiva única de um menino que age cruelmente com sua paixão quando este se depara com ela, e quando retorna para casa deita em sua cama e chuta seus cobertore, irritado com sua atitude. A música lida com o tópico do amor jovem de forma honesta e doce, mesmo que o menino não consiga expressar seus sentimentos pessoalmente.

  1. “Outro: Propose”

A outro da vocal line é basicamente é uma proposta, onde se jura amor ao ouvinte em uma faixa final fofa.

 

  1. “Skit: On The Start Line”

Acompanhado apenas de um piano, RM narra sua experiência como um trainee na Big Hit Entertainment e o que significa realmente realizar seu debut como idol, como também,  compartilha o que costumava pensar, “Quando realizar meu debut, conquistarei a indústria da música”. Se ele soubesse o que o futuro reservava a ele.  

  1.  “I Like That”

“I Like It” é o perfeito exemplo do que o BTS faz de melhor; a faixa apresenta todas as assinaturas do grupo, incluindo um refrão fácil e fluído com R&B, um ritmo relaxado e um sólido rap. Mesmo que eles experimente outros gêneros musicais, faixas como “I Like It” provam que BTS ainda é o mesmo grupo que eram há cinco anos atrás.

  1. “2nd Grade”

Este é o tipo de música que é impossível não querer sorrir ou dançar. “2nd Grade” é uma música que celebra o segundo ano da BTS como um grupo.

  1. “Am I Wrong”

Uma das últimas faixas de Wings, essa música jazzística usa o sample da faixa “Am I Wrong” de Keb’ Mo’s, mas é até aí que existem as semelhanças. Enquanto a música original é sobre um caso de amor secreto, a versão do BTS assume um olhar crítico sobre um turbulento período político que viveu a Coreia do Sul, incluindo o impeachment da presidente Park Geun-Hye. “Cegonha contra crow-tits** guerreando todos os dias”, SUGA diz, fazendo referência a um provérbio coreano que diz que um crow-tit que anda como uma cegonha todos os dias romperá suas pernas. O provérbio ajuda transmitir a mensagem do BTS sobre a disparidade entre políticos e as pessoas que são eleitas para representar.

  1. “Satoori Rap”

Em coreano, a palavra “satoori” pode ser traduzida como “sotaque” ou “dialeto”, e dois dos dialetos mais conhecidos são das províncias de Gyeongsang e Jeolla. O  integrante SUGA vem da província de Gyeongsang via Daegu, e J-Hope é de Gwangju, na província de Jeolla. “Satoori Rap” permite que eles façam rap nos dialetos de suas cidades natais, criando um rap único que, caso você seja de uma daquelas províncias, se sinta ainda mais especial.

  1. “BTS Cypher Pt. 2: Triptych”

As cyphers do BTS são usadas pela rap line como uma plataforma para criticar alguém ou parte da sociedade, e seguem uma estrutura onde cada membro faz rap um após o outro. Na segunda cypher do BTS, o foco é voltado contra o rapper B-Free que fez comentários sobre o grupo. Embora os comentários oficiais nunca tenham sido compartilhados, é fácil de deduzir que ainda havia ressentimento sobre o incidente.

  1. “Would You Turn Off Your Cell Phone?”

“Would You Turn Off Your Cell Phone?” fala sobre um sentimento que todos já sentiram. A música é uma crítica às pessoas que vivem suas vidas por meio de seus celulares, tirando selfies e mandando mensagens de texto, ao em vez de estarem ativamente presentes. As letras “Eu não vim para ver seu telefone ou comida, mas para ver você” é especialmente correlacionável nos dias de hoje.

  1. “134340”

O título desta música não é apenas uma formação aleatória de números: “134340” é na verdade o novo número designado do antigo planeta Plutão. BTS relacionou o rebaixamento do planeta em uma canção sobre o sentimento de alienação daqueles ao seu redor.

  1. “Ma City”

O BTS tem muito orgulho por ter vindo de várias regiões da Coreia do Sul. Coloque um  backbeat mordaz e esta música é uma mensagem especial para cada uma das suas cidades natais, incluindo Gwangju, Busan e Ilsan.

  1. “We On”

Caso as cyphers não fossem o bastante, BTS não tem medo de escrever faixas que dizimam “guerreiros do teclado” que odeiam o grupo online. Eles derrubam descrentes, rappers que acham que não são autênticos e que odeiam a indústria do K-pop. A melodia da música não é incrivelmente complexa; mas é sobre tomar uma posição e dizer aos inimigos como o grupo realmente se sente.

  1. “Outro: Wings”

Quando o grupo retornou com You Never Walk Alone, em 2017 com uma versão repackaged do álbum Wings, o BTS transformou “Wings” de um interlúdio em uma outro com um verso adicional de J-Hope.

  1. “Path”

Os integrantes do BTS são capazes de encontrar conforto em suas decisões do cotidiano,  escrevendo músicas introspectivas. Isso pode ser visto em “Path”, que questiona como seria a vida de cada um dos membros se eles nunca tivessem decidido seguir seus sonhos e se tornassem ídolos da música. Essa música sempre terá um lugar especial nos corações dos ARMYs depois que o BTS chorou enquanto cantava na última noite da turnê Wings.

  1.  “Reflection”

A contribuição solo de RM, “Reflection”, é um momento de introspecção do rapper, que confessa toda sua indecisão, ansiedade e tristeza ao ouvinte. Sua dor pode ser sentida quando ele canta “Eu gostaria de poder me amar”. Mas, como aqueles que escutam ao “Wings”, RM está em uma jornada, e o conhecer suas lutas faz de sua auto-afirmação de amor ao final do álbum muito mais doce/incrível.

  1. Begin

O single solo de Jungkook em Wings foi escrito por RM e é sobre o amor e apoio que irmãos compartilham entre si – nesse caso, entre Jungkook e os demais integrantes (Ele é o membro mais novo e compartilha seu desejo sobre querer aliviar os problemas que seus irmãos enfrentam).

  1. Spine Breaker

Uma música tão brutal quanto seu nome, “Spine Breaker” fala sobre o classismo, a ganância, a pressão dos colegas e como o dinheiro afeta as pessoas. Os integrantes chamam as crianças mimadas que exigem roupas caras de “quebradores de coluna”, pois seus pais precisam trabalhar duro para conseguir manter esse estilo de vida, e acabam se machucando para isso. É uma música que, de fato, coloca os desejos e necessidades da infância em perspectiva: vale a pena parecer legal às custas do bem-estar de seus pais?

64. “Miss Right

Tudo o que precisa ser dito sobre essa música é que SUGA, que frequentemente não se considera romântico, faz o rap “Ao invés de segurar bolsas de marca, você segura minha mão/ Ao invés de ciúmes e inveja, você entende minha natureza/ Com você, eu planejo meu futuro/ No meio de alguns de nossos sapatos, há um par de tênis de bebê”. Se acalme, coração pulsante.

  1. Where Did You Come From?

Sintetizadores do tipo costeiro* são a primeira coisa que você escuta nessa música. A segunda é a letra, onde os integrantes flertam com o ouvinte descaradamente. “Where Did You Come From?” é uma música sobre amor à primeira vista e o que as pessoas estão dispostas a fazer por ele, a ponto de tentar convencer a garota a terminar com seu namorado.

  1. Danger

O single de comeback do primeiro álbum do BTS é uma faixa explosiva destacando o mais puro conceito macho-alfa que era característica proeminente do começo da carreira do grupo. A batida pesada que vem com o começo do refrão cria uma adrenalina a cada ouvida.

  1. Outro: Love Is Not Over

Essa outro segue com o tom de romantismo sonhador que aparece em outras músicas do The Most Beautiful Moment in Life Part 1, como “Hold Me Tight”. Além disso, podemos falar sobre aqueles agudos?

  1. Just One Day

A força de “Just One Day” está em sua coreografia, com cada integrante tendo seu momento de destaque confessando seus sentimentos a um interesse romântico. Interesse romântico. A melhor forma de pegar a dança no geral, contudo, não é assistindo ao vídeo clipe da música, mas sim a “Appeal Version” do vídeo de ensaio da coreografia. Ele realmente mostra as personalidades leves do grupo – especialmente a do V, que não parava de rir.

  1. Hold Me Tight

Apresentando letras sonhadoras e composição musical do V, “Hold Me Tight” é a joia secreta no The Most Beautiful Moment in Life Part 1. O rap de RM, SUGA e J-Hope não domina o sentimento suave da música, e a harmonia dos vocais eleva a faixa à um outro nível.

  1. Outro: Her

A rap line experimenta com o jazz suave na faixa de encerramento do Love Yourself: Her, de 2017. Ao falar da faixa para a Billboard, RM compartilhou, “A ideia está em dizer que o amor não é apenas sobre felicidade, não apenas sobre alegria ou prazer. Se você quer amar uma pessoa, você deveria saber que existem lágrimas e até ódio envolvidos. Eu acho que um amor de fato inclui tudo isso. Era isso que eu estava tentando dizer. É complexo”.

  1. A Supplementary Story: You Never Walk Alone”

A relação entre o BTS e os ARMYs é um amor recíproco que pode ser especialmente sentido em “A Supplementary Story: You Never Walk Alone”. O grupo reafirma aos fãs que, em qualquer circunstância, o BTS sempre estará do lado deles: “Eu nunca ando sozinho / De suas mãos, eu sinto seu calor / Você nunca anda sozinho / Me sinta, você não está sozinho também.”

  1. Stigma

O single solo do V em Wings é uma faixa de cortar o coração sobre tentar lidar com uma culpa insuperável. Sonoramente, o som neo-soul** da música abre o caminho para o posterior single, “Intro: Singularity”. Sua habilidade vocal para ir de falsetes agudos a tons graves pode fazer o ouvinte se arrepiar – especialmente quando ele pergunta “Você está me chamando de pecador?”.

  1. Attack on Bangtan

Consiga um grupo que consegue escrever sua própria música de auto-exaltação! “Attack on Bangtan” chega e mostra que o BTS está aqui para ficar, com seu toque de hip-hop poderoso. “Quem somos nós?”, o líder RM grita durante o refrão. O restante do grupo rapidamente responde: “Somos o BTS!”. Esse é o tipo de música que faz os fãs irem à loucura quando eles se apresentam ao vivo.

  1. War of Hormone

O segundo single do álbum Dark & Wild, “War of Hormone” segue com a tendência do grupo em misturar influências do hard rock e hip-hop, facilmente identificadas em “Danger”. Através das letras um pouco estranhas, “War of Hormone” é uma ótima demonstração dos tons graves e rosnados do V.

  1. Coffee”

Essa faixa é uma regravação da música de mesmo nome do grupo de R&B coreano Urban Zakapa. Ela compara o relacionamento com uma garota a diversos tipos de café: doce no início, mas com um gostinho amargo.

  1. MAMA”

Enquanto as faixas solo dos demais integrantes em Wings focaram no crescimento e paixões pessoais de cada membro, a música de J-Hope, “MAMA” tem uma história muito mais doce: ela é sobre seu amor pela mãe. Para apoiar a paixão de J-Hope pela dança, sua mãe teve que aceitar um emprego no exterior. Agora, ele consegue auxiliar sua mãe e mantê-la ao seu lado.

  1. Jump

Seguindo o conceito de garoto escolar do EP Skool Luv Affair está “Jump”, que fala sobre a importância de manter uma inocência juvenil quando se trata da vida. Os integrantes desejam ser como os super heróis que idolatravam quando crianças; se sentir alegres e livres. Se agarrando a esse espírito, o BTS está pronto para ser uma nova geração de super heróis, lutando por seus fãs.

  1. Never Mind”

Abrindo [o álbum The Most Beautiful Moment in Life Pt. 2] para a aclamação e aplausos dos AMRYs está “Intro: Never Mind”, um relato autobiográfico da vida de SUGA durante a adolescência. SUGA, um rapper e escritor talentoso que sabia que a música era seu sonho desde criança, encoraja a si mesmo e aos fãs à enfrentar suas derrotas e continuar lutando por seus sonhos: “Se você sentir que vai bater então acelere mais, seu idiota / Nós somos muitos jovens e imaturos para desistir”.

  1. We Are Bulletproof Pt. 2

O conceito macho-alfa do BTS está completamente amostra em “We Are Bulletproof Pt. 2”, que apresenta letras pretensiosas declarando o grupo melhor do que outros rappers ídolos.

  1. Awake”

A contribuição individual do Jin para o álbum do grupo de 2016, Wings, “Awake”, é uma música onde ele compartilha sua determinação para superar todos os obstáculos que aparecem em seu caminho, mesmo quando eles parecem intransponíveis. Em um momento de ternura, ele até divide que quando se sente assustado, ele segura firmemente suas seis flores – uma alusão aos outros membros.

  1. No More Dream”

O primeiro single do grupo é uma tentativa de libertar ouvintes adolescentes que sentem que devem sacrificar suas paixões e sonhos para ter sucesso na vida. O BTS se solidariza com o ouvinte, dividindo como eles têm vivido a mesma retórica, mas ao invés disso, escolheram perseguir seus sonhos: “Os adultos e os meus pais continuam incutindo sonhos confinados em mim / A carreira número um do futuro é funcionário do governo?”. Uma força dominante, J-Hope complementa, “Rebele-se contra a sociedade infernal, sonhos são um perdão especial / Pergunte a si mesmo sobre seu perfil de sonho / Torne-se o principal assunto da sua vida que sempre foi suprimida”.

  1. Intro: Singularity

Com letras escritas por RM, a música no estilo neo-soul tem um som melancólico e com lento groove que complementa os vocais roucos e emotivos do V. Um dia após seu lançamento, o vídeo [clipe] de “Singularity” havia superado 12 milhões de visualizações no YouTube – um enorme feito, já que continha apenas um integrante do grupo.

  1. Boyz With Fun”

Bangtan Sonyeondan? Após ouvir a “Boyz With Fun”, há apenas Heungtan Sonyeondan: os garotos divertidos! Com uma banda de metal barulhenta ao fundo, a voz dos integrantes salta por toda a faixa, do rap elétrico do RM aos vocais de destaque do Jimin, à… excêntrica tentativa do V ao tentar fazer rap. Essa música é do tipo que é impossível de não se dançar: é a felicidade pura engarrafada.

  1. Dimple”

Você acredita em amor à primeira vista? E em amor à primeira vista pelas covinhas de alguém? Essa é a base dessa faixa. A letra até tem uma parte atrevida: “Essas covinhas são ilegais / Então eu te chamo de garota ilegal*” [ilegal em inglês se escreve illegal, e a tentativa da música foi fazer um trocadilho com essa palavra, juntando-a com a palavra girl, garota em inglês].

  1. Lost”

Cantada pelos vocalistas do grupo, Jimin, Jin, V e Jungkook, “Lost” está sob a perspectiva de alguém que está seguindo seus sonhos, apesar das adversidades e constantes recuadas. Com tantos obstáculos, os membros começam a questionar o caminho em que estão, antes de afirmarem que tem paixão suficiente para atingir seus sonhos. O BTS não tem medo de mostrar hesitação, luta entre outros sentimentos. “Lost” é reconfortante para aqueles se sentem da mesma forma.

  1. Boy In Luv”

De forma simples: essa música é icônica. Apresentando uma mistura de rock e hip-hop que o BTS tira de letra, “Boy In Luv” despeja toda a bravata da banda em uma música romântica. Essa música é perfeita para destacar as diferentes extensões da linha vocal, do agudo insano do Jimin, ao brilhante refrão de Jungkook e Jin e notas graves do V.

  1. First Love”

O rapper SUGA rouba corações dos fãs ao redor do mundo com “First Love”, uma faixa emocional de autoria do rapper que fala sobre sua relação com a música que se iniciou com o aprendizado de piano quando era criança.

  1. So What”

Uma faixa enérgica desde o início, “So What” é uma boa explosão de EDM, feita para os fãs gritarem junto nos shows.

  1. Paradise”

“Paradise” habilmente oferece conforto aos ouvintes que possam se sentir perdidos, e enquanto a letra fala sobre sentimentos de falta de perspectiva, o BTS insiste que não há problema em desacelerar e reconsiderar qualquer plano para o futuro. Apresentando um rap relaxado e notas de R&B, o groove lento de “Paradise” é um oásis de calma em Love Yourself: Tear.

  1. Intro: Boy Meets Evil”

“Intro: Boy Meets Evil” não é apenas a faixa de abertura de Wings, mas também a abertura da apresentação do BTS no MAMA Awards de 2016. Apresentando Jimin e J-Hope, a coreografia da música foi uma das mais fascinantes da cerimônia, e a habilidade da dupla em dançar em perfeita sincronia enquanto Jimin estava vendado apenas demonstrou o quão talentoso o BTS é.

  1. 2! 3! Desejando Dias Melhores”

Prepare seus lenços de papel, porque “2! 3! Desejando Dias Melhores” é uma música pesada. A faixa demonstra apoio aos fãs em tempos difíceis, e os integrantes apontam que, apesar de não poderem prometer aos fãs que tudo será perfeito, eles podem ajudá-los a esquecer seus problemas.

  1. “Rain”

Uma canção suave de jazz com uma batida hip-hop, “Rain” é a perfeita música sonhadora para escutar em um café em Seul durante uma tempestade.

  1. Sea”

“Sea” é uma canção oculta do Love Yourself: Her, e não está disponível para que compra o álbum online – os fãs precisam comprar cópias físicas para ouvi-la. A guitarra doce e cândida dá a base para o BTS compartilhar a dor de ouvir que eles nunca seriam astros de sucesso do K-pop. Os integrantes mostram gratidão por seu atual sucesso, mas ainda conseguem lembrar claramente a sensação de ser menosprezado.

  1. Best of Me”

Best of Me”, uma parceria com o The Chainsmokers, é uma mistura divertida entre os dois artistas, e mistura uma batida destruidora de EDM no refrão aliada com as letras cativantes do BTS.

  1. Go Go”

A canção de apoio do single promocional “DNA”, “Go Go” é uma faixa que não possui muita profundidade – mas hey, ela não precisa disso. Com um uso moderno da flauta em uma música de hip-hop, “Go Go” encoraja os ouvintes a usar todo o seu  batalhado dinheiro e se permitir aproveitar por apenas um dia indo às compras, tendo um bom jantar ou festejando.

  1. 21st Century Girls”

Os fãs do BTS consideram “21 Century Girls” um hino feminista, uma pauta que o K-pop raramente fala sobre. A música serve como um veículo para o BTS pedir às mulheres que amem a si mesmas e saibam o seu valor: “Para as garotas do século 21, diga a elas que vocês são fortes, diga a elas que vocês são o suficiente.”

  1. Intro: Serendipity

A música de introdução do mini-álbum de 2017 Love Yourself: Her é uma canção solo do Jimin. Ela foi lançada antes do álbum como um teaser para aumentar a empolgação dos fãs, mas continua sendo um belo ambiente para complementar os vocais suaves e emocionantes do Jimin.

  1. “Lie”

A frente de “Intro: Serendipity” está “Lie”, outra canção do Jimin, uma mistura perfeita de belos vocais e uma melodia obscura e perigosa. O uso impressionante de violinos, grandes vocais harmoniosos e sintetizadores juntamente com o tom doce do Jimin fazem de “Lie” uma canção que não pode ser ignorada.

  1. Love Maze”

A premissa de Love Yourself: Tear é que o amor é complexo e possui lados belos, obscuros e tristes. “Love Maze” conta uma história sobre dispensar aqueles que são pessimistas com um relacionamento. A canção é uma das duas escritas e produzidas pelo DJ Swivel, que já trabalhou com todo mundo desde a Beyoncé até o The Chainsmokers.

  1. Whalien 52”

“Whalien 52”, uma mistura de alusões a baleia de 52 Hertz e um alienígena, conta a história da “criatura mais solitária do planeta”, e a única de sua espécie. Ela libera a sua chamada de acasalamento a uma frequência muito alta para que outros ouçam, e apesar de toda a solidão da criatura, o BTS canta com esperança sobre o futuro. Os vocais altos e doces são uma lembrança dos chamados da baleia.

  1. “Moving On”

Existem certas canções que podem levar o ouvinte de volta a um lugar conhecido, e o BTS eleva esse sentimento com “Moving On”, uma carta de amor ao primeiro dormitório compartilhado do grupo. Na música, o BTS compartilha memórias sobre viver juntos no começo de sua carreira e igualam a ideia de mudar para um novo dormitório juntos a mudar de perspectivas na vida. Cada um deles interpreta essa mudança de modo diferente: J-Hope fala de brigas bobas e SUGA compartilha as dificuldades de ser uma criança que se muda com frequência. RM finaliza todas as suas perspectivas perfeitamente: “Este lugar tem o nosso cheiro / Não devemos nos esquecer desse aroma, onde quer que estivermos / Nós choramos demais e rimos demais, mas foi tão bonito / Nonhyungdong, 3º andar, obrigado.”

  1. Not Today”

Chamando todos os azarões! Precisa de uma música pra te animar de manhã, tocar a todo volume no carro de volta para casa ou te incentivar a correr mais cinco minutos na esteira? A procura acabou com “Not Today”. Essa canção talvez tenha uma das coreografias mais impressionantes do BTS, intensificada pelas dezenas de dançarinos atrás deles.

  1. Run”

Depois do lançamento de The Most Beautiful Moment In Life Part 1, conhecido como o EP que lançou o BTS ao estrelato globalmente, as expectativas para seu single seguinte eram altas, e “Run” não decepcionou. Uma mistura de rock britânico e hip-hop, a música abre com o toque suave de uma guitarra até que se transforma em uma tempestade poderosa. O BTS fala sobre a relação destrutiva que seus integrantes lutam para manter viva. “Vamos correr, correr, correr novamente / Não consigo evitar / É tudo que posso fazer de qualquer jeito / Tudo que sei é como amar você.”

  1. Outro: House of Cards”

Um castelo de cartas nunca dura – é frágil, delicado, fácil de destruir. O BTS pega essa ideia e aplica a um relacionamento em “Outro: House of Cards”. As harmonias da canção se alinham de modo belo enquanto a faixa se encaminha para um clímax emocional e os vocais do Jimin e do V são destaques.

  1. Dope”

Dope, o segundo single promocional de The Most Beautiful Moment in Life Part 1, depois de “I NEED U”, é um exemplo clássico do estilo hip-hop do BTS. Ele apresenta uma mistura de eletrônico e hip-hop com um sintetizador forte. “Dope” é uma declaração do orgulho que vem do trabalho duro e perseverança.

  1. BTS Cypher Pt.3: Killer”

Talvez a mais intensa das cyphers é sua 3ª parte, “KILLER.” Na faixa, RM, J-Hope e SUGA destroem outros rappers que tentam diminuir a credibilidade do BTS chamando-os de “rappers ídolos” (em outras palavras: sem talento). “O ponto principal desse álbum é a Cypher”, diz o rap do RM. “Quando esta faixa começa, aqueles que nos odeiam ficam em silêncio. Nessa cena ilegal, essa faixa é a lei.”

  1. “Let Me Know”

Uma das primeiras canções de aspecto sonhador do BTS foi “Let Me Know” de 2014, escrita e produzida pelo SUGA. “Let Me Know” foca no sentimento horrível, vazio e desesperador da necessidade de encerramento quando alguém parte seu coração. O agudo do Jimin no final da faixa é absolutamente destruidora.

  1. “Fire”

Com o lançamento de The Most Beautiful Moment in Life 1 e 2, o BTS começou a expandir constantemente seu império musical crescente, e a potente “Fire” ajudou a acelerar o ritmo. A música recebeu um certificado de “all-kill”, o que significa que ficou na 1ª posição em todas as paradas de streaming coreanas.

  1. “Autumn Leaves”

Comparando um romance em decadência com as folhas que caem no outono, o BTS tenta salvar um relacionamento fadado ao fim desde seu começo em “Autumn Leaves”, uma canção lenta e sensual de R&B. Seus companheiros de K-pop EXO samplearam a mesma música para seu single de 2016 “They Never Know”, mas o BTS a criou a sua maneira.

  1. “Butterfly”

“Butterfly” é gentil e bela, mas com partes obscuras, comparando o simples encontro com uma borboleta com o medo de perder alguém querido. Não só é um trabalho difícil de ignorar, mas mostra uma das maiores forças do BTS: a habilidade de se abrir e ser vulnerável em relação a tópicos difíceis.

  1. “Silver Spoon”

“Silver Spoon” é uma das maiores críticas do BTS a cultura sul-coreana, falando de tudo desde jovens trabalhadores de meio-período não recebendo pagamento justo até as discrepâncias entre as gerações mais velhas e mais novas. Principalmente, o grupo pede por ações contra as regras injustas e as expectativas colocadas sobre os jovens coreanos. “Mudem as regras, mudem, mudem / Aqueles que vieram antes de nós querem mantê-las / Mas nós não podemos fazer isso, bang bang / Isso não é normal,” eles proclamam.

  1. “I NEED U”

Através de um passo fora da zona de conforto do hip-hop do BTS, “I NEED U” foi um risco que lhes rendeu grandes frutos, ajudando o grupo a romper as barreiras do K-pop. É uma canção eletrônica suave cheia de sintetizadores delicados e um chamativo clímax de EDM. “I NEED U” cresceu com a já forte composição, vocal e coreografia do BTS, e os colocou sob novos holofotes, definitivamente dando início a sua dominação mundial.

  1. “DNA”

Se “I NEED U” marcou a primeira fagulha da popularidade do BTS, “DNA” acendeu o fogo completamente. A canção de electro pop, parte do mini-álbum de 2017 Love Yourself: Her, conseguiu impressionantes 21 milhões de visualizações nas suas primeiras horas de lançamento do clipe, e os números continuaram aumentando. Atualmente, a música possui mais de 408 milhões de visualizações.

  1. “Tomorrow”

Uma favorita entre os fãs, “Tomorrow” aborda os sentimentos de inadequação e frustração sentidos pelas gerações mais jovens, especialmente quando se trata de encontrar empregos e alcançar sonhos. SUGA diz em seu rap, “Jovens de 20 e tantos anos desempregados têm medo do amanhã / É engraçado, você acha que tudo é possível quando você é criança.” Ainda assim, dentro de toda sua furiosa reflexão, os integrantes encontram um jeito de serem positivos: “Eu grito de frustração, mas o ar ecoa vazio / Eu espero que o amanhã seja diferente de hoje.”

  1. “BTS Cypher Pt. 4”

A última cypher oficial do BTS, “Pt. 4”, confronta as críticas ao grupo não respondendo-as, mas ignorando-as com amor próprio. Com respeito por eles mesmos e por sua carreira, RM, J-Hope e SUGA dizem aqueles que os odeiam que eles deveriam redirecionar toda a energia que usam falando mal do BTS para focar em suas próprias vidas, mas não sem algumas boas cutucadas, por que o que seria uma cypher sem elas? “Eu amo a mim mesmo,” eles entoam no refrão, “Vocês haters deveriam se amar.”

  1. “Epilogue: Young Forever”

“Epilogue: Young Forever” mostra o desejo dos membros de continuar sendo jovens, apresentando-se para seu público e alcançando seus sonhos. Sua inocência jovial e paixão obstinada podem ser sentidas quando Jin canta, “Mesmo quando eu cair e me machucar / Eu continuo correndo em direção ao meu sonho.”

  1. “Mic Drop”

O swag do BTS se mostra em “Mic Drop”, uma faixa de excelência de hip-hop que mostra o grupo avançando em sua música enquanto se mantém fiel a suas raízes. Com uma bateria pesada e canto repetitivo, o BTS se orgulha de seu sucesso, até mesmo falando de sua vitória como Melhor Artista Social na Billboard em 2017. Quando a música foi remixada por Steve Aoki, ela foi ainda mais longe em termos de fama: Atualmente, o clipe do remix tem mais de 271 milhões de visualizações.

  1. “Pied Piper”

Pied Piper é uma canção de disco moderna inspirada pelo conto famoso de mesmo nome (O Flautista de Hamelin, em português). A história fala de um flautista mágico encarregado de levar os ratos para longe de uma cidade, mas quando os responsáveis se recusam a pagá-los, ele acaba roubando seus filhos como vingança. Aqui, o BTS encarna o papel do flautista e seus fãs são as crianças, que eles distraem de seus estudos com sua música. É um reconhecimento grato do poder que o grupo tem sobre a vida do seu ARMY, dizendo, “Se eu estou destruindo você agora por favor me perdoe / Porque você não pode viver sem mim / Porque você sabe tudo isso / Eu estou controlando você.”

  1. “Magic Shop”

Produzida pelo Jungkook, “Magic Shop” é uma carta de amor para seu fervoroso ARMY que quer criar um lugar onde os fãs podem se encontrar com o BTS e achar conforto um no outro. Os integrantes SUGA, RM e J-Hope fazem seu rap sobre uma batida leve enquanto eles amavelmente admitem que os ARMYs são a real razão do grupo para existir. Eles também fazer referência a “Best of Me” de Love Yourself: Her, mas alteram a mensagem. Agora é o ARMY que dá a força ao BTS para continuar trabalhando.

  1. “Anpanman”

“Anpanman” é um herói de um desenho animado japonês com uma cabeça feita de pão. Ele não é o mais forte de todos, mas ainda espalha alegria, o tipo de herói que o BTS também afirma ser. Com “Anpanman”, o grupo mistura o hip-hop dos anos noventa com altos sons para providenciar energia e esperança através da faixa e sua empolgante apresentação nos palcos, mas o refrão da canção é indiscutivelmente seu ponto alto, fazendo com que os ouvintes queiram dançar, mas também afirmando que, não importa quanto sucesso o BTS alcance, eles nunca irão perder sua verdadeira essência.

  1. Airplane Pt. 2”

Inspirada no single solo do J-Hope “Airplane”, o resto do BTS compartilha seus sentimentos na sequência da canção, “Airplane Pt.2,” uma faixa influenciada pelo pop latino que fala da vida turbulenta e imprevisível de um ídolo de K-pop.

  1. Outro: Tear

O outro em posição mais alta e mais recente do Love Yourself: Tear. Como seu título, a faixa trabalha com os múltiplos significados da palavra “tear” para explicar um término angustiante. Esta canção traz RM em sua forma mais apaixonante: Seu rap é tão feroz e cru que os ouvintes conseguem sentir o tamanho de sua dor.

  1. “Save Me”

Uma inteligente fusão entre o trop house e o future bass, “Save Me” transforma um pedido de socorro em uma serenata pronta para o rádio. As letras mostram os integrantes pedindo que um interesse romântico os salve de sua ansiedade e loucura, a afeição agindo como uma solução para seus problemas. O clipe que a acompanha mostra os sete integrantes apresentando uma coreografia harmoniosa em um dia chuvoso na praia. O céu escuro e a paisagem sem fim solidificam o aspecto sonhador da canção.

  1. “Blood, Sweat & Tears”

“Blood, Sweat & Tears” entra na onda do Moombahton trap popular na época de seu lançamento, provando a habilidade do BTS em atrair o mercado global. A faixa lida com um amor que é doce, mas sinistro, muito bom para ser verdade e que está sugando a vida de seus integrantes. A letra também usa de forte simbolismo religioso, incluindo linhas como, “Bochechas de chocolate e asas de chocolate / mas suas asas são as asas do diabo / há um amargo ao lado de seu doce,” e o clipe da música é tão complexo quanto: os fãs criaram teorias ao redor das obras de arte, as asas de anjo cortadas do V e o livro que RM lê.

  1. “The Truth Untold (Ft. Steve Aoki)”

O BTS trabalhou junto com Steve Aoki na balada desoladora “The Truth Untold”, fazendo esta sua segunda colaboração com o DJ e produtor americano. Mas onde o remix de Aoki de “Mic Drop” é um turbulento hino para festejar, “The Truth Untold” tem um som calmo e melancólico com uma melodia simples, permitindo que os vocais de Jimin, Jin, Jungkook e V tomassem a posição central. É uma canção realmente bela e emotiva.

  1. “Fake Love”

O último single do grupo, “Fake Love” é uma canção do gênero future bass sobre se apaixonar tão perdidamente por alguém que você acaba perdendo sua própria identidade. Mas, como o BTS chega à triste conclusão, um amor baseado em acatar os desejos de alguém nunca dura: “Eu queria que o amor fosse tão perfeito quanto o amor em si / Eu queria que todas as minhas fraquezas fossem ocultas / Eu plantei uma flor que não pode desabrochar em um sonho que não pode se tornar realidade.” A mistura de passado, presente e futuro, “Fake Love” é uma compilação perfeita das letras emotivas do BTS e seu ouvido para tendências de produção.

1.“Spring Day

Levando o primeiro lugar em disparada está “Spring Day”, um dos dois singles do relançamento de seu álbum Wings como a versão You Never Walk Alone em 2017. Um hit instantâneo que garantiu ao BTS quatro primeiros lugares em programas musicais na Coreia, “Spring Day” mistura eletrônico, rock britânico e hip-hop alternativo em uma canção sonhadora cheia de saudades. É sobre sentir falta de alguém amado que se foi ou vive muito longe, e questionar se as coisas serão diferentes quando se encontrarem novamente. “Foi você que mudou? / Ou fui eu? / Eu odeio esse momento, esse tempo passando / Fomos nós que mudamos / Todos são assim, eu acho,” diz o rap do SUGA. O clipe da música também faz referência a Aqueles Que Se Afastam de Omelas, uma história curta sobre uma cidade onde tudo é perfeito graças a vida miserável de uma criança. Quando descoberto, alguns escolhem ficar, mas outros não podem ignorar a injustiça. É uma imagem do trabalho do BTS: suas músicas e vídeos frequentemente lidam com a ideia de que a perda da inocência muda a vida de alguém para sempre, e “Spring Day” captura esse sentimento de um jeito estonteante.

 

*um ritmo que atrasa a batida da música ou dá a impressão de que está atrasada

**uma espécie de pássaro usado como referência em inúmeras músicas do BTS

***Do termo em inglês “coastal synthesizers”, que é um tipo de sintetizador, dividido entre west coast e east coast.

****Um subgênero do R&B contemporâneo.

Fonte: PopCrush
Trans eng-ptbr; Fernanda Azevedo, Jojo Viola e Maureen H. @ btsbr


Publicado em 26.06.2018
[NEWS] 8 Artistas que expressaram interesse em trabalhar com o BTS
Shawn Mendes não é o único que desejava uma collab!

Além de atrair a atenção de fãs ao redor do mundo, o BTS também chamou a atenção de vários artistas populares. Desde que apareceram pela primeira vez em território americano no Billboard Music Awards do ano passado, os sete garotos tem recebido ligações de inúmeros artistas ocidentais.

O BTS já trabalhou com Steve Aoki, Desiigner, Wale, Fall Out Boy e The Chainsmokers, e com certeza haverão mais colaborações. Aqui estão alguns artistas que demonstraram interesse até agora:

Shawn Mendes

Shawn e o BTS conversaram sobre uma colaboração, e durante uma entrevista recente, o solista prometeu que eles farão alguma coisa juntos no futuro. O grupo também falou de suas tentativas em trabalhar com ele.

 

(Leia mais aqui: http://bangtan.com.br/news-shawn-mendes-diz-que-colaboracao-com-bts-vai-acontecer/)

Tinashe

Em uma entrevista com a Billboard em abril, a solista expressou sua vontade de trabalhar com o BTS. O J-Hope é conhecido por ser um fã da cantora de “Joyrider”.

Maluma

O pop latino e K-pop é uma combinação feita nos céus, e Maluma disse oficialmente em março que ele “amaria” trabalhar com o BTS.

 

Troye Sivan  

O cantor de “My My My” recentemente disse que ele está aberto a fazerem música juntos, e o BTS também confirmou que eles estiveram conversando sobre fazer algo juntos.

 

DNCE

Em junho do ano passado a pop band respondeu o questionamento dos fãs sobre se haveria uma colaboração com o BTS. A resposta deles? “Nós AMAMOS o BTS, nós faríamos uma colaboração com eles qualquer dia.”

 

Ansel Elgort

Talvez o fanboy de Hollywood mais proeminente do BTS, Elgort encontrou o grupo em várias ocasiões e expressou interesse em trabalhar com eles. Ele recentemente respondeu a um fã no Twitter e disse que gostaria de ser o oitavo membro do grupo.

 

Kehlani

Em 22 de março do ano passado, a cantora de “Distraction’ tweetou: “Digam ao BTS para falar comigo” depois que soube que RM e V a mencionaram como sua inspiração durante uma Live no Facebook com a Billboard naquele dia. O tweet foi deletado, mas os fãs ainda tem esperanças que algo virá disso.

 

Zedd

Em novembro do ano passado, o DJ e o BTS mandaram amor um para o outro, e em abril, Zedd reafirmou seu desejo de de trabalhar com eles, dizendo que isso aconteceria esse ano. Ele também remixou Fake Love durante o Ultra Korea*.

https://twitter.com/BTS_twt/status/931641073847304192

[TRAD] “Vamos fazer isso !!

 

*O Ultra Korea é uma expansão de um festival de música eletrônica

Fonte: Billboard
Trans eng-ptbr: natália feitosa @ btsbr


Publicado em 26.06.2018
[NEWS] Assista este cover de “Fake Love” do BTS pelo baterista do Undying Inc’s
Baterista revela cover com uma pegada diferente de FAKE LOVE.

Nishant Hagjer revela sua opinião sobre o single de sucesso recorde do grupo sul-coreano

“Nishant Hagjer [esquerda] revelou um cover da faixa ‘Fake Love’ do grupo sul-coreano BTS.”

 

No vídeo divulgado em seu próprio canal do YouTube, Hagjer apresenta sua pegada de rock-infundido no single de 2018 do terceiro álbum de estúdio do septeto, o Love Yourself 轉 ‘Tear.’ Na descrição do vídeo, o baterista diz que ele “nunca ouviu ao gênero musical mas se tornou um grande fã do grupo após assistir seus MVs”. O momento mais marcante no cover vem após a pausa final; Hagjer insere uma pausa rápida na faixa antes de explodir em uma impressionante exibição de suas habilidades.

 

Sua declaração e cover são uma surpresa não só pelas enormes diferenças entre K-Pop e metal, como indústrias e gêneros, mas também pelo desdém que os fãs de cada gênero têm uns pelos outros.

 

Assista Nishant Hagjer apresentando sua versão de ‘Fake Love’ abaixo:

Fonte: Rolling Stone India

Watch this Cover of BTS’ ‘Fake Love’ by Undying Inc’s Drummer

Trans eng-ptbr: jumaria @ btsbr


Publicado em 26.06.2018
[NEWS] BTS leva 3 prêmios para casa + ARMY ganha prêmio de Fandom no Radio Disney Music Awards de 2018
BTS e ARMYs conquistam prêmios juntos mais uma vez!

O BTS e os ARMYs ganharam pra valer, de novo!

 

Em 23 de junho, o Radio Disney Music Awards foi ao ar no Disney Channel.

 

Foi anunciado, em abril, que o BTS estava nominada para três prêmios, além de mais um prêmio com os ARMYs como Fãs Mais Fervorosos.

 

Embora o BTS não tenha conseguido se apresentar na cerimônia, eles ganharam Melhor Música para Dançar (prêmio “Quando o Grave Bate”), Melhor Dueto/Grupo (prêmio “Você Sabe que Ama Eles”), e Melhor Música que Te Faz Sorrir (prêmio “Tão Feliz”).

 

TRANSCRIÇÃO DO VÍDEO:

Namjoon: Olá, nós somos o [todos:] BTS! Nós temos uma mensagem especial para vocês, um por um.

J-Hope: Eu sou sua esperança, vocês são a minha esperança. ARMYs são meu tudo. Obrigado e eu amo vocês.

Jimin: Muito obrigado por tudo. Vocês nos tornaram quem nós somos hoje. Realmente, realmente amo vocês.

V: Posso voar graças à vocês, pessoal. Eu roxo vocês. *

JungKook: Vocês são muito especiais. Amo vocês.  

Jin: ARMY, sou seu fã. Deus abençoe vocês.

Yoongi: Obrigado, ARMY. Uh… Valeu!

Namjoon: ARMYs ao redor do mundo todo, por favor, lembrem que vocês fizeram isso tudo, então quero, sabe, levar – dar essa glória de volta para vocês. Muito obrigado.

 

Os ARMYs também ganharam Fãs Mais Fervorosos, e muitos estavam presentes para aceitar o prêmio em nome do fandom.

https://twitter.com/sweaterpawschim/status/1010691493886136322

TRANSCRIÇÃO DO VÍDEO:

Apresentadores: E o prêmio vai para… BTS ARMY.

ARMY em inglês: Isso é insano. Obrigada Rádio Disney por sempre tocar as músicas do BTS; obrigada RDMAs por votar em nós como Fandom Mais Fervoroso – porque é isso o que nós somos; E obrigada… obrigada ao BTS, por tudo o que vocês fazem, e por sempre nos lembrar de amarmos a nós mesmos.

ARMY em coreano: Sim, obrigada. BTS, amamos vocês!

*N/T: Frase famosa criado pelo V (em coreano “Borahae”, em inglês “I purple you”) que transforma a cor ‘roxo’ em um verbo, e devido ao significado que o V atribuiu a cor, ela traz o sentido de “o BTS e os ARMYs irão se amar e confiar uns nos outros por muito tempo”.

Fonte: Soompi

BTS Takes Home 3 Awards + ARMY Wins Fandom Award At 2018 Radio Disney Music Awards

Trans eng-ptbr e ko-ptbr; VenomQ @ btsbr

 


Publicado em 26.06.2018
SUGA é listado como idol com a pele mais maravilhosa
Sua pele de porcelana impressiona à todos.

O Dailypop listou os 4 idols com as peles mais maravilhosas e macias que criam um efeito sinérgico junto aos seus rostos. SUGA é um dos idols escolhidos por combinar com qualquer cor.

cr; dailypop


Publicado em 26.06.2018
[NEWS] 15 vezes que idol rappers nos impressionaram com suas habilidades vocais
J-Hope sabe cantar tão bem quanto fazer rap.

Rappers são sempre elogiados por suas composições e por fazerem rimas impecáveis, entretanto, algumas pessoas podem não estar familiarizadas com outros talentos musicais que estes possuem além do já conhecido. Na realidade, embora seja uma opinião pouco popular, alguns deles sabem cantar tão bem quanto fazem rap.

Por trás dessas imagens brutas existem artistas com vozes surpreendentemente serenadas. Seja uma composição original ou um cover, selecionamos 15 vezes em que idol rappers nos impressionaram com suas habilidades vocais.

> J-Hope – “Daydream”

Se você ainda não prestou atenção na voz de Hoseok, essa definitivamente é a sua hora para fazê-lo! O rapper cheio de esperança oficialmente progrediu para a função de sub-vocalista, fazendo jus ao título. Além de emprestar sua voz para inúmeras músicas do BTS, J-Hope nos agraciou com seus vocais roucos em sua animada canção de debut!

 

N/T: As partes que não se referiam ao Bangtan foram omitidas. Você pode conferir o post completo em inglês aqui: https://goo.gl/AY3mvx

 

Fonte: Soompi
Trans eng-ptbr; fernanda azevedo @ btsbr


Publicado em 26.06.2018
[TWITTER] 24.06.18 – V
Tweet postado por V no dia 24.06.18

https://twitter.com/bts_twt/status/1010802491766669312?s=21

[TRAD] Olhe para a atmosfera #KimTaehyung

 

Trans ko-ptbr; natália feitosa @ btsbr


Publicado em 25.06.2018
[NEWS] Jungkook choca fãs do K-pop mostrando seu novo cabelo vermelho brilhante
E Jungkook não foi o único integrante a colorir o cabelo para o show em Seul.

O impossível foi realizado para os fãs do grupo coreano BTS. Após anos mantendo seu cabelo escuro, o integrante mais novo, Jungkook, mudou seu cabelo para um brilhante tom de vermelho-rosado. Ele mostrou seu novo visual no show do Lotte Family Concert, deixando os ARMYs no Twitter absolutamente atordoados. Eu gosto de pensar neste novo tom como “tom de pitaia*”, e acho que se tornará uma nova tendência para cores de cabelos no verão.

O cabelo vermelho vivo tem sido popular entre as estrelas do K-Pop nos últimos dois anos. No entanto, acredito que falo pelos ARMYs ao redor do mundo quando digo que o Jungkook é o último ídolo que alguém poderia esperar que pintasse seu cabelo em um tom de vermelho chocante.

Esta mudança de cor de cabelo é tão emocionante quanto quando todos os integrantes do BTS pintaram seus cabelos de preto para o mais recente lançamento do grupo, Love Yourself: Tear.

E Jungkook não foi o único integrante a colorir o cabelo para o show em Seul. Jin e V voltaram para o loiro novamente. (Vida longa ao Jin loiro). Jimin e RM agora usam variações de um cabelo castanho dourado. SUGA e J-Hope, por outro lado, estão grudados com o preto. No entanto, muitos disseram que agora SUGA está usando um undercut.

Fonte: Allure (por Devon Abelman)
Trans eng-ptbr; jumaria @ btsbr.


Publicado em 24.06.2018
[NEWS] As Previsões Para a “Música do Verão” Começaram!
Grammy elege "Fake Love" como uma das músicas para o verão.

Fake Love foi apontada pela Apple Music como uma das possíveis candidatas a Música do Verão!

A medida que o início do verão se aproxima, a maioria dos serviços de streaming estão começando suas apostas nas músicas que podem conseguir o aclamado título de Música do Verão. A Apple Music lançou suas previsões para 2018.

Além de outros citados anteriormente, a Apple Music também tem na mira deste verão artistas como Jennifer Lopez com Cardi B e DJ Khaled (“Dinero”), Childish Gambino (“This is America”), BTS (“Fake Love”), Cardi B, Bad Bunny e J Balvin (“I Like It”) e Ella Mai (“Boo’d Up”), entre outros.

 

As partes que não se referiam ao Bangtan foram omitidas. Você pode conferir o post completo em inglês aqui.

Fonte: Grammy
Trans eng-ptbr; maureen h. @ btsbr


Publicado em 23.06.2018
[NEWS] Um olhar mais aprofundado ao sucesso do BTS na América
Pela primeira vez, um grupo asiático está dominando a conversa.

Desde o seu começo, o K-pop sempre teve a América em mente. Antes do feliz incidente de 2012 – aquele envolvendo uma batida parecida ao que o grupo LMFAO costumava fazer, a “dança do cavalo” e muitas risadas à custa da população rica de um bairro em uma cidade de um país que poucos ocidentais poderiam ter encontrado em um mapa anteriormente, muito menos achado engraçado – havia superestrelas coreanas com nomes otimistas como as Wonder Girls e o Girls’ Generation, bem intencionados, mas cedo demais. Ainda antes disso, em 2004, havia Baby VOX, que tentou “conquistar o Oeste” remixando uma música da J.Lo e usando imagens de Tupac sem permissão. A música recebeu pouca promoção além do processo movido pelos herdeiros de Shakur. E claro, houve Seo Taiji, o homem que a maioria dos coreanos considera ter inventado o K-pop moderno em 1992 com uma música que ele, com ambições não muito claras, importou-se em regravar em inglês para o seu álbum de estreia. (Dois anos depois a versão coreana conseguiu atingir a América através do fracasso de bilheteria 3 Ninjas Contra-Atacam, já que a música acompanhava os heróis embranquecidos no primeiro minuto dirigindo por… Tóquio, no Japão.)

Com cautela característica, no ano passado Seo Taiji honrou o septeto BTS ao nomeá-los sucessores de seu legado, convidando-os para serem os convidados de honra de seu show em comemoração ao seus 25 anos de carreira num simbólico passar de bastão em frente a uma plateia de 35.000 pessoas. A lenda viva sem dúvida viu um pouco dele mesmo nas letras socialmente conscientes dos garotos, em sua abordagem musical amplamente auto-produzida e sua empolgante mistura de rap e rock (com sua linha de baixo andante e um comunicado de imprensa prometendo um “retorno aos anos 90!,” alguém poderia até ouvir na música de estreia do BTS “No More Dream” uma referência ao sucesso “Come Back Home”, o qual o grupo posteriormente regravou para um álbum em sua homenagem). E talvez ele tenha encontrado alguma justificativa na contínua ascendência global dos garotos, a qual naquele ponto já havia obtido diversos recordes inéditos para o K-pop na Europa e nos Estados Unidos.

Agora, o BTS levou a música em coreano para o topo do Everest das paradas musicais: seu álbum mais recente, Love Yourself: Tear estreou em primeiro lugar na Billboard 200 no mês passado, derrubando Post Malone de seu trono. Durante a jornada do grupo, a mídia americana se manteve focada em seu crescimento no país, com a ajuda de explicações e artigos para acompanhar cada um de seus marcos. Fazendo isso, jornalistas lidaram com vagas noções de uma “fórmula K-pop”, ou culparam a tensão geopolítica no Leste Asiático por sua investida no Ocidente (o foco do BTS na América – e o verdadeiro começo de seu sucesso lá – precedem a crise do THHAAD por pelo menos um ano). Estimativas do apelo “andrógino” dos sete jovens tipicamente revelam mais a respeito da limitação dos padrões de beleza masculinos americanos do que sobre o BTS ou o K-pop. O sempre citado apoio do grupo a causas sociais pode sim ter parte na admiração de seus fãs, mas inclinações progressistas têm sido uma característica do K-pop há décadas. E as frequentes tentativas de designar crédito (e conseguir retweets) ao ARMY, o fandom mais quantificadamente ativo da história, oferecem tanta compreensão quando a constatação de que alguém é rico porque tem muito dinheiro. Aclamação para a base de fãs americana do BTS – que evoluiu para assumir a anatomia de um conglomerado, com braços totalmente flexíveis de relações públicas e filantropia – geralmente envolve uma suposição do porquê o BTS é o artista de K-pop que inspirou tamanha comitiva, dentre centenas de grupos lançados nesta década. Claro, os não-especialistas tipicamente encarregados de desvendar o fenômeno BTS em um prazo apertado dificilmente podem ser culpados – até mesmo a mídia coreana admitiu ter dificuldade em decifrar o código único do grupo.

O BTS levou algum tempo para entender isso também. Muitos dos traços que têm sido indicados como razões para o eventual triunfo estiveram presentes desde o debut do grupo em 2013, e na verdade não eram nada únicos para um grupo de K-pop na época. Membros como RM, SUGA e J-Hope colaboraram com produtores internos de sua gravadora em letras e músicas, como era a tendência da indústria naquele momento. Apresentando recrutas adolescentes do cenário de rap underground da Coreia e introduzindo-os como um ato híbrido de “ídolos e hip hop”, eles mergulharam nos sons da era de ouro de estilos como G-funk, boom-bap e turntablism, junto com o nu-metal residual e as sobrecarregadas músicas de trap que eram lugar comum entre os grupos masculinos coreanos. Poucos conseguiram sair desses anos sem uma colisão com o dubstep, e o BTS não foi exceção; a palavra swag aparecia frequentemente em letras de música. A maior parte dos seus primeiros clipes musicais foi dirigida pela Zanybros, uma produtora de Seul conhecida por entregar cerca de 100 vídeos por ano, com uma lista de créditos que parecia a chamada escolar do K-pop. E na frente das câmeras, o BTS vestia peças genuínas de marcas de streetwear que já eram presentes como falsificações nas calçadas de Seul. Em resumo, seu som, imagem, envolvimento criativo e vendas na Coreia eram mais ou menos comparáveis àqueles de outros grupos baseados em rap da época, como o Block B e o BAP.

Nesse ponto, esses dois grupos haviam feito entradas até mais significativas na América do que o BTS, vendendo milhares de ingressos de turnês que iam de Nova Iorque até territórios distantes como Miami Beach e Grand Prairie, Texas. Enquanto isso os adeptos mais antigos de música auto-produzida com foco no rap, BigBang, estavam em uma estratosfera completamente diferente, tocando para mais de 10.000 fãs por noite na América e na Grã-Bretanha, e ganhando atenção considerável da mídia ocidental. Quando o BTS anunciou um show surpresa gratuito em um minúsculo clube de Los Angeles – tradicionalmente o destino mais forte para o K-pop na costa – apenas 400 fãs apareceram para conseguir um lugar. A apresentação era parte de uma série de TV curiosa chamada American Hustle Life, que seguia o BTS enquanto eles recebiam a sabedoria dos experientes californianos Coolio e Warren G. Os fãs agora olham com carinho para esse reality show como uma relíquia de um tempo mais simples (e uma fonte interminável de memes), mas as interações esquisitas entre o grupo e os fantasmas vivos do passado do hip hop serviram para pouco em 2014. Uma fofoca comum na indústria de K-pop na época era que a produção do BTS não entendia o motivo pelo o qual a filiação paga do grupo com uma dupla das melhores cabeças da Costa Oeste da metade dos anos 90  havia feito tão pouco para elevar seu perfil na América.

Na longa história das tentativas do pop asiático de atingir o mercado americano, aqui é onde a história geralmente termina: depois de um momentum mediano e algumas grandes gafes culturais, a agência do artista decide voltar o foco para mercados mais familiares no oriente. A diferença, nesse caso, foi Bang Si-hyuk.

Também conhecido como “Hitman” Bang, o fundador da Big Hit havia estudado estéticas na Universidade Nacional de Seul – uma das melhores da Coreia -, feito nome como um compositor pop nos anos 90 e comandado sua companhia bem o suficiente para mantê-la funcionando por quase uma década. Depois do fiasco de Coolio, um encaixe precoce no festival KCON em Los Angeles e uma resposta insignificante para o álbum Dark & Wild, os garotos dedicariam o final de 2014 e início de 2015 para o lucrativo mercado japonês – mas Bang passou muito daquele tempo ainda considerando a América. De todas as coisas que ele estava prestes a acertar, sua mais importante jogada de mestre talvez tenha sido reconhecer, antes de qualquer um na indústria musical coreana, que a obstinada base de fãs americana de K-pop se tornou um demográfico grande o suficiente para se dar prioridade ao criar e vender conteúdo. O que esses fãs não estavam recebendo de outros grupos de K-pop naquele momento? Do que mais, além do K-pop, eles gostavam? Até mesmo alguns anos e milhões de vendas de CDs depois, Bang disse humildemente a Billboard que ele continuaria a “pensar seriamente sobre o que faz fãs ficarem empolgados e se apaixonar pela música do BTS e o grupo em si.” Mas basta dizer que no início de 2015 ele já havia feito um importante avanço.

Seu nome era The Most Beautiful Moment in Life, Part 1, e este apresentou uma brilhante teoria do que um grupo internacional coreano realmente moderno poderia ser. Enquanto a maior parte da produção de K-pop na época tinha um charme pré-datado, este EP soava contemporâneo em todas as medidas. Introduzindo o plug-in definidor de tendências globais Serum, a paisagem sonora do BTS foi expandida com sintetizadores suaves e ressonância exuberante, incorporando tons de novos subgêneros como cloud rap e future bass. (O comunicado de imprensa coreano da Big Hit indicava que o BTS estava ciente do “PBR&B” e não tinha medo de usá-lo.) Enquanto os álbuns anteriores do BTS catalogavam os pensamentos secretos e aflições de garotos na escola – o single “War of Hormone” incluía letras que são traduzidas para “Uma garota que me deixa maluco, me provocando todo dia / Depois de lutar com meus hormônios novamente hoje, eu vou estourar minha espinha” – The Most Beautiful Moment os encontrou aumentando sua perspectiva sobre os tipo de ansiedades de grande escala que poderiam ser relacionáveis com qualquer um vivo e atento ao seus arredores nos últimos anos. A bela canção de introdução, um solo entregue por SUGA, captura o rapper no sofrimento de um ataque de pânico, alternativamente aterrorizado pelo mundo e sua própria reflexão – a primeira linha em inglês do álbum, um “droga” gritado direto do coração, é provavelmente a maior sequência de profanidade na história do pop coreano. (A música tem apenas uma outra linha em inglês: “O que estou fazendo com a minha vida?”)

Tão cruciais quanto eram as atualizações para a estética visual da banda. Para o single principal “I Need U”, o BTS se reuniu com a Lumpens, uma produtora de vídeo que havia trabalhado para a Zanybros em alguns dos vídeos anteriores do grupo, fielmente repetindo a mesma fórmula de flash pop e simplicidade banal. Dessa  vez, entretanto, a Lumpens deu uma reinterpretação a dinâmica dos garotos com um desespero arrojado que era em grande parte autêntico: uma das informações favoritas dos fãs é o fato de que a Big Hit ficou sem provisões financeiras durante a filmagem. As fotos promocionais do álbum viam o BTS se livrando de seus velhos uniformes do K-pop – streetwear, roupas de escola, Photoshop – para uma aparência mais pessoal e honesta, parecendo igualmente informal em um quarto de hotel ou embaixo de uma cerejeira gigante. Intencionalmente ou por um feliz acidente, quase tudo sobre o The Most Beautiful Moment, musical e visualmente, pareceu alinhado aos gostos do Tumblr por volta de 2015, na época o maior ponto de encontro para fãs ocidentais de K-pop – até mesmo as adoráveis artes das capas da série poderiam pertencer ao movimento artístico chamado vaporwave.

Mais importante, todas essas mudanças perspicazes de som e imagem do BTS colocaram um novo tipo de holofote no que continuou o mesmo. Com esse material mais honesto e confessional, o envolvimento criativo do grupo em sua própria música não apareceu mais como uma simples flexibilidade, mas sim outra prova da rara autenticidade do BTS. Também foi o caso com o seu comprometimento com a continuidade: poucos deram muita importância para as conexões entre os álbuns na trilogia escolar de estreia do BTS na época, mas esse tipo de abordagem agora colhia seus frutos com a série The Most Beautiful Moment In Life, especialmente à medida que o conteúdo de suas letras e clipes faziam referência a lançamentos anteriores do grupo que tiveram menor visibilidade, ao mesmo tempo construindo e causando antecipação para as histórias de seus lançamentos futuros. Grupos de K-pop eram conhecidos anteriormente por navegar através de conceitos artísticos em um ritmo vertiginoso, mudando de som e imagem a uma medida que geralmente confundia ou desapontava os fãs ocidentais. O BTS, por outro lado, manteve-se consistente e evoluiu gradualmente, reforçando a noção de que o que você via nas câmeras era quem essas pessoas realmente eram.

O remanescente mais importante de seu início de carreira foi a presença dos integrantes do grupo nas redes sociais. Enquanto grupos de K-pop tipicamente passam anos sem qualquer atividade pessoal nesse tipo de site – a maioria das agências considera isso um risco, já que alguém poderia dizer algo controverso – o BTS vem constantemente compartilhando vídeos pessoais em seu canal no Youtube BANGTANTV desde seus dias como trainees. Juntamente com breves experimentos com o Vine e o Musical.ly, a dominância global posterior da plataforma de vídeo coreana V Live e os vídeos de por trás das câmeras chamados de “Bangtan Bomb” que eles continuam a compartilhar até hoje, o BTS sempre manteve um canal de comunicação direto e sem roteiros com seus fãs. Começando com The Most Beautiful Moment, esse registo quase improvisado se alinhou com as declarações mais consideradas de seus clipes (e mais tarde, curtas metragens), criando um fluxo de conteúdo tão rápido e total que os fãs do BTS simplesmente não tinham tempo ou vontade de acompanhar qualquer outro grupo.

Lançado em abril de 2015, o impacto do The Most Beautiful Moment foi imediato: o BTS tocou em quatro cidades americanas naquele verão, juntando em média mais de 4.000 espectadores por noite, e The Most Beautiful Moment In Life Part. 2 que deu continuidade a história naquele outono foi seu primeiro álbum a entrar na parada musical Billboard 200. Desde então, cada um de seus lançamentos principais tem entrado direto nas paradas americanas, culminando até agora com o salto do mini-álbum Love Yourself: Her, lançado em setembro passado (Na sétima posição na Billboard 200, com o remix de “Mic Drop” alcançando o N. 28 na parada de músicas Hot 100) e Love Yourself: Tear lançado no mês passado (nº.1, com a canção principal “Fake Love” estreando na décima posição). Em relação ao crescimento de seus shows: o BTS obteve sucesso na América em parte por garantir que seus fãs tivessem uma grande oportunidade de vê-los todos os anos, e no momento eles já esgotaram uma turnê de 14 datas espalhadas pela América do Norte neste outono (incluindo uma residência de quatro dias no Staples Center em Los Angeles, com capacidade para 19.000 pessoas). Nos últimos três anos eles expandiram gradualmente sua paleta de técnicas de produção, influência de gêneros e estéticas visuais – mas tudo isso com a clara repetição e refinamento do perfeito e comercialmente potente balanço que o grupo e a Big Hit descobriram em The Most Beautiful Moment.

Nisso, eles não estão sozinhos. O grupo vem renovando os princípios fundamentais da série, e seu sucesso comercial, desde então. Depois de 2015, parece que quase todo grupo masculino de K-pop passou algum tempo considerando o exemplo do BTS. Grupos como GOT7 e Monsta X lançaram suas próprias trilogias conceituais. A construção de universo obsessiva do grupo feminino Loona parece ter aprendido uma coisa ou outra da total imersão que o BTS alcançou com seus fãs; e praticamente todo grupo parece mais interessante se dedicado a temas mais obscuros, notas mais baixas e coreografia intensa. Se, para os leigos, o BTS parece só um exemplo da fórmula do K-pop, é porque juntamente com Bang, eles a redefiniram.

A prefeita junção de fatores que ajudaram o BTS a dominar a América não foi um acidente, mas uma síntese inspirada em estética e decisões retóricas baseadas em parte em uma observação sábia dos fãs de K-pop ocidentais e o que os interessa (e crucialmente, um entendimento claro de quem os meninos são como pessoas e músicos, e de que maneiras eles poderiam realizar aqueles desejos enquanto permaneciam verdadeiros a sua identidade). Durante o caminho, Bang e os garotos aumentaram consideravelmente aquele demográfico: enquanto muitos de seus mais recentes fãs se consideram diferentes do típico público de K-pop (ironicamente, um comportamento comum do fã de K-pop: membros fiéis de um fandom devotando toda sua atenção e dinheiro para apenas um grupo), a Big Hit e o BTS tiveram sucesso principalmente no público que era receptivo aos ritos e práticas dos fandoms de grupos masculinos de K-pop. Isso inclui, por assim dizer, a compra de um bastão de luz oficial para agitar em shows, assim como fazer o possível para contribuir para o sucesso de seu grupo – incluindo fazer streaming e comprar o mesmo conteúdo ao máximo que seu orçamento permitir. Desse modo, vale a pena notar que enquanto o sucesso americano do BTS não tem um precedente no pop asiático, as 100.000 unidades físicas que o BTS vendeu na América na semana de seu novo lançamento não representam 100.000 fãs individuais, assim como os 180.000 ingressos vendidos para sua próxima turnê no continente. Só para constar, o Youtube retirou 6 milhões de visualizações fraudulentas da contagem das primeiras 24h de “Fake Love”, fazendo com que a mesma terminasse em um total (não menos impressionante) de 35 milhões.

Essa é a história, então, de como sete jovens homens conseguiram alcançar o primeiro lugar na Billboard com a força do que é essencialmente o maior e mais entusiasmado nicho de audiência no país. A timidez do público geral americano até agora se tornou irrelevante: na cultura pop atual, poucas coisas falam mais alto que números, e um álbum campeão de vendas no maior mercado musical do mundo mostra para onde todos estão virando suas atenções. Assim, será interessante ver se o BTS vai permanecer fiel ao seu começo – eles anunciaram que tem pouco interesse em cantar em línguas além das comumente usadas no K-pop: Coreano, japonês e apenas uma pitada de inglês para dar um toque – ou tentar ajustar sua postura para um alcance maior. Em qualquer caso, o mundo já mudou: Pela primeira vez, um grupo asiático está dominando a conversa.

 

Fonte: Vulture
Trans eng-ptbr; maureen h. @ btsbr