Explicando BTS: O grupo que mudou o K-pop

Anúncio

Explicando BTS: O grupo que mudou o K-pop

Em 2012, a Rolling Stone desenvolveu uma lista dos 10 grupos de K-Pop mais propícios a atingirem o sucesso nos EUA. Conquistar uma fama significante nos Estados Unidos foi um novo alcance, ainda que distante, marco histórico para os grupos sul-coreanos graças à tremenda exportação da cultura sul-coreana internacionalmente – uma tendência chamada Hallyu, a Onda Coreana. A lista da Rolling Stone, que apareceu dois meses após “Gangnam Style”, do PSY, incluía grupos como Big Bang, Girls Generation e 2NE1 – os maiores grupos do que era geralmente chamado de “segunda geração”, pois surgiram durante a imersão do K-Pop no mercado internacional.

No entanto, não incluía um grupo de jovens garotos que havia recentemente se reunido em um estúdio sob o processo de audições, no qual eram meticulosamente lapidados e preparados para sua estreia. Em 22 de Dezembro de 2012, o grupo divulgou no Soundcloud um número de clipes com os sete integrantes fazendo rap em coreano e em inglês – incluindo um cover de “Last Christmas”, do Warm.

Era árduo o trabalho de chamar atenção com um material de hip hop coreano. Mas o grupo em questão — Bangtan Boys, mais tarde conhecidos oficialmente como BTS — iriam transformar completamente a imagem de todos os grupos masculinos na música sul-coreana e quebrar conceitos de como era o sucesso dos grupos no exterior.

O destaque do BTS nos Estados Unidos se expandiu rapidamente ao longo dos anos, quando o grupo pareceu esmagar uma métrica de sucesso atrás da outra, desde passar inúmeras semanas nas paradas americanas, à uma aparição marcante no American Music Awards e ter uma colaboração com Steve Aoki para o single “Mic Drop Remix”.

Agora, o BTS está celebrando um recorde verdadeiramente inédito: eles são o primeiro grupo sul-coreano na história a estrear um álbum no primeiro lugar das paradas da Billboard US, e também, bem como o primeiro com um single no primeiro lugar da Billboard Hot 100. O novo álbum deles, Love Yourself: Tear, uma sequência do Love Yourself: Her, de 2017, o qual também estreou no top 10, moveu 135 mil unidades em sua primeira semana para pousar no topo dos charts. Em abril, o grupo anunciou uma turnê mundial incluindo diversas cidades dos Estados Unidos, que imediatamente tiveram seus ingressos esgotados — mais uma conquista para o grupo que vêm mudando o modo em que pensamos sobre K-Pop nos Estados Unidos.

Por que foi o BTS o primeiro grupo que finalmente quebrou a barreira cultural externa e fazer sucesso significante nos EUA? A resposta encontra-se em uma combinação de fatores, sendo eles majoritariamente sobre evoluções: evoluindo a cultura de estúdio do K-Pop e em como os “idols” eram desenvolvidos; as representações de masculinidade na Coreia do Sul; evoluindo os limites que existiam em expressões aceitáveis no K-Pop; e, acima de tudo, o método que eles usaram para estabelecer sua fanbase e interagir com os fãs.

Mas, para entender toda essa mudança, nós temos que voltar alguns anos e entender como o K-Pop se tornou a indústria regrada que é hoje — e como o BTS ultrapassa esse regime.

BTS é o produto de uma indústria privilegiada que desejava criar um novo estilo de idol.

O K-Pop começou em 11 de abril de 1992, quando um trio de hip-hop chamado Seo Taiji and Boys se apresentou em um show de talentos em rede nacional sul-coreana. Seo Taiji and Boys eram inovadores, mudaram padrões acerca de estilos musicais, moda, e sobre censura, o que era inédito para uma cultura cuja a produção musical havia passado as últimas décadas se sujeitando à fiscalização do governo. Mas isso não duraria.

Nos anos anos 90, três estúdios de música começaram a cultivar o que se tornaria conhecido como grupos de idols. Reunidos através de audições e anos de preparação em uma cultura intensa de estúdio — o altamente regrado sistema de formação de grupos de idols nos estúdios coreanos e japoneses — os grupos são polidos para a perfeição, designados para apresentar os mais altos padrões de beleza, dança e musicalidade.

Crianças que se inserem nesses estúdios gastam a maior parte de suas vidas sustentando treinos rigorosos para se tornarem parte de um grupo. Se eles forem escolhidos, os estúdios exercem um grande controle, não apenas sobre as músicas que eles cantam e sobre a forma que serão comercializados, mas também sobre suas vidas pessoais.

Os grupos musicais vieram para dominar a indústria coreana, mas alguns fatores tóxicos e abusivos são bem conhecidos nessa indústria — como revelou o recente suicídio de Jong-hyun, do SHINee. Os estúdios eliminaram sistematicamente a expressão pessoal e a conscientização social que deixaram o Seo Taiji and Boys conhecidos — depois de tudo, é difícil se expressar quando você está contratualmente proibido de ter uma vida pessoal. Normalmente, os idols só se sentem livres para se abrirem sobre seus problemas depois que seu contrato com o estúdio acaba.

É nesse contexto que um homem chamado Bang Si-hyuk começou a montar silenciosamente um diferente tipo de estúdio e a produzir o grupo que se tornaria o BTS. Por ser um compositor e produtor de sucesso, Bang foi apelidado de “Hitman”, já que escreveu várias músicas populares. Ele trabalhou como produtor com o estúdio JYP até 2005, quando ele o deixou para formar a sua própria [empresa], conhecida como Big Hit Entertainment.

Mas Bang enfrentou dificuldades com sua posição nessa indústria. Como dono do estúdio, ele confessou sua insegurança com seu trabalho e disse que admirava cantores que podiam expressar suas personalidades em suas músicas. Essa combinação de ideias — a mais honesta expressão musical de uma angústia criativa — se tornaria um elemento crucial do BTS.

Em 2010, Bang começou a reunir jovens para um grupo que ele chamou de Bulletproof Boy Scouts. Eles se tornaram Bangtan Boys, e então BTS, mas os ingredientes do sucesso deles eram inerentes no nome original. Bang pretendia utilizar “à prova de balas” para funcionar como uma celebração da tenacidade e habilidade dos rapazes em suportar as pressões do mundo. Mas ele também queria que o grupo fosse capaz de ser sincero e genuíno — não como idols imaculados desenvolvidos em estúdio, mas sendo garotos reais que compartilham suas personalidades autênticas e talentos com o mundo.

Esse método é um pouco diferente do convencional dos estúdios, no qual os idols eram treinados para serem agradáveis e suaves — para serem lousas em branco, em que os espectadores podem projetar suas fantasias. Em contrapartida, Bang quis que o BTS fosse cheio de figuras que a audiência pudesse se identificar. Em uma entrevista em 2018 para a revista sul-coreana JoongAng, ele descreveu de que maneira ele originalmente pensou no BTS, consistindo em gentis e simpáticos idols que poderiam orientar seus fãs:

“Eu recentemente encontrei um documento sobre uma empresa de 2012, o ano anterior à estreia do BTS, no qual nós estávamos debatendo sobre qual tipo de grupo criar. Nele dizia, ‘Qual o tipo de herói que a juventude de hoje está procurando?’ Não é alguém que prega sobre o céu dogmaticamente. Melhor, parece que eles precisam de um herói que possa lhes dar um ombro para se apoiar, mesmo sem dizer uma única palavra.”

Para criar esse grupo, Bang teve que desestabilizar precedentes sobre como os idols eram tratados. O BTS não teria contratos estritos e obrigatórios, e teriam permissão para discutir os problemas da vida de estrela. Suas composições seriam abertas sobre a pressão situada nos jovens coreanos para controlar suas ansiedades. Em resumo, eles seriam honestos e naturais.

Como eles chegaram lá: um estilo conscientemente autêntico combinado com mensagens sociais

“Nós nos reunimos com o sonho em comum de compor, dançar e produzir músicas que reflitam nosso passado musical e nossos valores de aceitação, vulnerabilidade e sucesso”, disse o líder do BTS, RM, em uma entrevista de 2017 com a Time. Existem seis maneiras com as quais o BTS acaba com os precedentes estabelecidos por grupos masculinos de K-pop para realizar essa missão:

  1. Eles frequentemente escrevem suas próprias letras e músicas;
  2. Suas letras são socialmente conscientes e especialmente sintonizadas em descrever a pressão da vida dos jovens sul-coreanos modernos;
  3. Eles criam e administram a maior parte de suas redes sociais;
  4. Eles não assinaram “contratos de escravidão”, e seus contratos não possuem as exaustivas restrições de outros grupos de idols;
  5. Sua tendência é focar no marketing de álbuns inteiros ao invés de singles;
  6. Eles falam abertamente sobre as dificuldades e ansiedades de sua carreira no lugar de apresentar uma imagem polida o tempo todo.

É preciso notar que a maioria desses elementos têm sido apresentados em vários outros grupos recentes de K-pop — especialmente o Big Bang, que provavelmente influenciou o BTS mais do que qualquer outro grupo. O que a Big Hit Entertainment fez, no entanto, foi sistematizar esses elementos no BTS, e divulgá-los com avidez.

Nos primeiros vídeos do grupo, de meses antes de sua estreia em 2013, os integrantes eram mostrados como jovens e docemente inocentes, mantendo o conceito escolar comum em grupos masculinos de K-pop. Quando o grupo estreou oficialmente em junho de 2013, entretanto, foi com um estilo pesado prestando homenagem aos primórdios do rap gangster. Seu primeiro single, “No More Dream”, era uma ode a apatia adolescente, uma rejeição rebelde ao tradicionalismo coreano.

E não foi exatamente popular. As primeiras reações do público incluíram muitas reviradas de olhos ao que era visto como uma imagem de gangster superimposta que o grupo não tinha conquistado. E enquanto eles estavam claramente se apoiando no tipo de confissão apática musical de Seo Taiji e seus sucessores anteriores, tudo parecia mais inventado que real.

Um comentarista de K-pop que atende pelo nome de Stephen fazia um podcast semanal chamado “Essa semana no K-pop”, entre 2013 e 2017, narrou lançamentos do K-pop e inevitavelmente documentou a ascensão do BTS. Mas Stephen e seus colegas eram céticos quando se tratava do grupo. “Agora o K-pop tem esse falso tom de hip-hop em todos os lugares”, ele disse. “Mas em 2013 não havia tanto além do Big Bang. Então quando o BTS chegou com essa imagem de “Nós somos hip-hop”, pareceu um pouco bobo.”

Stephen aponta que o K-pop em geral sofre desse problema. “O K-pop gosta muito do visual e da atitude do hip-hop, mas não demais. É bem superficial: hip-hop como cultura, e não gênero musical.”

A escalada do sucesso do BTS envolveu achar um jeito do grupo mostrar que sua imagem confessionária era real. Eles fizeram isso misturando sua sinceridade nas redes sociais com letras diretas e honestas — e abraçando seu status como um grupo de azarões batalhando para vencer contra outros grupos que vinham de estúdios estabelecidos com orçamentos maiores. Eles falaram abertamente da influência do Big Bang, um grupo de hip-hop que também é conhecido por suas mensagens sociais. E eles fizeram um cover de “Come Back Home”, do Seo Taiji:

Em resumo, eles encontraram uma maneira de embutir seu estilo musical com substância. Isso levou a sua aclamada série de três álbuns “The Most Beautiful Moment in Life”, que definitivamente misturou “teatro e autobiografia”.

Os dois singles de maior sucesso dessa época conseguiram mostrar bem essa nova direção. “I Need U” foi um energizante passo longe do hip-hop e em direção a um som mais R&B, enquanto “Dope” celebrava abertamente o trabalho duro sem fim de suas vidas: “Mais da metade do dia nos afogamos em trabalho / Mesmo que nossa juventude apodreça no estúdio / Graças a isso estamos mais próximos do sucesso.”

“Dope” também chamou atenção para o talento do grupo de uma grande maneira: era o momento da Coreia do Sul perceber que aqueles meninos sabiam dançar.

“‘Dope’ é provavelmente meu vídeo favorito de todos os tempos,” disse Stephen. “Focando na dança daquele jeito — eles não eram os únicos fazendo aquilo, mas eram definitivamente os melhores.”

“E eles alternam entre os grandes, turbulentos vídeos de dança e aqueles mais artísticos e emocionais.” E nenhum vídeo artístico do BTS é melhor que “Blood Sweat & Tears”, o belo e gótico single de 2016 que os lançou a um novo patamar de fama internacional.

Colette Bennett é uma repórter de entretenimento e uma grande fã do BTS (elas assistiu seus shows quatro vezes desde 2014), mas mesmo que gostasse da música, levou um tempo para que ela levasse sua mensagem a sério.

“Quando a série ‘The Most Beautiful Moment in Life’ começou, eu vi alguma coisa,” ela me disse. “E foi aí que eu voltei e assisti seus vlogs antigos. Até e após sua estreia, essas crianças magrelas apertadas em um estúdio do tamanho de um armário de vassouras. Só… sendo honestos sobre quanto eles investiam no que estavam fazendo, humildes sobre estarem assustados e incertos, etc.”

Para Bennett, a discussão franca do grupo sobre saúde mental e as expectativas colocadas sobre jovens asiáticos foi revolucionária. Em 2016, ela escreveu um perfil do grupo que argumentava que eles estavam mudando a natureza do K-pop através de seu toque intrapessoal para construção de imagem. Enquanto os assistia em sua Wings Tour de 2017, ela disse, “houve um momento que realmente se destacou.”

“Existe uma canção dos três rappers chamada Cypher 4. O refrão diz “Eu amo, eu amo, eu amo a mim mesmo / Eu conheço, eu conheço, eu conheço a mim mesmo.”

“Eu olhei ao meu redor e vi centenas de jovens em seus 20 anos cantando cada palavra e pensei, ‘Meu Deus. Eles estão usando sua influência para ensinar jovens — aqueles mais inclinados a sofrer com ódio internalizado — a começar a considerar o que amor próprio significa.”

Os ARMYs do BTS são reais e poderosos

Os fãs do BTS — que ganharam o apelido de ARMY — responderam tão bem a estratégia confessional que, em 2015, os ingressos para a turnê americana esgotada foram revendidos por mais de 10 mil dólares. Os ingressos para sua atual turnê esgotada tem alta demanda, com um preço médio de 452 dólares, os mais caros do verão.

Stephen me disse que levou um tempo para os apresentadores do “Essa Semana no K-pop” se darem conta de quão grande o BTS havia se tornado. “Nós sempre achamos que o próximo grupo a deslanchar seria feminino, como o Twice, por exemplo”, ele me disse. “Eu não acho que realmente percebi [isso] até me mudar para a Coreia em 2014 e conversar com as crianças. Cada pessoa no meu sistema escolar, dos professores aos alunos do ensino médio e fundamental — todo mundo sabia quem o BTS era.”

O fandom internacional do BTS também trabalhou duro para se certificar que o grupo alcançasse o estrelato. Em 2017, os fãs sistematicamente bombardearam distribuidores americanos como Walmart, Target e Amazon com pedidos pelos novos álbuns do BTS — e eles prontamente levaram os álbuns para o topo das paradas de venda. O ARMY era tão poderoso que, quando o BTS fez sua estreia na televisão americana no American Music Awards de 2017, a audiência foi agraciada com um espetáculo de K-pop: um auditório vibrando com fanchants.

O fandom internacional do BTS tem trabalhado para popularizar o K-pop junto com outros fatores. No Tumblr, a casa não-oficial dos fãs na internet, o BTS e seus integrantes reinam, lembrando a vasta procura pelo One Direction em seus dias de glória. Em abril de 2018, o Tumblr decidiu parar de colocar o K-pop em uma estimativa separada no seu semanal Fandom Metrics, um produto oficial para mensurar a popularidade dos fandoms e de subtópicos relacionados no site. Misturando o K-pop com grupos de língua inglesa, a conta poderia mostrar mais  precisamente a popularidade relativa dos grupos de K-pop em comparação com grupos ocidentais.

Na primeira semana que as categorias se misturaram, o BTS estreou em número 1 na plataforma, na frente de Beyoncé e Harry Styles.

Quem são esses caras, afinal?

A ideia inicial de Bang para o BTS não era a de montar uma boy band, mas uma equipe de apoio para um adolescente talentoso: Kim Namjoon, também conhecido como RM. Ele, ao contrário, rapidamente, optou pelo caminho de um grupo de idols, e levou quase três anos, tentando diversas combinações de membros e estilos, para que a boy band pudesse surgir.

A maioria dos grupos de K-Pop tem membros que ocupam posições fixas e notáveis dentro da equipe: o líder,  o “rosto” do grupo, o “visual”, cujo principal papel é ser bonito, entre outras. Nem todo grupo tem os papéis definidos, e a maioria se modifica ao passar do tempo. E porque o BTS tenta ser menos convencional, suas posições tendem a ser mais complexas em relação a outros grupos. Mesmo assim, existem algumas constantes:

O líder e rapper líder: RM

Nascido Kim Namjoon, RM é um rapper de 23 anos e o primeiro membro recrutado para o BTS. Não é exagero dizer que todo o grupo foi construído em torno dele.

RM fez, primeiramente, seu nome como rapper underground; ainda na sua adolescência, ele era frequentemente visto fazendo versos junto de seu amigo Zico, que veio a se tornar o líder do grupo de K-Pop Block B. Depois de um amigo dizer a Bang sobre o jovem rapper, ele o chamou para seu estúdio, onde fãs deram seu apelido de debut, “Rap Monster”. A partir disto, a ideia de formar um grupo inteiro de idols tomou forma rapidamente, e o “Monster” encurtou seu stage name para RM.

O dançarino/rapper: J-Hope

Jung Hoseok, conhecido como J-Hope, algumas vezes chamado de Hobi, é mais frequentemente descrito pelos fãs como um raio de sol, graças a sua personalidade. Com 24 anos, ele é um dos principais compositores do grupo, trabalha como coreógrafo, é o dançarino líder, e um dos três rappers centrais. Desde que entrou no conjunto, ele teve seu solo notável entre o Top 40 da Billboard 200. E eu cheguei a mencionar que sua mandíbula pode cortar vidro?

O vocalista/dançarino: Jimin

Nenhum membro do BTS é o “rosto”, mas o holofote, geralmente, pertence ao cantor e dançarino de 22 anos Park Jimin. Jimin é, frequentemente, posicionado como o vocal líder do grupo. Ele também é um dos três principais dançarinos do grupo, junto a J-Hope e JungKook, e um dos membros mais populares.

O vocalista mentor: Jin

Kim Seokjin, de 25 anos, conhecido como Jin, é o membro mais velho do grupo, e, desta forma, ocupa, frequentemente, o papel de mentor do grupo (completo com piadas de paizão). Ele é um dos principais vocalistas e o visual do grupo e, aparentemente, é comum que fotos dele sejam viralizadas por ser bonito, especialmente, em dias de premiação.

O prodígio: JungKook

Dependendo de quando e para quem você pergunta, Jeon JungKook é ou a “face” designada do grupo, ou a beleza, ou o cantor principal, o membro central, ou todas as opções anteriores. Mas tem um papel que nunca muda: com 20, é o mais novo. O grupo o chama de “criança de ouro”, o “maknae de ouro”, porque ele é um prodígio em termos de talentos. Na verdade, ele teve grande demanda antes de ter escolhido a Big Hit por causa de RM. Ele é, no entanto, o caçula do grupo inquestionavelmente — e, pode-se afirmar, o membro mais popular.

O rapper/produtor: SUGA

Min Yoongi, nome artístico SUGA, é um dos três rappers do grupo. Com 25 anos, ele também é um dos membros mais velhos, o que faz dele quase um pai no grupo. Seu nome vem da sua posição de basquete favorita, armador (em inglês, shooting guard, SG), mas boatos dizem que Bang escolheu esse nome porque reflete a sua personalidade “açucarada” — sutil, mas doce e generosa.

O vocalista/dançarino: V

Kim Taehyung, de 22 anos, nome artístico “V”, de vitória — mas poderia, facilmente, advir de “versátil”: ele é um dos vocalistas, geralmente participa da dance line, e já se aventurou no rap. Sua personalidade divertida e singular e a tendência de roubar os holofotes para si o tornou um dos membros mais populares do grupo. Nota-se também a sua química com tudo que se move.

O que nos relembra: nós não podemos falar sobre boy bands em fandoms modernos sem falar pelo menos um pouco sobre shipping. A popularidade do BTS leva à criação de ficção sobre pessoas reais (do inglês RPF — real-person fiction) e sobre shipping entre os membros do grupo. E não há dúvidas: a internet está lotada de gigabytes de mídia em que os membros do BTS não demonstram limites interpessoais, são afetivos fisicamente, e, geralmente, se comportam divertida e intimamente de maneiras que desconstroem a masculinidade heteronormativa.

“o momento em que o taehyung lê a carta do jimin sempre mexe comigo” (@yehbts)

Repetindo, isso não está acontecendo, pela primeira vez, com eles: boy bands, tanto na Coreia, quanto no Japão, foram, por décadas, vendidos com apelo homoerótico, e interações normais entre os homens coreanos podem ser entendidas como transgressoras em relação à norma heteromasculina em culturas de língua inglesa. Notoriamente, o One Direction seguiu esta linha ao demonstrar uma intimidade física similar; no fandom, shippers de Larry Stylinson, em particular, codificaram, essencialmente, as formas de micro-analisar linguagens corporais, dentro e fora dos palcos.

Enquanto o BTS são experts em provocar homoeroticismo em seus vídeos, eles também são experts em fugir de perguntas sobre shipping — no fandom, no entanto, pode-se encontrar todas as combinações possíveis de casais. A maior parte do shipping concentra-se em quatro duplas: Yoonmin (Suga/Jimin), Taekook (V/Jungkook), Jikook (Jimin/Jungkook) e Vmin (V/Jimin).

Mas há um ship principal, e este é o relacionamento entre os membros do grupo e o ARMY. A habilidade dos membros de transmitir amor e afeto aos fãs diretamente é crucial para o sucesso do grupo. E, honestamente, conseguir cativar e manter a atenção de tantos fãs internacionais, mesmo com as barreiras consideráveis de linguagem e cultura para pertencer ao fandom, é uma conquista por si. No que diz respeito a isto, o BTS pode ser uma verdadeira revelação do K-Pop.

Pode ser apenas uma febre, mas é importante para o legado do K-Pop

Nem tudo sobre o BTS é um fenômeno. Entender sua subida ao topo também significa reconhecer que não está sozinho na sua categoria: o BTS teve êxito e cresceu junto a outros grupos que também estão inovando e alcançando novos níveis de sucesso internacional. Coletivamente, esta geração do K-Pop está, rapidamente, modificando o estratagema e rompendo as barreiras sobre o que o K-Pop é permitido ser.

“Se você me perguntasse “qual o grupo de K-Pop mais genuíno?”, eu responderia “… nenhum deles?”, disse Stephen. “Eu, particularmente, penso que você precisa ser popular primeiro para, então, ser visto como autêntico”. Ele apontou que outros grupos recentes, como AoA, também tiveram de trabalhar muito antes de atingir o sucesso rapidamente. “Eu acho que todo o grupo de K-Pop fala sobre o quanto tiveram de superar dificuldades”, ele disse. “Mas quando é um grupo bem popular, a história se torna melhor e mais sonora”.

Mesmo assim, no encalço do suicídio de Jonghyun, membro do SHINee, em dezembro, a indústria como um todo — e o BTS em particular — tem falado sobre a importância de se discutir aberta e honestamente sobre as pressões no ramo de idols.

Stephen me contou que existe uma essência que chama a atenção no que o BTS faz. “Muitas de suas baladas, realmente, soam como se eles estivessem falando e desabafando com você, mais do que o padrão do pop”, ele diz. “E eles, definitivamente, estão entre os grupos de K-Pop que mais trabalham e se esforçam”.

Para Stephen, entretanto, a principal lição sobre o sucesso de BTS não é sobre a sua habilidade de transcender normas do K-Pop: é sobre a ascensão rápida desse estilo ao mainstream.

“Tenho certeza que existem milhões de fãs do One Direction que pensaram que eles eram o primeiro de seu tipo”, ele comenta. “Enquanto um fã mais antigo desse estilo estava, olá, NSYNC?”.

“Creio que se você perguntasse a alguém que estivesse acompanhando o K-Pop durante o ápice do Big Bang, eles teriam respondido que ‘O BTS não é nenhuma novidade’. Mas se você questionar a nova geração, a qual não era familiar com Big Bang, eles não teriam experienciado a subida de 0 a 100 de um grupo anteriormente, até agora com BTS. Parece novo para eles. Acredito que isso demonstra como o K-Pop é geracional, e o quão longe ele foi em um curto período de tempo”.

E, como Stephen notou, o sucesso internacional do BTS é um marco histórico, mesmo tendo sido construído em uma grande base. “É revolucionário? Definitivamente não. Mas eles, indiscutivelmente, elevaram o nível para o K-Pop”. E isso validou o entusiasmo dos fãs de uma grande maneira.

“E, no momento em que você tem o coração de um fã,” ele adiciona, “você tem a sua lealdade”.

Fonte: Vox
Trans eng-ptbr; clau, jumaria, maureen h.  @ btsbr

Artigos | por em 19/07/2018
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio