» [NEWS] Crítica: ‘Love Yourself: Tear’, de BTS, é o K-pop com petulância que ultrapassa o gênero | Bangtan Brasil
SITE: Bangtan Brasil - Fã Base
VERSÃO: 1.3 - WINGS BLUE
DESDE: 29.03.2013
VISITAS: ARMYs
Bulletproof Boy Scouts (em coreano: 방탄소년단) é um grupo masculino sul coreano de hip-hop formado pela Big Hit Entertainment. Geralmente conhecidos como BTS, são também chamados de Bangtan ou Bangtan Boys. Eles estrearam em 13 de junho de 2013 com sua.. LEIA MAIS
SEJA BEM VINDO AO BANGTAN BRASIL, A PRIMEIRA E MAIOR FÃ BASE BRASILEIRA DO BTS. FEITA DE FÃ PARA FÃ!
Publicado em 19.05.2018
[NEWS] Crítica: ‘Love Yourself: Tear’, de BTS, é o K-pop com petulância que ultrapassa o gênero
Rolling Stone deixa sua critica sobre o novo álbum do BTS.

Em 2017, o BTS audaciosamente chegou onde nenhum outro grupo de K-pop havia chegado antes, chegando ao Top 40 americano com o remix da música “MIC Drop”, com a participação de Steve Aoki e Desiigner. Love Yourself: Tear é o primeiro álbum de inéditas do grupo desde este sucesso. (Face Yourself, lançado em abril, foi uma edição repackage de músicas lançadas anteriormente para o mercado japonês.)

Mas atravessar o oceano não alterou o DNA do BTS. Os garotos ainda ultrapassam o gênero [K-pop] com insolência: você encontrará uma convincente balada rouca em R&B em tempo 6/8 (“Intro: Singularity”), pop eletrônico estremecente pós-Chainsmokers (“Magic Shop”), uma faixa dormente de estremecer a casa (“So What”) e uma imitação desajeitada de Fetty Wap (“Anpanman”). Eles são particularmente adeptos a prestar homenagens aos clássicos do hip-hop dos final dos anos 1990 e começo dos anos 2000: ecos do clássico de Lil Kim, “Crush on You”, ecoam através de “Love Maze”, enquanto “Airplane pt. 2” — de co-autoria de Ali Tamposi, que também foi responsável pelo sucesso número um de Camila Cabello, “Havana”, entre outros sucessos americanos — rejuvenesce a pompa classuda de “P.I.M.P.”, de 50 Cent.

Durante todo o tempo, os membros do BTS afetam sinceridade melódica, cantando com intensidade e melisma, fazendo os raps em tons que demonstram esforço e tensão, como se afeito nunca tivesse saído de moda. O efeito geral é quase chocante à luz da atual obsessão do pop americano com o tedioso e melancólico. (Ver: Post Malone.) Mas, no final, o BTS é capaz de ser taciturno, também: “Fake Love” é um choque de rap-rock afligido por angústia e pronto para as arenas. Em um momento entrará para o Top 40 — sem precisar de remix.

Fonte; Rolling Stone
trans eng-ptbr; nalu @ btsbr



Comentários: