O processo de design das capas do álbum ‘Map of the Soul: 7’

Anúncio

O processo de design das capas do álbum ‘Map of the Soul: 7’

Em fevereiro, o BTS lançou seu quarto álbum de estúdio, Map of the Soul: 7, vendendo mais de 4 milhões de cópias em poucos dias após seu lançamento. Em diversas entrevistas, RM disse que o número ‘7’ simboliza tanto o número de integrantes do grupo como os anos que eles já passaram juntos.

“De uma certa forma, a maior inspiração [do álbum] foi a história dos integrantes do BTS e os sete anos que eles passaram juntos,” disse A Ji-hye, parte da dupla de designers gráficos “Sparks Edition”, em uma entrevista recente para o The Korea Herald em seu estúdio em Seongbuk-gu, Seul.

Inspirados pela música de 2000 da banda britânica Coldplay “Sparks”, a dupla composta por A Ji-hye e seu marido Jang Joon-oh assumiu o trabalho de fazer o design da capa do álbum da maior boyband do mundo no ano passado, meses antes do lançamento de MOTS:7. E, para capturar a essência do que o ‘7’ significa para o BTS — um pedido específico do grupo, — eles resolveram buscar por camadas.

“Como os sete integrantes passaram sete anos juntos como um grupo, nós queríamos usar camadas para criar um ‘7’ bidimensional, mas que personificasse as sombras, personas e histórias do grupo,” disse A.

A dupla trabalhou no projeto, adicionando camadas representando cada um dos integrantes, baseados em suas identidades e personalidades. No final, eles conseguiram criar um ‘7’ de camada única em todas as quatro diferentes versões do álbum, o que A disse representar a vulnerabilidade, glamour e senso de dever, bem como os próprios egos do BTS.

Versão 1: inspirada em cisnes, representando a busca pela perfeição, a vulnerabilidade e inocência.

Versão 2: inspirada nos cisnes negros, a segunda versão visa um tom mais escuro e pesado, e usa formas curvas para representar as glamourosas sombras do grupo.

Conhecer o BTS significava consumir horas e horas de materiais e vídeos do grupo. “Por um certo tempo, acho que nós só ficávamos escutando as músicas do BTS. Como nós precisávamos entender e estabelecer uma história para cada integrante, nós fomos a fundo para estudá-los,” disse Jang. “Nós assistimos muitos desses compilados de vídeos dos integrantes feitos pelos fãs no Youtube, e também os MVs.”

Desde as negociações iniciais com a Big Hit Entertainment até estudar o BTS no Youtube para conseguir fazer o design da capa, o projeto levou alguns meses para ser completado. E durante todo esse tempo, o maior desafio foi incorporar as sete camadas do número 7 em um design único. Em outras palavras, A Ji-hye e Jang Joon-oh não sabiam como seria o produto final até o último momento.

“A montagem das camadas não foi tão fácil como nós pensávamos que seria, já que nós tínhamos um número limitado de ângulos para trabalhar, e sempre havia o risco de tudo parecer muito complexo,” disse Jang.

“Nós não podíamos simplesmente usar ‘7’ bonitos já que estávamos procurando um design que fosse esteticamente agradável mas que também casasse com o conceito do álbum, contando com ângulos sutilmente diferentes e uma combinação de curvas e linhas retas. Acho que encontrar um equilíbrio foi o mais complicado,” disse A Ji-hye. “Foi o design mais simples que nós já fizemos, de certa forma, mas é o que possui o maior número de histórias.”

Versão 3: linhas retas foram enfatizadas dando a impressão de força, para demonstrar um senso de dever nessa versão.

Versão 4: Cada camada foi pensada de forma a representar harmonia e unidade, o ego e identidade do grupo.

Apesar da dupla já ter feito inúmeros trabalhos de design gráfico, incluindo capas de livros, pôsteres e exposições de arte no ano passado, capas de álbuns sempre os atraíram. Tanto que eles já compraram alguns álbuns só pela capa por diversão.

“Eu costumava ir à lojas de discos quando estava na escola. Era o único lugar onde eu podia ir e apreciar trabalhos incríveis de arte na minha vida naquela época,” disse Jang, que é especialista em esculturas, ao lembrar da época quando comprar CDs em uma loja de discos era muito mais comum, uma experiência que o inspirou a se tornar designer de capas de álbuns.

“Eu costumava ouvir os álbuns de artistas que eu nunca tinha ouvido falar só por causa da capa dos álbuns,” ele acrescentou ao elogiar o trabalho no álbum de debut de Paul McCartney, “McCartney”, por exemplo.

Na era dos streams, onde lojas de discos praticamente desapareceram, a dupla ainda acredita no poder da capa dos álbuns. “Música é auditiva, mas quando nós pensamos nos músicos, a imagem que vem a nossa cabeça é das capas dos álbuns. Elas estão lá para que possamos visualizar as conotações associadas à música, e eu acho isso um trabalho cultural incrível,” disse A Ji-hye.

Fonte: The Korea Herald

Artigos | por em 20/05/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio