btsbr.co.vu/archive & btsbr.wordpress.com
SITE: Bangtan Brasil - Fã Base
VERSÃO: 1.4 - SPEAK YOURSELF
DESDE: 29.03.2013
VISITAS: 5.272.752 ARMYs
Bulletproof Boy Scouts (em coreano: 방탄소년단) é um grupo masculino sul coreano de hip-hop formado pela Big Hit Entertainment. Geralmente conhecidos como BTS, são também chamados de Bangtan ou Bangtan Boys. Eles estrearam em 13 de junho de 2013 com sua... LEIA MAIS
SEJA BEM VINDO À BANGTAN BRASIL, A PRIMEIRA E MAIOR FÃ BASE BRASILEIRA DO BTS. FEITA DE FÃ PARA FÃ!

Tag: los angeles times

Publicado em 09.09.2018
BTS quebra os padrões de masculinidade das boybands em sua turnê
O grupo sul-coreano não apenas quebra recordes como derruba padrões

Os sete “barcos” do BTS subiram ao palco do Staples Center na noite da última quarta-feira com fortes ventos em suas velas.

Em maio, a boyband de Seul atingiu o topo do chart the álbuns da Billboard com o “Love Yourself: Tear” – um marco para artistas do cenário K-Pop. Logo, o BTS atingiu a marca novamente: essa semana, o grupo voltou à primeira posição com um novo álbum, “Love Yourself: Answer”, um repackage do material anteriormente lançado pelo grupo, com novas faixas, incluindo uma colaboração animadora com Nicki Minaj.

O show de quarta feira, o primeiro de 4 datas esgotadas em Los Angeles, deu o pontapé inicial na turnê americana do grupo, que irá até dia 6 de outubro, quando o BTS tocará no Citi Field, o estádio de beisebol em Nova Iorque.

Então, é compreensível a razão desses meninos pararem por um momento durante o show, apenas para observar e absorver a adoração de seu público tão entusiasmado.

Quando você está se movendo tão rápido quanto o BTS, você precisa aproveitar a quietude sempre que possível.

Parte do frenesi em torno do septeto – um grupo cuidadosamente gerenciado por uma das empresas de entretenimento mais poderosas do K-Pop, Big Hit Entertainment – não é tão diferente do que se via em antigas boybands de sucesso, como ‘N Sync e os Jonas Brothers (sem mencionar os Beatles e os Jackson 5).

Canções cativantes, com diversos estilos – músicas que vão do swing do R&B à música de discoteca, do hip-hop agressivo ao emo temperamental – e rostos atraentes são incorporados ao empreendimento; o mesmo acontece com os produtos oficiais, que fazem os fãs sentirem que estão aderindo a um clube exclusivo.

No Staples Center, os lightsticks equipados com bluetooth estavam sendo vendidos à U$50 cada – um preço baixo a se pagar para a sensação de inclusão que o equipamento produz ao brilhar em sincronia com a música.

No entanto, o sucesso do BTS – e muitas das decisões estéticas mais experientes do grupo – também está fortemente ligado aos costumes sociais em constante mudança do momento atual.

Para começar, é inegável o sucesso que “Despacito” conquistou no cenário mainstream americano no ano passado, abrindo espaço para canções pop que não são cantadas em inglês.

O BTS, com músicas elegantes e cantadas principalmente em coreano, ainda não estabeleceu uma presença significativa nas rádios americanas. Como “Despacito”, no início, o grupo ainda está se conectando nas redes sociais e serviços de streaming, onde os ouvintes mais tradicionais exercem menor controle.

Tão importante quanto tudo isso, é a apresentação de gênero do BTS, abertamente demonstrada na última quarta-feira, juntamente com a abordagem dos diversos gêneros musicais do grupo.

As boybands vêm brincando com a ideia de masculinidade, é claro, há muito tempo. Você não chega a Harry Styles acenando com uma bandeira arco-íris no palco em seu show solo sem os anos que o mesmo passou encenando diversas atitudes tidas como “masculinas”, enquanto se apresentava com seu grupo, One Direction.

Mas nos shows, o BTS, cujo os integrantes nunca falavam sobre sexo (ao falar de suas vidas pessoais), parecia livre desse tipo de pensamento antiquado.

Os integrantes – RM, J-Hope, SUGA, Jin, V, Jimin e JungKook – começaram o show em roupas no estilo matador, pretas e douradas, e posteriormente mudaram para camisas de babado brancas; eles aparecem nos vídeos ao longo do show cheirando pedaços de frutas e pulando em camas, medindo os músculos uns dos outros.

Mas eles também usaram roupas folgadas e faziam “pose de durão”, imitando MCs do início dos anos 80.

E apesar de cantarem diversas baladas – “Singularity”, um momento onde V, de cabelos rosados, torna-se uma visão deslumbrante – o show teve muitos momentos que lembravam o EDM dos Chainsmokers, ou o rock pesado do Linkin Park.

O resultado foi uma quebra bem vinda do padrão de “galã masculino” – um ato cultural radical, que foi cada vez mais encorajado pela reação entusiasmada da multidão dentro do Staples Center.

De fato, por mais altruísta que o BTS possa ser em sua ambição de abrir mentes, os executivos da Big Hit Entertainment  provavelmente não montariam esse tipo de produção se a mensagem que o grupo deseja passar não estivesse de acordo com uma crescente adoção de não-conformidade de gênero entre seu público.

Mas essa atenção à moda é um fator crucial no showbusiness, como esses ídolos trabalhadores sabem bem.

O show de quarta-feira terminou, depois de um encore altamente aeróbico, onde o BTS cantou “So What” (uma música sobre ser jovem, selvagem e livre), com outro momento de quietude, onde os integrantes ficavam no palco, acenando para seus fãs, tentando dar uma atenção mais individual aos presentes.

Só que desta vez, a admiração parecia estar fluindo em ambas as direções – uma troca de orgulho personificada e única.

 

Fonte: Los Angeles Times
Trans eng-ptbr; Jojo Viola @ btsbr