7 considerações super calmas e racionais sobre ‘Map Of The Soul: 7’

Anúncio

7 considerações super calmas e racionais sobre ‘Map Of The Soul: 7’

O novo álbum do BTS já é considerado um de seus melhores trabalhos, do épico single ‘ON’ ao ultra-pessoal e comovente ‘We Are Bulletproof: The Eternal’. Será difícil algum próximo lançamento superar esse álbum, que instantaneamente se tornou um dos melhores álbuns pop do ano. Estamos possivelmente vivendo no melhor período do BTS.

Quem já ouviu o MOTS:7 sabe o efeito que ele faz no seu coração e mente. Ainda sentindo o impacto dessa obra, aqui estão 7 pensamentos aleatórios sobre o novo projeto do septeto:

1. ‘ON’ Kinetic Manifesto talvez seja uma das melhores coisas que o BTS já fez.

Após lançar uma prévia de 30 segundos da música no TikTok e quebrar o aplicativo, o primeiro vídeo de On foi lançado. Nós definitivamente não estávamos preparados.

Unidos ao premiado grupo Blue Devils e dançarinos do estúdio The Lab, liderados pela maravilhosa coreógrafa de ‘Dionysus’, Sienna Lalau, o vídeo exibe o melhor das habilidades de dança super rápidas e dinâmicas do grupo. Esse vídeo exibe o melhor das performances do BTS: RM cheio de estilo, uma batida forte, muito couro nos figurinos, a maquiagem corporal de V, um dance break que imediatamente energiza qualquer um, e a melhor bridge da discografia do grupo, demonstrando a potência vocal angélica de JungKook.

2. Os solos do BTS estão cada vez mais poderosos

Mesmo lançada ano passado, ‘Intro: Persona’ continua perfeita no novo álbum. A introdução para a nova era, ‘Interlude: Shadow’ de SUGA conta com um novo verso, mais impactante do que nunca. ‘Outro: Ego’ de J-Hope continua uma dose sem defeitos de pura felicidade sonora.

‘Filter’ é a contribuição absolutamente icônica de Jimin ao pop mundial, ‘Inner Child’ é a preciosa música de V que assume um tom mais leve e nostálgico, ‘Moon’ de Jin é provavelmente seu melhor solo, perfeição do pop, e JungKook está em seu elemento no hino R&B ‘My Time’. Eles serviram tudo que queríamos!

3. ‘Louder Than Bombs’ é digna de arrepios

A música tem os créditos de composição de RM, SUGA, J-Hope, com a colaboração de Troye Sivan e Allie X, entre outros nomes, o que explica a batida intensa e arrastada que cria uma sonoridade sombria, combinando com o significado da letra, especialmente o refrão: “Mais alto que bombas eu canto / Faço uma promessa para eu e você / Não importa a onda que nos atingir, vamos cantar eternamente para você”.

4. ‘UGH!’ (auto-explicativa)

Sempre podemos contar com as música da rap line para serem um dos pontos altos do álbum! Descrita como rap no estilo de Memphis, a música expressa a raiva de RM, J-Hope e SUGA contra o ódio virtual anônimo que as pessoas despejam na internet. É o tipo de música que todos nós queremos ver ao vivo, e ainda apresenta potencial para um dance break do J-Hope.

5. O tempo é uma construção social: ‘Zero O’Clock’

A música tem uma dupla narrativa: enquanto JungKook canta sobre seus dias tristes, Jin, V e Jimin incentivam o maknae a se sentir melhor. A música passa uma sensação de conforto leve e perfeita para os dias em que tudo parece dar errado.

6. E vamos de almas gêmeas: ‘Friends’ e ‘Respect’

Sabemos que todos os integrantes do BTS se amam muito, mas as amizades das duplas V-Jimin e RM-SUGA são especialmente únicas.

‘Friends’ é uma carta de amor de Jimin para V e vice-versa, referenciando piadas internas e cantando emocionantes versos como “Um dia quando esses gritos acabarem, fique / Você é minha alma gêmea / Aqui para sempre, fique / Você é minha alma gêmea”.

Se palavras de afirmação são a linguagem de amor de V e Jimin, as discussões bem-humoradas de RM e SUGA em ‘Respect’ são um retrato da dinâmica “casados há 10 anos” dos rappers. Aquele “Ayo, SUGA!” já é um adlib histórico.

7. ‘We Are Bulletproof: The Eternal’ quase matou os ARMYs do coração

São 4 minutos e 21 segundos de dor e sofrimento. A linda melodia e vocais, somados aos versos introspectivos da rap line criam a atmosfera perfeita para arrepios e lágrimas num estádio lotado com milhares de vozes.

“Nós éramos apenas sete”, eles cantam, “mas temos todos vocês agora / depois de sete invernos e primaveras, nas pontas de nossos dedos entrelaçados / sim, chegamos ao céu”. Precisam de ajuda para juntar os pedacinhos estraçalhados dos seus corações, ARMYs?

Fonte: The Ringer

Artigos | por em 01/03/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio