A ‘Bang Bang Con: The Live’ é uma porta aberta

Anúncio

A ‘Bang Bang Con: The Live’ é uma porta aberta

“Bem-vindos, primeira vez na Bang Bang Con?” No dia 14 de junho, a Bang Bang Con: The Live do BTS começa com a abertura das portas fechadas. O “quarto ARMY” apresentado no vídeo de abertura saúda os espectadores primeiro. Os integrantes agem como parte dos ARMYs, esperando o show começar. Então a segunda porta se abre, e os integrantes no palco e os ARMYs que estão assistindo em casa nos seus dispositivos são conduzidos para o “quarto BTS.” Começando com “DOPE,” um por um os membros saem do quarto, caminham pelo corredor e se posicionam no palco. A Bang Bang Con: The Live conecta os ARMYs e o BTS convocando-os para o quarto do grupo, e cada integrante de sua sala para o palco.

A Bang Bang Con: The Live é um show virtual que estreiou na era do COVID-19, quando as pessoas não podem se aglomerar. Já faz um tempo desde que o significado de “show” se transformou em ter essa experiência online. Mas hoje, quando nós temos que ficar em casa com as nossas portas fechadas e distantes uns dos outros, a Bang Bang Con conecta os artistas e seus fãs.

“Não há necessidade de um local de grande porte quando não há plateia. Então nós decidimos fazer o que não poderíamos em shows, ao invés de ir para um grande local.” Líder de Equipe Ha Jung-jae da Equipe de Produção de Shows da Big Hit Three Sixty explicou como eles criaram o conceito “de quarto para quarto.” Eles decidiram construir múltiplos palcos em um estúdio ao invés de alugar uma grande arena, o que fez as pessoas se perguntarem onde era esse local, e como eles poderiam mudar entre tantos sets. Foi assim que o BTS pode criar múltiplos quartos e se mover de um espaço para o outro durante o show.

Líder de Equipe Jang Hye-sun da Equipe de Planejamento de Negócios de Conteúdo da Big Hit Three Sixty comentou que, “As pessoas disseram que o processo de produção do show foi sensacional, mas para os produtores que tem construído sets de palcos para diferentes programas musicais, e criando os seus próprios programas, isso não foi novidade. Na verdade, construir múltiplos sets em um estúdio é o que temos feito esse tempo todo.” A Bang Bang Con: The Live intuitivamente mostra as características únicas de shows online, que diferem dos shows tradicionais.

O palco dentro de um local de show se estende até os assentos do público, enquanto a live envolve o público com paredes, como um quarto. Isso aumenta a sensação de imersão ao trazer o público dos lugares fora do palco diretamente para ele. Por exemplo, após terminar de apresentar “Boyz With Fun,” os integrantes entram em outra sala, ficam lado a lado e cumprimentam os ARMYs em tempo real. Atrás deles estão instrumentos, álbuns que eles lançaram até então, calendários, relógios e uma placa que diz “noite ao invés de dia.” Tomando vantagem da habilidade de mudar de sets em um instante, a Bang Bang Con: The Live mostra uma sala diferente do palco de apresentação, evocando a sensação de estar olhando para dentro do “quarto” do BTS. Isso constrói um entendimento de que os integrantes estão continuamente trabalhando em músicas e performances.

As vantagens de usar múltiplos palcos como espaços separados são maiores durante as apresentações das units, pois dão ao público uma visão mais aprofundada do BTS. Cada palco foi resultado das ideias dos integrantes do grupo sobre suas roupas e adereços, meticulosamente criando um retrato emocionante — profundo, e mais intricado do que os shows ao vivo. Jin, J-Hope e JungKook em “Jamais Vu” se mostram presos em um paradoxo de escalas cinzentas, onde eles continuam voltando para o mesmo lugar, não importa quantas escadas eles subam, ou o quão longe eles andem. Eles são, então, envoltos em uma luz azulada, ao cantarem “Apesar de repetir inúmeras vezes, eu vou continuar correndo.”

O BTS que não consegue avançar segue para “Respect”, de RM e SUGA. O palco com conceito “newtro” é uma visualização perfeita da música, que fala sobre pensar no passado e usar esses ensinamentos no presente com seu estilo próprio. Para “Friends”, de Jimin e V, uma estação de ônibus foi montada — lembrando uma estação real que os dois frequentavam. Esse espaço conecta suas memórias do passado com o presente, e também o futuro, ao falar sobre “quando a alegria acabar”.

A grande desvantagem está em não poder ver o público pessoalmente, mas o BTS consegue transmitir seus sentimentos de uma forma mais delicada, encontrando novas formas de se expressarem em suas apresentações. Quando os integrantes se gravaram com smartphones ao cantarem “Like”, a tela muda e parece que o BTS está fazendo uma chamada de vídeo com o público — o BTS e o público estão na mesma sala, mas são separados por smartphones. Isso reflete a dura realidade de não poder se comunicar pessoalmente, tendo que compartilhar nosso cotidiano através das redes sociais, assim como a letra da música diz.

Em “Just One Day”, o grupo aparece sentado em cadeiras, e a câmera alterna entre vídeos de cada um deles e do grupo inteiro, o que transforma esse palco em um shows que eles foram no passado. A mensagem que o BTS transmite através desses encontros online, com a Bang Bang Con: The Live, chega para os espectadores intuitivamente.

Um show, mas com palcos diferentes para cada música, assim como nas premiações e music shows, com os integrantes fazendo comentários que se encaixam perfeitamente em cada ambiente quando eles transitam de um lugar ao outro. Bang Bang Con: The Live mostra o potencial dos shows transmitidos ao vivo ao combinar o mérito de shows presenciais, com music shows e fan meetings. Os shows online não são apenas uma substituição para os shows presenciais que foram cancelados, mas tem seu significado próprio. Isso também está relacionado ao fato do público ter uma experiência nova através da Bang Bang Con: The Live. Com seis ângulos de câmera diferentes, o espectador pode ver a parte do palco que ele mais deseja. E nas telas divididas, um mapa mundi fica em exibição, mostrando o número de ARMYs acompanhando a transmissão de acordo com o local onde sua ARMY Bomb é conectada.

No passado, o público se reunia em estádios e casas de show. A Bang Bang Con: The Live permitiu ao público uma visão completa do palco e a conexão global dos fãs, como se eles estivessem assistindo TV e conversando com seus amigos nas redes sociais. O time de produção pensou que seria desvantajoso que um show online fosse igual a um offline, já que não haveriam luzes ou outras pessoas ao seu redor, e por isso, buscaram por algo diferente. Foi assim que um novo formato de apresentação, pensado exclusivamente para um show online, surgiu.

Baseado no vídeo disponibilizado pelo Weverse, a duração da Bang Bang Con: The Live foi de 1h:33min:45s. “Já que as pessoas verão o show em seus celulares, nós pensamos se eles conseguiriam ficaram sentados assistindo um show de duas ou três horas de duração.” Team Leader Kang Min-yi, da Big Hit Three Sixty Cultural Content Planning Team, explicou que a duração do show foi decidida após considerar a quantidade de tempo que uma pessoa consegue ficar completamente focada em um vídeo. Ao longo dos 2 intervalos da live, quando os VCRs do BTS ASMR e do staring contest foram ao ar, o público pode fazer contato visual com os integrantes. Semelhante aos YouTubers, os meninos ocuparam a tela e fizeram contato visual com o público, e as vezes davam oi e tchau.

Comerciais com o BTS também foram transmitidos ao longo da live, “Eu queria que as pessoas continuassem com os olhos colados na tela,” disse o Team Leader Ha Jung-jae, “Apesar de comerciais também serem importantes em termos de financiamento de produção, nós pensamos que não seria interessante usar propagandas não relacionadas ao BTS.” Ele continuou, “É por isso que preparamos esses comerciais com o BTS aparecendo mais perto da tela, e fazendo mais contato visual com os espectadores, para que o público continuasse imerso.” 

O momento em que a parede de 2.000 ARMY Bombs brilhou na Bang Bang Con: The Live foi especial, pois marcou a significância desse novo tipo de show. Para que as ARMY Bombs, que dão tanto apoio ao BTS em suas apresentações, pudessem brilhar na live, e equipe de produção instalou manualmente mais de 2 mil ARMY Bombs verdadeiras, e não apenas luzes que se parecessem com elas! “Já que não foi uma apresentação ao vivo onde os fãs levam suas próprias ARMY Bombs, a produção teve que trazer todas, o que foi um trabalho complexo,” disse Ha Jung-jae. Ele também disse que a produção comprou 6 mil pacotes de pilhas e colocou cada uma delas individualmente. “Normalmente, as ARMY Bombs são pareadas automaticamente de acordo com o local, mas dessa vez nós também tivémos que parear cada uma manualmente. Se as pilhas acabavam no meio dos ensaios, nós tínhamos que trocá-las. Isso não seria necessário em um show ao vivo. Até o Leader do time de Business Planning que estava só de passagem na hora acabou nos ajudando. Mas ao ver como tudo ficou incrível no final, vi que todo o esforço valeu a pena.” Team Leader Han descrever tudo isso como “a essência da apresentação”. 

Mesmo sendo um show transmitido pela internet, artistas e público estão conectados emocionalmente, pelo menos através dos light sticks instalados manualmente. A conexão orgânica criada através das ARMY Bombs também pode ser vista em “Anpanman”, onde um Anpanman gigante protege o BTS, e no palco vazio, onde as ARMY Bombs formam a frase “BTS❤ARMY”. A conexão continua com o BTS fazendo o fanchant dos ARMYs, lembrando dos shows passados, e também quando eles dizem sentir saudades dos fãs, e cantam “Spring Day”. Sendo online ou offline, shows continuam conectando artistas e fãs.

Assim como o BTS mencionando como foi difícil se apresentar sem ouvir os aplausos dos ARMYs, ou deixando um espaço em seu grande círculo para os ARMYs, a premissa subjacente em toda a sua narrativa épica desde “DOPE” a “Spring  Day” é a crença de que “o BTS irá ao seu encontro” aconteça o que acontecer.

Ao caminharem lentamente pelo corredor, o BTS não volta aos quartos onde começaram a live, mas se dirigem a um quarto único. Isso significa que mesmo que mesmo que a grande porta aberta se feche, esse não é um adeus, mas uma promessa de um “até logo”. Nós vemos constantemente ao longo da Bang Bang Con: The Live que os shows virtuais nunca substituirão os ao vivo, e que os últimos não desaparecerão. Mas ao mesmo tempo, shows virtuais reduzem o limite existente nos shows ao vivo, e indicam uma possibilidade de um futuro negócio de alta demanda. Team Leader Kang previu que, “Como testemunhamos o potencial do mercado online, provavelmente seguiremos para um plano de dois níveis. Mesmo que shows possam voltar a ser presenciais, haverá limitações de espaço e tempo. Então os shows virtuais poderão oferecer uma opção mais ampla em relação a isso.” Team Leader Ha complementou que, “A melhoria da tecnologia não irá desaparecer, então podemos usar essas melhorias para realizar outros encontros virtuais ou desenvolver outros conteúdos.” Resumindo, a Bang Bang Con: The Live abriu uma nova porta para shows.

O BTS está se preparando para outro show. A equipe de produção concordou que eles não podem ser complacentes, dadas as altas expectativas do público com os shows do BTS. A Bang Bang Con: The Live atingiu o recorde de 756 mil espectadores simultâneos. Team Leader Jang Hye-sun disse, “Esperava-se que os ingressos fossem vender 2 vezes mais que a melhor transmissão ao vivo do BTS, mas na verdade eles acabaram vendendo 4 vezes mais.”

A indústria da música se surpreendeu ao descobrir que muitas pessoas estavam assistindo shows online, mas Hye-sun disse, “Nós já temos alguma experiência em transmissão de turnês, pois fizemos isso com os shows de Wembley e da Arábia Saudita, então isso não foi algo novo para nós. Para se preparar completamente, nossa equipe visual e a Kiswe Mobile trabalharam juntas.” Bang Bang Con: The Live nos mostra que shows virtuais não são apenas substitutos para os shows ao vivo, mas podem trilhar seu caminho próprio. Isso exige que os artistas e suas equipes trabalhem ainda mais do que em shows offline.

O BTS fez uma transmissão de show ao vivo, com centenas de milhares de pessoas assistindo, e além disso, tiveram que se movimentar de um palco a outro. Esse foi um novo esforço para o grupo, que dizia que “transmissões ao vivo são sempre difíceis”. Mas, ao mesmo tempo, foi uma nova forma de acolher o público. Eles fizeram o melhor que puderam, como disse RM, “Nós temos que dar esperança e felicidades para todos vocês. Essa é a única forma de sobrevivermos. Enquanto conseguirmos fazer isso, então iremos continuar. Então, começando com coisas como a Bang Bang Con, iremos fazer o melhor que pudermos. Eu não sei quando poderemos nos encontrar pessoalmente de novo, mas iremos fazer o melhor de todas as formas.” E eles abriram uma nova porta para o caminho que os levará aos fãs.

Apesar de ainda não poderem se encontrar pessoalmente, shows continuam conectando artistas e fãs.

Fonte: Weverse Magazine
Tradução por Jojo Viola & Rebecca Pezzatto @ BTSBR

Artigos | por em 29/09/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio