ARMYs em Fort Worth: uma mãe, uma sobrevivente e uma estudante

Anúncio

ARMYs em Fort Worth: uma mãe, uma sobrevivente e uma estudante

No começo dessa semana, a mãe de 39 anos fez seu filho mais velho, Donal, acreditar que ela estava levando seu marido para ver o show do grupo favorito: BTS. Mas, no aniversário de Donal na quarta-feira, Alexy o surpreendeu com o light stick oficial, a ARMY Bomb.

O grupo pop sul-coreano apresentará dois shows esgotados no Fort Worth Convention Center neste fim de semana. A maioria dos fãs locais não têm ideia de por quê o grupo está se apresentando em Fort Worth especificamente, mas estão muito animados.

“Eu não pensei que teria um fandom de K-pop tão grande aqui, mas foi quase impossível de conseguir ingressos,” disse Alexy. “Eles estando aqui em Fort Worth será um show ótimo e intimista.”

Maria Espinosa, uma fã de 15 anos de Fort Worth, diz lembrar de gritar de alegria na escola quando o BTS anunciou as datas da turnê na América do Norte.

Ela só tinha que conseguir os ingressos.

“Eu estava com o meu celular, o tablet da minha mãe, o laptop da minha irmã, meu laptop e o da minha avó, todos no site,” Espinosa disse, contando sobre o dia da venda dos ingressos. “Eu estava tão estressada. Fiquei recarregando a página várias vezes. Quinze minutos se passaram e o BTS é conhecido por esgotar shows muito rápido. Eu ainda não tinha conseguido os ingressos quando atualizei a página uma última vez e consegui os lugares.”

O K-pop é uma indústria de US$5 bilhões, de acordo com a Vox, e se tornou um fenômeno global, parcialmente devido ao sucesso do BTS e a dedicação de seus fãs.

IMG 2

O grupo já passou 90 semanas seguidas no primeiro lugar da Billboard Social 50, uma parada semanal de popularidade que lista os artistas de acordo com sua presença nas redes sociais, engajamento e crescimento.

Ainda que o grupo milhões de fãs e seguidores em cada uma de suas plataformas em redes sociais, o BTS prefere se conectar com os fãs através de suas músicas e performances. Eles, no geral, cantam e fazem rap em coreano mas mesmo aqueles que não falam a língua, como Alexy e Espinosa, encontram significado em suas canções.

“Eles parecem humildes, devem trabalhar até a exaustão, mas sempre parecem muito felizes de estarem vivendo essa experiência,” disse Alexy. “É divertido ver o quão rápido tudo isso mudou para eles. Parecem felizes de estarem fazendo música e seguindo seus sonhos.”

Espinosa ficou particularmente emocionada pelo ativismo do BTS e a vontade de falar sobre assuntos difíceis, indo desde saúde mental até críticas à sociedade sul-coreana.

“Eu amo outros grupos de K-pop mas muitos deles só falam sobre amor e separações e escolha, e o BTS conscientiza sobre depressão, ansiedade e saúde mental,” disse Espinosa.

Lauren Pinto, uma estudante de 23 anos, disse que o compromisso do BTS com justiça social faz o grupo se destacar se comparado com boy bands americanas ou britânicas. Pouco tempo depois de lançar o álbum Love Yourself em 2017, o BTS se juntou com a UNICEF para lançar a campanha “Love Myself” para acabar com a violência contra crianças e adolescentes.

Para Pinto, ir ao show do BTS será a celebração de seu crescimento e superação de desafios. Em 2016, Pinto sofreu uma lesão cerebral e teve que deixar a faculdade na cidade de Austin e voltar para casa em Fort Worth.

“Depois disso, eu fiquei muito desapontada comigo mesmo sabendo que não era culpa minha. Senti que eu não estava indo a lugar nenhum na minha vida,” disse. Isso aconteceu por volta da data que o BTS lançou o álbum WINGS e You Never Walk Alone. “Eles me levaram a fazer tudo que fosse possível para consertar esses problemas, me tratar e voltar para a faculdade.”

BTS não só ajudou Lauren a buscar por sua recuperação, mas ao amor também. Ela estará no show com o seu namorado de três meses, com quem criou vínculos a partir do interesse mútuo em K-pop.

“Nós na verdade nos conhecemos no [site de relacionamentos] OkCupid. Eu não usava mais tão a sério assim mas tinha postado que estava interessada em conhecer outros fãs de K-pop próximos,” disse. “Eu não estava respondendo mensagens mais quando um cara veio e começou a falar sobre o BTS; não consegui deixar passar.”

Ao mesmo tempo que nenhuma das mulheres aqui se identifiquem como ou falem coreano, todas concordam que gostar de K-pop fez com que se abrissem para uma nova cultura e novas possibilidades.

Em casa, Alexy contou, ela está aprendendo coreano e assiste dramas. Enquanto dava aulas para Donal em casa, eles decidiram que aprenderiam coreano juntos. Agora como estudante do ensino médio, ele aprende japonês e é muito bom, ela disse.

“Meus filhos definitivamente têm uma visão de mundo mais ampla por causa da minha paixão pelo K-pop e cultura coreana,” Alexy contou. “Eu cozinho vários pratos tradicionais coreanos agora e eles são muito saudáveis. Nós definitivamente tivemos uma mudança na nossa dinâmica porque meus filhos entendem que existe muito mais no mundo além do nosso próprio país.”


Fonte: Fort Worth Star-Telegram
Trans eng-ptbr; nalu @ btsbr

Artigos | por em 17/09/2018
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio