As novas regras de bundles da Billboard devastarão muitos artistas, mas não o BTS

Anúncio

As novas regras de bundles da Billboard devastarão muitos artistas, mas não o BTS

A Billboard abalou a indústria da música ao anunciar que não contará mais os pacotes (bundles) de mercadorias e ingressos do Billboard 200, Hot 100 e outros importantes charts musicais.

A empresa “decidiu eliminar a prática de contar álbuns agrupados com mercadorias e ingressos de shows nos charts de álbuns e músicas”, de acordo com o anúncio. Sob essas novas regras, “todos os álbuns agrupados com mercadorias ou ingressos de shows devem ser promovidos como um complemento para essas compras, a fim de serem contados nos charts.” O álbuns que são o custo de um ingresso ou pacote de mercadorias com um preço independente não divulgado não contarão mais.

Além disso, a Billboard não permitirá mais que álbuns físicos ou singles incluídos em downloads digitais sejam reportados como vendas digitais. O álbum ou single físico deve ser comprado antes de poder ser contabilizado nos charts.

Em janeiro, eles anunciaram que exigiria que os álbuns fornecidos com mercadorias estivessem disponíveis no mesmo site para compra individual, e os pacotes devem custar pelo menos US $ 3,49 (aproximadamente R$ 18) a mais que o álbum sozinho. A Billboard agora diz que essas mudanças “não atingiram o objetivo pretendido com precisão as intenções do consumidor.” A empresa ainda não anunciou uma data de início para suas novas regras.

As implicações dessas novas políticas de pacote de ingressos e mercadorias são vastas e necessárias. Eles ostensivamente impedirão que os artistas acumulem “vendas de álbuns” combinando seu álbum com um ingresso para um show que realisticamente não acontecerá por mais seis meses em um ano, na melhor das hipóteses. Eles também devem dissuadir as gravadoras de lançar uma grande quantidade de vinil e CDs em uma tarde de quinta-feira — o último dia da semana de rastreamento de charts — que não será lançado por três meses como um esforço de última hora para a venda em suma. Da mesma forma, os artistas não serão mais capazes de ficarem no topo dos charts com a força do protetor labial de marca, das frigideiras, do repelente de insetos, dos abridores de garrafas, dos cinturões, das lâmpadas de lava ou dos preservativos.

Se a Billboard implementasse essas regras no início de 2020, os charts provavelmente pareceriam muito diferentes durante o primeiro semestre do ano. Aqui está uma lista não muito grande de artistas que conquistaram álbuns ou singles em nº1 com ajuda de mercadorias apenas em 2020: Lady Gaga, Kenny Chesney, Justin Bieber, Ariana Grande, 6ix9ine, Nicki Minaj e The Weeknd. Atualmente, o último realizou o maior álbum de estreia de 2020 (pelo menos por mais alguns dias) com o After Hours, que movimentou 444.000 equivalentes de álbuns em sua primeira semana, reforçado por ingressos e mais de 80 tipos diferentes de mercadorias.

Você não precisa procurar muito para ver que as novas regras das mercadorias e ingressos da Billboard devastarão muitas estrelas pop para chegar ao topo dos charts. Mas, o BTS não é um deles.

O último álbum do grupo, Map of the Soul: 7, ficou no topo da Billboard 200 em fevereiro com incríveis 422.000 unidades vendidas equivalentes aos álbuns. Até o momento, o BTS reivindica a segunda maior estréia de 2020 e o fez sem nenhuma venda de ingressos ou mercadorias. Eles também obtiveram 82% de sua soma na primeira semana de vendas tradicionais, um número quase sem precedentes em uma época em que o streaming reina. Se as novas regras da Billboard tivessem sido aplicadas em janeiro, o BTS quase certamente reivindicaria a maior estreia de álbuns de 2020 no momento.

O BTS lançou o Map of the Soul: 7 com quatro versões de álbuns, cada uma contendo fotos diferentes deles. Esses álbuns representaram 330.000 das 347.000 vendas tradicionais na primeira semana de vendas. Alguns críticos tentaram comparar essa estratégia de marketing com ingressos e mercadorias ou sugerem que é uma maneira dissimulada de aumentar as vendas de álbuns. Mas desde os dias felizes de CDs vinil, os artistas incentivaram as pessoas a comprar seus álbuns através de embalagens elaboradas, vendendo LPs dobrados que se abriam para incluir obras de arte, anotações, letras de músicas e fotos.

Esse mesmo princípio impulsiona as várias edições colecionáveis ​​do BTS do Map of the Soul: 7 e seus outros álbuns. Eles não estão escondendo sua música atrás de uma calça de moletom muito cara, com medo de que ninguém a compre de outra maneira. Eles recompensam os fãs que já teriam comprado seu álbum, provavelmente várias vezes, tornando cada versão única. A cantora Taylor Swift usou a mesma estratégia de CDs colecionáveis (junto com mercadorias) para seu último álbum, Lover, que estreou em um total de 867.000 unidades equivalentes a álbuns. O álbum do septeto, Love Yourself 轉 ‘Tear’ até recebeu uma indicação no Grammy de Best Recording Package em 2019, que reconhece artistas que se empenham muito no apelo visual de seus álbuns. (A Academia de Gravação não repetiu a cortesia em 2020, mas é uma conversa para outro dia.)

A principal distinção entre as diferentes versões de álbuns do Map of the Soul: 7 para outros artistas que exploram as vendas de ingressos e mercadorias para vender os álbuns é que o BTS está explicitamente transformando suas músicas em itens de colecionador — sem prejudicar o valor da embalagem, com diversos brindes que vem no álbum. Superfãs de qualquer artista costumam comprar ou baixar várias versões de um álbum ou single para subir nos charts. Se os ARMYs do BTS comprarem várias versões do mesmo álbum, eles estarão comprando peças de quebra-cabeça diferentes, que melhorarão sua compreensão dos álbuns temáticos — e não haverá confusão sobre o que eles estão comprando.

O princípio por trás da elaborada estratégia de marketing dos álbuns do BTS — e o que os torna imunes às mudanças de políticas da Billboard — é um foco inabalável na música, em vez de pequenas bugigangas ou ingressos para shows distantes. É um princípio que outras estrelas do pop no topo dos charts seriam sensatos em fazer de sua principal prioridade.

Caso contrário, eles terão um despertar rude quando as novas políticas da Billboard entrarem em vigor.

Fonte: Forbes

Artigos | por em 08/08/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio