BTS no mundo da arte: estrelas do K-pop colaboram com artistas em projeto global

Anúncio

BTS no mundo da arte: estrelas do K-pop colaboram com artistas em projeto global

“CONNECT, BTS” acontecerá em cinco cidades e envolverá trabalhos de artistas como Antony Gormley e Tomás Saraceno.

A boyband mais bem-sucedida da Coreia do Sul, BTS, lançou uma série de cinco grandes projetos artísticos públicos ao redor do mundo envolvendo colaborações entre alguns dos artistas e curadores mais relevantes do planeta.

“CONNECT, BTS” acontecerá em cinco cidades diferentes, com cada projeto sendo de acesso gratuito ao público e “extensivamente documentados online” de acordo com comunicado dado à imprensa, que também declara que cada artista comissionado é resultado de uma curadoria que “ressoou com a filosofia do BTS”.

O primeiro projeto da série, um trabalho audiovisual imersivo do artista dinamarquês Jakob Kudsk Steensen, inaugura hoje (14 de janeiro) na Serpentine Galleries, em Londres. Organizada pelos curadores da Serpentine, Kay Watson e Ben Vickers, a exposição Catharsis (que vai até o dia 15 de março de 2020) mostra uma simulação digital e uma floresta anciã reimaginada cuja experiência pode ser vivenciada na galeria ou através do site.

Outros projetos da série incluem Fly with Aerocene Pacha (de 21 de janeiro a 22 de março de 2020) pelo artista argentino Tomás Saraceno, que tentará quebrar diversos recordes mundiais para o primeiro voo totalmente por energia solar e “sem humanos”. O trabalho partirá de Salinas Grandes, o grande lago de água salgada da Argentina, com a gravação resultante da obra sendo exibida em Buenos Aires até o dia 22 de março.

Não menos importante, o artista britânico Antony Gormley criará um vasto “desenho no espaço” no Brooklyn Bridge Park Pier 3 em Nova York. A obra New York Clearing (2020) consiste de “uma única linha composta de 18km de um tubo de alumínio quadrado que se enrola e dá voltas sem começo ou fim”. A exibição vai do dia 4 de fevereiro ao dia 27 de março de 2020.

Instalação de Jakob Kudsk Steensen na Serpentine Galleries em Londres.

Dois outros projetos também acontecerão. O primeiro envolve duas apresentações separadas da artista britânica Ann Veronica Janssens e do artista coreano Yiyun Kang no Dondaemun Design Plaza (DDP) em Seul. O segundo é uma performance em grupo por 17 artistas no Gropius Bau em Berlim. Os visitantes de cada apresentação poderão acessar vídeos introdutórios especiais gravados pelo grupo falando sobre os trabalho artísticos individualmente.

“CONNECT, BTS” é liderado por Daehyung Lee, que atualmente serve como o diretor de arte do BTS. Lee, um curador independente da Coreia, organizou o pavilhão do seu país na Bienal de Veneza em 2017.

Enquanto o mundo da arte continua a inventar novos jeitos de atrair audiências mais diversas, essa parceria abre maneiras originais e potencialmente lucrativas para colaborações multidisciplinares.

“O BTS criou um movimento que envolve um público de milhões ao redor do mundo,” diz Lee. “Sua habilidade de falar com significado para pessoas de diferentes culturas, classes sociais, etnias, gêneros e identidades, por sua vez, conversa muito com o objetivo antigo da arte de transcender barreiras imaginárias. Imagine um show com milhares de fãs se movendo em conjunto, cada um em seu próprio mundo e mesmo assim parte de uma experiência coletiva. Amplificado em cinco cidades, aproveitando o momentum dos seguidores do grupo.”

E seus seguidores são, de fato, significantes. Reconhecidos como a boyband mais bem-sucedida do mundo, a popularidade do BTS supostamente atrai em turismo e acrescenta o estimado em US$4,65 bilhões para a economia da Coreia do Sul todos os anos, aproximadamente 0,3% do PIB do país.

Consequentemente, este projeto — e os artistas e instituições envolvidos — agora poderão aproveitar a exposição aos 21,9 milhões de seguidores do BTS no Instagram e 23,6 milhões de seguidores no Twitter (conhecidos coloquialmente como “ARMY”). Para comparação, o Museu do Louvre tem 3,6 milhões de seguidores no Instagram, enquanto Ai Wei Wei — artista e arquiteto chinês — possui apenas 563 mil e uma atratividade consideravelmente menos jovem.

Em declaração oficial, o BTS disse que “Arte e música contemporâneos são também dois mundos diferentes. Este projeto é especialmente significativo para nós porque ele realmente representa a diversidade e cria uma mensagem coletiva e positiva para o mundo que valorizamos. Através deste projeto, esperamos poder retribuir o grande amor e apoio de nossos fãs, os ARMYs, e de todos os públicos.”

Fonte: Kabir Jhala @ The Art Newspaper

Artigos | por em 17/01/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio