Como o BTS se tornou o rei indiscutível do K-Pop

Anúncio

Como o BTS se tornou o rei indiscutível do K-Pop

Nesta altura, há poucas chances de você não ter ouvido ou visto o nome “BTS”, os reis indiscutíveis do K-pop. E se o curso do mundo não tivesse sido alterado pela atual pandemia, os rappers RM, J-Hope e SUGA e os vocalistas Jin, V, Jimin e JungKook estariam rodando o mundo com sua turnê para divulgar o quarto álbum do grupo, Map of the Soul: 7.

Nos dias 18 e 19 de abril (datas em que eles se apresentariam no Estádio Olímpico de Seul), sua gravadora, Big Hit Entertainment, transmitiu a Bang Bang Con, uma transmissão ao vivo gratuita de dois dias de vídeos de shows e turnês anteriores. Mais de dois milhões de fãs  (conhecidos como ARMYs) assistiram simultaneamente, com o total de visualizações chegando a casa dos 50 milhões.

Já no fim de semana de 14 de junho, às 10h da manhã, o BTS fez um show online pago com duração de 90 minutos – Bang Bang Con: The Live – que atraiu uma audiência de números recordes. O engajamento social é sempre insuperável; no início deste ano, JungKook quebrou seu próprio recorde ao acumular mais de dois milhões de curtidas em cinco tweets diferentes, quebrando o recorde anterior estabelecido por Barack Obama. Ele também é o mais pesquisado por ‘K-pop Idol’ no Google e no YouTube, enquanto em 2019, o BTS era a boyband mais pesquisada no Google do mundo.

À medida que eles cresceram e se tornaram superestrelas que lotam estádios e vendem milhões de dólares, nunca houve uma resposta singular sobre como e porque um grupo pop de língua não inglesa conseguiu entrar nos escalões superiores da indústria fonográfica ocidental. Vários fatores foram combinados para formar uma receita irresistível e, mais importante, não duplicável, que viu o BTS alcançar quatro recordes de número um nos EUA em menos de dois anos e vender cumulativamente mais de 20 milhões de álbuns.

Quer seja a sua primeira vez no BTS ou a milésima, a Vogue analisa como eles se tornaram um dos maiores grupos pop de todos os tempos.

Recusa em ser confinado pelo gênero

Prolífico por lançar novo material a cada ano, o BTS deu uma narrativa a seu extenso catálogo, ao criar trilogias e séries de álbuns para explorar completamente seus temas, em vez de correr descontroladamente de um conceito a outro. De críticas à sistemas sócio-políticos em faixas como ‘No More Dream’ (em que J-Hope fala: “Rebele-se contra esta sociedade infernal, dê ao seu sonho um perdão especial”) até a exploração de seu medo de não ser mais capaz de se apresentar em “Black Swan”, o BTS mostrou que sua profundidade de pensamento, constante exploração criativa e franqueza lírica são fontes de inspiração e conforto para seus milhões de fãs.

Eles se esforçam para se destacar entre seus pares pop através da propensão a integrar a chamada alta cultura com a cultura popular. Considere, por exemplo, “Blood Sweat & Tears” de 2016; a música combina trap, moombahton e house tropical, enquanto seu MV se inspira generosamente no romance coming of age de Hermann Hesse, intitulado Demian, de 1919, cuja psicologia junguiana também formaria a base de sua série Map of the Soul em 2019/2020.

BTS se recusa a ser confinado pelo gênero, mudando de baladas épicas (‘Spring Day’) e hinos emos (“FAKE LOVE”) para hits que sacodem multidões (“Fire”) e sons pop como ‘’Boy With Luv” (com a participação de Halsey) e “DNA’. Este último um marco importante para o grupo – sendo o primeiro vídeo a atingir um bilhão de visualizações no YouTube, sua primeira entrada nas paradas de singles dos EUA e do Reino Unido, seu segundo single de ouro nos EUA e sua estréia na TV dos EUA com uma apresentação muito elogiada no American Music Awards.

Uma bolha de positividade

Conhecido como o maknae de ouro (o integrante mais jovem que é bom em tudo que faz), Jeon JungKook é o ídolo mais pesquisado no Google de 2019 e, com seu cover de “Never Not” de Lauv, estabeleceu um recorde mundial de tweet mais comentado e vídeo mais rápido do Twitter a atingir um milhão de visualizações (levou apenas 10 minutos!). JungKook é um dos integrantes menos ativos nas redes sociais, tornando suas aparições um tipo de evento, mas seus companheiros de grupo não ficam muito atrás, regularmente acumulando impressionantes dois milhões de curtidas por postagem. Ao longo dos anos, o BTS vêm atualizado constantemente os ARMYs com seus pensamentos, fotos de férias, piadas e selfies – usando sua conta do Twitter da mesma forma que um amigo próximo faria, tornando-se parte da vida de seus fãs da mesma maneira.

Diante de uma indústria ocidental que não deseja abrir espaço para uma boyband de língua estrangeira, o crescimento global do BTS nunca foi por meios tradicionais, como tocar na rádio. Em vez disso, suas estratégias de mídia social e conteúdo por meio de plataformas de vídeo, incluindo YouTube e V Live, tornaram-se seu trampolim, ajudados exponencialmente por centenas de fãs que traduziram incansavelmente letras, postagens sociais e muito do conteúdo de vídeo do grupo, permitindo àqueles que não falassem coreano se conectarem totalmente com os integrantes.

Desde 2017, a televisão dos Estados Unidos tornou-se um amigo poderoso, levando-os mais fundo na consciência do público em geral. Quer sejam notícias da manhã ou programas de entrevistas noturnos, a camaradagem do BTS transforma até mesmo a entrevista mais tranquila em um caos divertido e sedutor. Apesar de ter apenas um membro fluente em inglês, o BTS é adepto de prender os espectadores, suavizando as barreiras culturais e linguísticas com um charme e humor instintivo, ocupando confortavelmente um lugar em milhões de lares ocidentais onde antes artistas asiáticos raramente eram vistos.

James Corden, do The Late Late Show, foi o primeiro apresentador a abrir essa porta para o grupo. “Estou constantemente impressionado com a ética de trabalho deles”, Corden nos diz por e-mail. “Eles são sempre respeitosos, não apenas pelo ambiente em que estão trabalhando naquele momento, mas também, e mais importante, uns pelos outros. Vê-los crescer desde sua primeira aparição em nosso programa até onde estão agora foi de cair o queixo. Como um grupo, eles permanecem tão dignos, tão cheios de alegria, que isso flui para todos ao seu redor. Principalmente seus fãs, que são a coleção mais incrível de jovens. É claro que eles se referem apenas a fazer algo bom, ser boas pessoas, manter tudo nesta bolha de positividade. E isso em si é a mais rara das experiências nos dias de hoje.

Sem regras são as novas regras

Muito já foi escrito sobre o amor dos astros pop masculinos da Coreia do Sul por roupas extravagantes e maquiagens elaboradas. BTS, em particular, são vistos como figuras importantes na mudança positiva das atitudes ocidentais em relação aos homens asiáticos como símbolos sexuais e direcionando a masculinidade para longe das normas tóxicas.

Ainda assim, como tantos artistas homens, o BTS teve que chegar a esse ponto por meio do aprendizado e o fez ao reconhecer o sexismo e a objetificação em algumas de suas primeiras letras e MVs. Seu crescimento ao longo dos anos pode ser visto em suas letras, que agora se concentram mais na autorrealização e experiências conjuntas, na escolha de mulheres poderosas para suas colaborações (Halsey, Sia, Nicki Minaj e as rainhas do pop sul-coreano IU e Suran), sua genuidade quando lidam com questões emocionais tanto pessoais quanto dentro do grupo, e no uso do rosa, cores pastéis, lantejoulas, folhas, saias, bolsas, gargantilhas ou espartilhos sem reservas.

Esse apreço pelo poder das roupas e sua influência incomparável os tornou queridinhos para o mundo da moda. O BTS, no entanto, possui poucos endossos oficiais de moda, preferindo comprar apenas o que lhes agrada. Portanto, quando eles decidem usar um determinado item, ele não apenas se esgota rapidamente em todo o mundo, mas também ganha as manchetes por fazer isso, levando seu nome para além do fandom.

Uma parceria rara foi com a Dior, que criou as roupas de palco para a turnê ‘Love Yourself: Speak Yourself’ do ano passado. O diretor criativo da Dior, Kim Jones, disse na época: “Eu amo o BTS porque eles são caras realmente ótimos e também por estarem por dentro da moda. Todos eles têm seu gosto e estilo pessoais e funcionam muito bem juntos. Todo mundo que eu conheço é meio louco por eles!

Fale a verdade frente ao poder 

Muitos não levaram o BTS a sério como novos ícones culturais, mas isso mudou em 2018, quando o grupo foi convidado a falar na ONU, onde a mensagem de amor próprio do BTS foi ouvida em alto e bom som em um discurso eloquente e comovente para Campanha Generation Unlimited da UNICEF. “Como a maioria das pessoas, cometi muitos erros na minha vida”, disse RM. “Tenho muitos defeitos e muitos medos, mas vou me abraçar o mais forte que puder e estou começando a me amar, aos poucos. Qual é o seu nome? Fale você mesmo! ”

Esta não foi a primeira vez que eles usaram sua enorme plataforma para aumentar a conscientização. Durante anos, os integrantes doaram individualmente para várias causas, incluindo bem-estar animal, fundos de bolsas de estudo, instituições de caridade para o câncer e campanhas de alimentos. Sua parceria com a UNICEF ​​foi criada, diz Gmin Seo, da equipe de filantropia e parceria corporativa da UNICEF ​​Coréia, “a partir de uma ambição compartilhada por um mundo onde crianças e jovens estejam livres de violência e intimidação. O BTS aumentou a conscientização sobre a campanha #ENDViolence da UNICEF​​[…] em todo o mundo. Tanto pessoalmente quanto por meio de sua música e canais de mídia social, [BTS] tem ajudado os jovens a se abrirem sobre suas próprias experiências de violência, bullying, incentivando o amor e a bondade.

Seu trabalho é global. O grupo contribuiu com US $ 1 milhão para o Black Lives Matter, sendo o valor imediatamente igualado pelo ARMYs. Fãs que fazem arrecadamentos de fundos frequentes e que se reuniram recentemente em torno da campanha #MatchAMillion criada pelo One in an ARMY, levantando $ 1.026.531 em 24 horas.

O BTS também falou aos formandos em isolamento social como parte da Dear Class of 2020, ao lado de Barack Obama, Beyoncé e Lady Gaga. “Se algum de vocês se sentir perdido em face da dúvida ou incerteza, ou a pressão de começar de novo, não se apresse”, disse Jin, suas palavras comoventes em meio às atuais mudanças sociais do mundo. “Permita-se ir com calma. Dê um passo de cada vez.”

Burn The Stage, Break The Silence 

Um fator importante para o sucesso do BTS está em sua capacidade de relacionamento e transparência emocional, que se manteve firme mesmo enquanto ocupava a bolha das superestrelas. Foi capturado desde o início, por meio de vlogs de seu pequeno estúdio nos primeiros anos, por programas de variedades como ‘Run BTS!’, e vídeos de bastidores, conhecidos como ‘Bangtan Bombs’. Uma versão mais polida deste último se tornou a série documental do YouTube de 2018 conhecida como ‘Burn The Stage’, seguida por uma adaptação para o cinema que acabou quebrando, nesse gênero, o recorde de bilheteria dos Estados Unidos anteriormente detido pelo One Direction.

namjoon gifs Tumblr posts - Tumbral.com

Uma terceira série de documental, ‘Break The Silence’, que começou em maio deste ano, mais uma vez nos deixou entrar em suas vidas na estrada, abrindo a cortina em seu show ao vivo deslumbrante, mas também nas incertezas dos integrantes e na enormidade de sua fama que faz qualquer um perder a cabeça. Aqui, eles questionam quem são, como mudaram como pessoas e o que o futuro lhes reserva. Como fãs, o que esperamos dos artistas mudou – ao invés de mistério e excentricidade, pedimos autenticidade e responsabilidade, exigindo isso mesmo quando sua celebridade e riqueza os separaram de todas as pessoas.

Mesmo com os elogios, o BTS usa sua base de fãs e a documentação constante como caixas de ressonância para manter os pés no chão. Em ‘Break The Silence’, RM, foi a um restaurante sofisticado e ficou impressionado com uma parede imponente de vinhos caros, admitindo incrédulo: “Mesmo quando vou ao Grammy, ainda penso: ‘O que estou fazendo aqui ?!‘” É difícil não gostar do maior grupo pop da Terra quando estão rindo, em vez de serem sugados para o absurdo e surrealismo da fama.

Fonte: Vogue UK

Artigos | por em 11/12/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio