Em um mundo que subestima meninas adolescentes, o BTS leva suas fãs a sério

Anúncio

Em um mundo que subestima meninas adolescentes, o BTS leva suas fãs a sério

Lançar um projeto artístico global no meio das divulgações de um álbum provavelmente não é o que você esperava de uma boy band – mas, se você tem prestado atenção, não surpreende que isso venha das super-estrelas sul-coreanas BTS.

jimin #suga #taehyung #v #rapmonster #jin #jhope #jungkook #bts #v ...

Desde os tempos dos Beatles, boy bands e suas fãs têm sido tratados por grande parte da sociedade com uma espécie de espanto para dizer o mínimo, mas, na maioria das vezes, são encarados com desdenho e chacota. Isso pelo menos até serem, como os Beatles, descobertos e adotados pelo mainstream (leia-se: homens) e, portanto, vistos como Artistas Sérios e Legítimos.

Existe uma tendência à misoginia na linguagem usada para falar sobre a fanbase apaixonada e majoritariamente composta por mulheres jovens e meninas de boy bands: “loucas”, “raivosas”, “histéricas”. A falta de respeito por essas fãs frequentemente se transmite aos próprios artistas. No caso do BTS, acrescenta-se ainda a barreira da xenofobia a qual precisam enfrentar constantemente.

Caso você esteja vivendo sob uma pedra, o BTS é composto pelos rappers RM, SUGA e J-Hope e os vocalistas Jin, Jimin, V e JungKook, e eles são o maior grupo pop do mundo no momento.

Em 2019, eles esgotaram os ingressos no Wembley Stadium, durante sua turnê mundial, e se tornaram o primeiro grupo desde os Beatles a conquistar três álbuns no primeiro lugar da Billboard 200 em menos de um ano. Em 2020, após uma semana de lançamento, o álbum Map of the Soul: 7 conquistou o recorde de 3,42 milhões em pré-venda.

Ainda assim, fora do seu fandom (reconhecidamente composto por dezenas de milhões de fãs), conhecido como ARMYs, o grupo é tratado como uma “novidade” com frequência – e isso se sequer receberem a atenção. Quando anunciaram o ambicioso projeto artístico, Connect BTS, em janeiro deste ano, as reações foram mistas. Enquanto muitas foram positivas, também houve certa surpresa e condescendência em muitas das reportagens feitas a respeito.

A BBC descreveu o projeto artístico como “balões e rabiscos”, o que é um jeito bem estranho de se referir a um enorme balão movido a energia solar que viajará de Londres até Seul, e uma nova escultura feita pelo renomado artista Antony Gormley. Concomitantemente, o guia de arte contemporânea Art Rabbit fez um Tweet dizendo que “nunca imaginamos que mencionaríamos (o BTS e artistas) na mesma frase”.

Para o Connect BTS, o grupo se juntou a curadores de todo o mundo que “ressonam com a filosofia do BTS” para apresentar trabalhos de 22 artistas de diversos gêneros – incluindo Gormley, além de Jakob Kudsk Steensen e Ann Veronica Janssens – em cinco cidades.

টুইটারে 휘뚜루마뚜루💃🕺: "CONNECT, BTS #방탄소년단 #BTS ...

Mesmo que a conexão entre tais artistas e o BTS possa não ser imediatamente aparente para quem olha de fora, os fãs do BTS não se surpreenderam: o projeto se alinha muito bem com a tendência do grupo em se interessar pela curiosidade intelectual e filosófica.

Em nível pessoal, através de redes sociais, entrevistas e livestreams, os integrantes – particularmente RM e V – já expressaram sua paixão pela arte diversas vezes. Ao mesmo tempo, seus trabalhos são cheios de alusões à arte, literatura, psicologia, mitologia e muito mais.

Por exemplo, no MV para o solo de SUGA, ‘Interlude: Shadow’, encontram-se diversas homenagens visuais a artistas como Anish Kapoor e Jean-Michel Basquiat. A canção em si, que trata sobre os sentimentos complicados e muitas vezes sombrios associados à fama, abarca o conceito de “sombra” do lendário psicólogo Carl Jung. Tudo isso segue a temática Junguiana abordada no álbum Map of the Soul: Persona, mais especificamente no solo de RM, ‘Intro: Persona’.

Nesse mesmo álbum, a música ‘Dionysus’ – que superficialmente soa como um hino festeiro – usa a mitologia grega para explorar a paixão artística. Os fãs do BTS rapidamente apontam que não é coincidência o fato de que os primeiro seguidores de Dionísio foram as ménades*: jovens mulheres que eram apresentadas como selvagens e enlouquecidas.

Neste sentido, o BTS usa desses conceitos de forma constante não somente para expressar a si mesmos, mas também para demonstrar seu amor e admiração por suas fãs.

Em declaração conjunta sobre o Connect BTS, eles revelaram que o projeto é muito significativo para eles não só por representar diversidade e positividade, mas também porque, com isso, “esperamos devolver o imenso amor e apoio que recebemos dos nossos fãs, ARMYs, e de todo o público”.

O BTS não manda a sua mensagem de maneira paternalista ou tenta ditar como suas fãs devem pensar ou se sentir sobre um trabalho específico. Em vez disso, eles criam projetos inovadores e complexos que permitem à sua fanbase interpretar, analisar e explorar por si mesmos.

Enquanto alguns torcem o nariz tanto para o grupo quanto para as suas fãs, o BTS continua a criar projetos interativos e complexos com muita profundidade, provando mais uma vez que não só são artistas sérios, mas que levam suas fãs a sério também.

N/T: *Também conhecidas como Bacantes, Tíades ou Bassárides, eram ninfas adoradoras do culto de Dionísio (também chamado de Baco na mitologia romana) e, em função disso, eram erroneamente apresentadas como loucas e selvagens, além de desprovidas de raciocínio claro.

Fonte: Metro UK

Artigos | por em 16/04/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio