Jin: “Parece que as minhas memórias dos ARMYs foram todas um sonho”

Anúncio

Jin: “Parece que as minhas memórias dos ARMYs foram todas um sonho”

Jin é calmo e quieto durante toda a entrevista. Mas, apesar de no início suas palavras  parecerem apenas as de uma conversa cotidiana, logo começam a contar a história de um protagonista na complexa obra que é o BTS. 

Você trabalhou na letra de “Stay”.

Jin: A música começa com as palavras, “Foi um sonho?” e eu que sugeri esse tema. Nós costumávamos ver nossos fãs e era incrível, e agora isso é algo que não podemos mais fazer. Eu acho que parece que tudo foi um sonho. Eu queria dizer, “Nós éramos tão felizes juntos, mas agora eu sinto como se até mesmo a existência de vocês fosse um sonho.” Eu escrevi a introdução e depois discuti sobre ela com o RM. Ele realmente me ajudou bastante. 

Acredito que você escreveu essa letra por causa do COVID-19. 

Jin: Faz uns 2 ou 3 meses que eu escrevi a letra para a música, quando parecia que a situação com o COVID-19 não estava melhorando nada. Eu quero fazer um show de novo, e, como eu disse, parece que minhas memórias dos ARMYs não passaram de um sonho: Ah, eles sempre estavam lá com a gente, e depois eles desapareceram como uma lembrança- foi tudo um sonho? Será que nós vamos nos reencontrar? Esses tipos de pensamentos. 

Parece que foi difícil pra você se acostumar com essa nova situação.

Jin: Sim. Isso era uma parte constante de nossa vida, por anos, então parece que uma parte da minha vida desapareceu. Quando tínhamos que lidar com a agenda lotada, às vezes eu pensava que talvez seria legal não ter nenhum trabalho, mas quando esse trabalho sumiu, não importava o que eu fizesse, mesmo que eu desse tudo a ele, tudo perdeu o sentido rapidamente. Eu me senti inseguro quando não tinha nada para fazer, já que eu estava tão acostumado a estar ocupado, e esse sentimento de insegurança me fez pensar mais sobre as coisas que eu gosto e sobre o que eu deveria fazer pra me fazer mais feliz além do trabalho.

Você diria que esses sentimentos foram incorporados no seu trabalho em BE? Só de olhar as fotos do álbum, podemos ver cada um de vocês expressando seus próprios pensamentos no design dos seus quartos.

Jin: O meu foi o quarto da ‘joia’. Eles me perguntaram que tipo de design eu queria para o meu quarto. Eu pensei no que queria fazer, e no fim escolhi pedras preciosas. Eu estava me imaginando deitado com muitas pedras preciosas ao meu redor, mas o V, que era o diretor visual, achou que eu estava brincando no início. (risos) “Era para você decorar o quarto, como assim pedras preciosas?” Mas ainda assim, essa era a imagem que eu tinha na minha mente, então usamos esse tema, embora não estivesse cheio de joias como eu tinha imaginado. No fim, eu fiquei bem evidente na foto, então fiquei satisfeito com o resultado. 

Por que você escolheu pedras preciosas?

Jin: Bom … Eu tenho uma personalidade meio livre, tipo faço-o-que-quero, e na época eu estava bem intrigado com pedras preciosas, então foi isso que escolhi. Esse ano, com a pandemia, eu tive mais tempo para pensar sobre o que eu quero e nas coisas que quero fazer, e experimentar coisas novas, como tocar piano, jogar, não jogar, conhecer gente nova. Mas ainda assim, eu não consigo decifrar exatamente o que eu gosto. Acho que nunca pensei muito sobre mim, a não ser no quesito do trabalho. A melhor resposta que eu achei foi que fazer o que estou interessado no momento; é ser o mais verdadeiro comigo mesmo. Eu sou mais uma pessoa que sente mais do que pensa. As pessoas podem dizer que eu deveria ter um plano para o meu futuro, mas eu não tenho nenhum. (risos) Acho que eu só faço o que quero. 

Então o que quer dizer fazer o que quiser?

Jin: Como eu disse, eu sou literalmente uma pessoa que vive somente no presente, então tenho uma tendência a esquecer o passado, e não me estresso sobre o futuro. Eu sei que não vou esquecer momentos ou épocas importantes que passei com outras pessoas, mas eu esqueci todas as coisas ruins e os tempos difíceis pelos quais eu passei, e estou muito contente com a minha vida agora e feliz de estar trabalhando duro. Como alguém pode se sentir feliz de novo e de novo, com algo que aconteceu no passado, independente do quão bom foi? Você pode ser mais feliz achando 10,000 won na rua hoje do que nas 100 vezes que você achou no passado. Eu acho que estou sendo fiel aos meus sentimentos vivendo no agora, ao invés de pensar sobre o futuro e o passado.

Mesmo que você diga que você faz o que quer, não existem coisas que você precise tomar cuidado, sendo parte do BTS?

Jin: Tem coisas que devem ser seguidas como uma regra, como não cruzar um sinal vermelho, por exemplo. Porque se você fizer isso, pode acontecer um acidente. Então essas coisas são coisas que eu sei que não devo fazer, então nem penso em fazê-las. 

Isso soa mais como auto-disciplina. (risos)

Jin: É o mesmo que não cruzar um sinal vermelho se você não quer se machucar. Eu posso me manter feliz vivendo no presente enquanto eu não fizer nada que eu não deveria estar fazendo.  Algumas pessoas podem se sentir frustradas, mas eles também podem ser o tipo de pessoa que atravessa o sinal vermelho. (risos)

A música “Dis-ease” captura cada um dos pensamentos dos integrantes do BTS sobre trabalho. É difícil para você, em particular, separar o trabalho de sua vida pessoal? Sua vida é influenciada pelo seu trabalho. 

Jin: Para mim, o trabalho faz muitas outras coisas acontecerem na minha vida. Naturalmente há tempos que eu fico estressado com o trabalho, mas o que eu faço me faz muito feliz e me permitiu ter muitas experiências espetaculares. Às vezes é interessante, outras vezes pode ser exaustivo. Eu acho que sinto um espectro inteiro de emoções graças ao meu trabalho. Eu vivo como vivo por causa do meu trabalho, por assim dizer. 

Assim como você, os outros integrantes também expressaram seus sentimentos e o que têm passado em BE. Além de “Stay,” com quais outras músicas você se identifica?

Jin: Eu não pensei sobre qual é a que eu mais me identifico, mas eu posso te dizer qual é a que eu mais gosto: “Blue & Grey,” do V. Eu gostei dessa música desde a primeira vez que ouvi, então acabei ouvindo a demo várias vezes. 

Como era a demo?

Jin: Quando o V fez e me deu, ainda não tinha a parte do rap. Não tinha nenhum verso de rap mas era muito único. Na parte que agora é o rap, só tinha o instrumental , e eu gostava porque parecia que eu tinha que imaginar por mim mesmo. Claro, eu gosto da versão completa com o rap também, mas ainda assim, eu gostava como tinha esse espaço que te fazia pensar. Fazia tempo que eu não sentia isso ouvindo uma demo. A primeira foi “Spring Day,” e a segunda foi “Blue & Grey.”

Parece que você encontrou a música bem quando você precisava de um tempo para pensar. 

Jin: Sim. Antes do nosso debut, eu tinha uma meta bem clara: fazer o debut. Eu me mantive focado nessa meta. Depois do debut, eu estava focando em um hit nº1, e depois que conseguimos esse, minha meta mudou para alcançar prêmios importantes. E depois de tudo isso nós tivemos outros grandes prêmios, como os da Billboard, e performances para fazer, mas não era uma meta como a minha meta do debut. Eu só estava feliz de estar trabalhando. Cada momento é maravilhoso e se tornou minha vida inteira. Não era assim que eu me sentia quando era trainee porque eu tinha uma meta séria naquele tempo. Mas agora, minha meta é viver sem ficar pensando demais sobre nada. Talvez não seja nem uma meta, mas um mecanismo de defesa. 

Um mecanismo de defesa?

Jin: Quando você começa a pensar demais, você pode começar a se depreciar. Então, enquanto eu não pensar muito, consigo trabalhar duro agora. Talvez seja por isso que chamei de mecanismo de defesa: se eu parar pra pensar sobre isso, posso ter muitas maneiras de me colocar para baixo.

Mas imaginando que alguém tenha conquistado as mesmas coisas que você conquistou, essa pessoa não imaginaria que merece se sentir orgulhosa?

Jin: É, isso é verdade, mas eu também sou apenas um dos sete integrantes do BTS. Pensar nas coisas que eu conquistei como uma conquista individual é como um fardo para mim. Até quando terminamos de trabalhar em Map of the Soul: 7, eu não sentia esse peso mas eu sentia tipo, “Ok, todos nós fizemos um ótimo trabalho. Estou feliz com isso.” Mas depois de conseguirmos “Dynamite” no topo do Billboard Hot 100 e começarmos a andar por esse caminho, eu comecei a pensar se eu realmente mereço tudo isso. 

Mas você já teve muitas experiências com coisas grandes antes. O que te fez pensar dessa maneira desta vez?

Jin: Eu fiquei esperando o resultado do Billboard Hot 100 o dia todo, aí logo antes de dormir, o Namjoon mandou uma mensagem no grupo. Foi quando eu percebi que nós éramos número 1! Eu estava muito feliz, mas algo pareceu diferente. Talvez tenha sido porque não podíamos ver nossos fãs. Depois de “Dynamite,” nós conseguimos ainda mais amor de mais gente, e até quando eu estava andando na rua, as pessoas diziam coisas do tipo, “Sou um grande fã seu,” ou, “Obrigado por apresentar a Coreia para o mundo.” Então eu comecei a pensar, “Será que eu mereço todos esses parabéns e esse amor? Esse não sou eu- eu não sou esse tipo de pessoa.” Eu superei isso um pouco, até uns dias atrás, que a pressão foi tão intensa que eu não conseguia trabalhar em nada. 

Como você superou essa pressão?

Jin: Eu segui em frente. Assim como com o COVID-19, todos nós temos que esperar e ficar parados até que as coisas melhorem. E na realidade, depois que “Dynamite” alcançou o número 1, nós ficamos muito ocupados, então eu consegui pensar menos sobre outras coisas e basicamente evitá-las desse jeito, todas essas perguntas sobre a vida. Eu acho que foi assim que aguentei.

Se tivesse os fãs com você, talvez você sentiria menos pressão e preocupação. Talvez pareça que o que você está fazendo agora está incompleto comparado com o que fazia no passado. 

Jin: Nós fizemos tantas coisas e trabalhamos tão duro, mas o resultado não tem a mesma sensação, sabe? O- entusiasmo, talvez?- não está lá exatamente. Tem uma grande diferença entre fazer um show para pessoas e fazer um em frente de uma câmera. A performance em si é difícil também, claro. Eu tenho que praticar por meses quando começamos. Mas quando nos apresentamos para pessoas, eu me sinto vivo.

 Talvez se vocês pudessem ter apresentado “Dynamite” no palco para os seus fãs, vocês provavelmente teriam sentido mais o amor e você teria mais confiança em conseguir alcançar o Nº1. 

Jin: Eu quero estar com a minha melhor aparência e fazer o melhor possível na frente dos ARMYs não importa o que aconteça. É muito mais divertido quando eles estão lá na nossa frente. Eu não penso em mais nada quando eles estão com a gente. Para pessoas que não fazem shows como os nossos, quando eles se divertem, eles não pensam em mais nada, só focam no que estão fazendo naquele momento. Eu acho que é do mesmo jeito quando a gente está com os ARMYs. Eu não tenho que pensar em mais nada, porque meus fãs estão bem na minha frente. Eu só me divirto e não penso em mais nada. 

 Tomara que você sinta que tudo voltou ao normal quando puder ver seus fãs novamente. 

Jin: Antes eu achei que eu fosse chorar lágrimas de alegria. Mas será que eu choraria mesmo? Eu não acho. De verdade, eu achei que iria, mas agora eu acho que vai ser como voltar para casa. Depende para quem você perguntar, mas não acho que a maioria das pessoas chorariam voltando para sua cidade natal depois de estar longe por um tempo. Eu acho que é assim que eu vou me sentir: eu estou de volta onde eu deveria estar.

Falando com você, parece que a sensação de ser amada por seus fãs é muito importante para você, emocionalmente. 

Jin: Você está certo. Receber o amor dos ARMYs era minha fonte de felicidade- com o que eu posso comparar isso? É como uma criança que sempre foi regada com amor por seus pais, mas os pais viajam para uma viagem de negócios por tipo, 10 meses. É tipo isso. Eu estava sempre tentando fazer nossos fãs sorrirem, fazê-los se sentir bem, fazendo graça, mas agora meus pais estão na sua viagem de negócios já faz tipo, 10 meses, e eu estou tentando ser fofo por chamada de vídeo. É assim que eu me sinto. Então por favor, voltem logo da sua viagem de negócios o mais rápido possível e voltem logo pra casa para que eu possa mostrar para vocês como eu sou fofo de novo! E para o COVID-19: por favor, dê o fora. (risos)

Fonte: Weverse Magazine

Entrevistas | por em 29/11/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio