JungKook: “Eu espero que esse sentimento nunca desapareça”

Anúncio

JungKook: “Eu espero que esse sentimento nunca desapareça”

Eu tive a chance de entrevistar o BTS antes, quando eles fizeram o debut. Durante aquela entrevista, o JungKook tinha uma pequena mania; quando eu o vi novamente um tempo depois, ele a havia corrigido. Ele faz um constante esforço de mudar a si mesmo. E depois de sete anos, eu encontrei JungKook novamente.

Você dirigiu o MV para “Life Goes On,” a faixa título de BE.

JungKook: Eu estava muito animado para dirigir o MV desde o início. Meu plano era organizar a sinopse, discutir com o outro diretor com quem eu estava trabalhando, filmar e editar, mas nós tínhamos pouco tempo. Então eu trabalhei no vídeo enquanto trocava ideias com o diretor. Originalmente tínhamos muitas cenas com dublagem, mas tiramos essas e colocamos mais cenas que demonstravam melhor as emoções de todos os integrantes. Não foi fácil combinar as cenas, mas acho que agora eu sei mais sobre o quanto um pouco de tudo é necessário para gravar um MV.

Você já tinha gravado os Golden Closet Films e postado no canal do YouTube do BTS, e agora você gravou um MV.

JungKook: Quando chegamos no local de gravação, nós já tínhamos direções para tudo que precisávamos para gravar preparados com antecedência, então eu filmei cenas espontâneas dos integrantes aqui e ali durante a gravação. Nós estávamos filmando em um lugar lindo, então quando eles me pediram para tirar fotos deles da maneira como eles queriam se apresentar, eu tirei. 

Que tipos de fotos você tirou de si mesmo?

JungKook: Eu só estava nelas. (risos) Eu também não apareço nas cenas dos Golden Closet Films. Eu meio que fico no fundo. O diretor teve que filmar minhas partes para o MV, já que eu não podia fazer isso sozinho, então eu relaxei um pouco. Eu tentei fazer os outros integrantes ficarem bem bonitos quando eu os filmei. Como era um vídeo do BTS e não só meu, eu queria demonstrar o que estava acontecendo com cada integrante e com o grupo em si, não só os pensamentos de uma pessoa. Cada um que assista o vídeo pode sentir algo diferente, mas eu queria demonstrar que nós sentimos o que outras pessoas sentem, que estamos na mesma situação. 

Você gosta muito de tirar fotos, mas não liga muito pras fotos que você aparece.

JungKook: Eu nunca gostei muito de aparecer em fotos. (risos) E eu geralmente estou com os outros quando estamos trabalhando, claro, mas é difícil pegar uma câmera e tirar selfies. Então eu tiro fotos e faço vídeos dos outros integrantes sempre que posso.

Você ainda acha difícil posar para uma foto?

JungKook: Eu faço o melhor que eu consigo quando é para algo que preciso fazer, tipo para photobooks, mas ainda assim não é fácil. Mas os vídeos são mais tranquilos. E mesmo que eu não fique nervoso quando canto em frente a dezenas de milhares de pessoas, se eu tenho que cantar ou falar em um grupo pequeno de pessoas, eu fico super nervoso. Eu nunca me sinto assim no palco, mas talvez eu tenha dificuldade em fazer coisas que são um pouco estranhas pra mim. 

Parece que você faz uma distinção entre trabalho que você curte e trabalho que você acha difícil. 

JungKook: Quando é trabalho relacionado a música, como gravar, compor, escrever letras, filmar os MVs e coisas assim, é tudo bem. Mas qualquer coisa fora dessas É provavelmente um desafio para mim.

Em BE, cada um de vocês explicou seus sentimentos sobre trabalho na música “Dis-ease.” Você deve ter passado por um ciclo de experiências agradáveis e difíceis relacionadas ao trabalho nesses últimos 7 anos, então como você superou esses momentos?

JungKook: Na verdade, eu entendo bem meus próprios problemas, então na maioria das vezes está tudo bem. Posso resolver as coisas uma de cada vez por meio da experiência, ao invés de apenas procurar respostas. Estou sempre crescendo e minha personalidade muda dependendo do meu ambiente. Acho que aprendi a fazer coisas que costumava achar difíceis experimentando pouco a pouco.

Por falar em crescimento, “Skit” foi muito memorável. Vocês gravaram um dia depois que “Dynamite” alcançou nº 1 no Billboard Hot 100. No “Skit” do seu álbum de debut, vocês falaram sobre o que fizeram antes de se tornarem trainees, e desta vez falaram sobre ser o primeiro lugar no Hot 100.

JungKook: Quando eu era trainee, eu via os integrantes mais velhos e pensava, “Uau, eles são tão legais!” Mas agora, depois de passar todos os dias juntos, eu esqueci tudo isso. (risos) Às vezes eu vejo letras que eles escreveram, vejo eles dançando e ouvindo as coisas que falam no palco, eu penso, “Ah, é verdade. Esse é o tipo de pessoa que eles são. Eles são bem diferentes agora.” Sabe, como você não sente pela sua família se você mora com ela, mas se não os ver por muito tempo você fica com saudade. Pode até chorar. Nós somos uma família de verdade. Tipo, real!

Na sua família “tipo, real” (risos) cada um colocou suas próprias músicas em BE e escolheu subunits espontaneamente. Como foi fazer o álbum desse jeito?

JungKook: Nós conversamos com a agência sobre a ideia geral do álbum e organizamos nossas ideias juntos. Esse foi o nosso processo de fazer as músicas. Depois nós as ouvíamos juntos, e se nós achássemos que não estavam ótimas, voltávamos para trabalhar nelas mais um pouco. Os integrantes se juntavam e diziam “Ei, que tal se você e você fizerem uma subunit dessa vez?” ou, “Sobre o que deveria ser essa?” e a gente compartilhou muitas ideias desse jeito. 

Como os outros responderam à sua música, “Stay”?

JungKook: A princípio era pra essa música ser da minha mixtape. Nós planejamos colocar uma música diferente no álbum, mas depois que o V ouviu, ele disse, “Essa música que o JungKook escreveu é muito boa,” e aí todos os outros ouviram, disseram que era melhor do que a outra, e de algum jeito (risos) “Stay” entrou no álbum. A mensagem da outra música também era, “Mesmo que estejamos longe, fique bem onde você está.” Eu escrevi a minha música com o mesmo tema e eu amei que ela foi incluída em BE. No início eu queria falar sobre como nós estamos sempre juntos, usando a palavra em inglês “wherever” (não importa onde). Eu queria expressar que estamos juntos não importa onde estamos, mas o Namjoon ouviu e achou que “Stay” (fique) era melhor. Eu gostei da sugestão dele, então mudei. Ele me ajudou muito a organizar meus pensamentos, porque nem sempre eu sou bom em me expressar por escrito. 

Pode-se dizer que a letra é muito triste, mas o som tem um arranjo de EDM.

JungKook: Nós imaginamos que estávamos no show nos apresentando para os ARMYs enquanto fazíamos, pulando com eles. 

Parece que você está com muita saudade dos ARMYs. 

JungKook: Esse álbum realmente mexeu com a gente de um jeito diferente, por causa da situação do jeito que está. Porque o mundo está lutando contra a COVID-19, nós temos que manter nossas cabeças erguidas e passar a nossa mensagem para os fãs. 

O que os seus fãs podem esperar de vocês quando finalmente se encontrarem novamente?

JungKook: Não tem nada específico, mas quando assistimos nossas performances antigas, minhas expressões faciais eram estranhas e meus movimentos de dança não eram sempre perfeitos. Eu continuo trabalhando em melhorar, então eu espero que quando os ARMYs me vejam, eles achem que minha performance está incrível e que minha aura preenche o palco.

Você está feliz com como saiu nas fotos no último trabalho de vocês?

JungKook: Eu não estou 100% satisfeito, não. Quando nós apresentamos “Dynamite” recentemente, eu ficava vendo minhas imperfeições. 

Sua atuação no início de “Dynamite” foi realmente muito impressionante. Mesmo nessa época de COVID-19, você conseguiu passar um sensação de vivacidade e de ser descolado, tipo explicando o tema da música.

JungKook: Na verdade, no primeiro dia de filmagem do MV, era para eu filmar as minhas partes primeiro, mas eu estava indo tão mal que eu tive que ser colocado como o último. Assim eu fiquei mais relaxado quando começaram a filmar. 

Ah, então é assim que você fica quando está relaxado! (risos)

JungKook: Sim, eu relaxei, e alguma coisa dentro de mim fez “pop!” e “boom!”, e aí eu fiz o que eu queria. (risos)

É fascinante que alguém que faz performances como você faz nas turnês de estádio possa se sentir nervoso quando está filmando, e ainda assim ir tão bem.

JungKook: Eu posso ser uma pessoa tímida. Quando as pessoas me pediam para cantar, eu nem sempre conseguia- tipo em frente de adultos ou professores. Eu ainda sou um pouco assim. Se eu começar a pensar “Ah, eu não consigo fazer isso,” aí eu acabo realmente não conseguindo fazer. Mesmo se eu fosse fazer aquilo bem. 

Por que você acha que isso acontece?

JungKook: Eu sinto a mesma coisa sobre dançar e cantar, e eu também não consigo escrever uma melodia muito boa. Eu sinto como se eu estivesse sempre no meio. Mas aí eu penso que eu também tenho meus próprios talentos, então eu gosto de me abrir para as pessoas calmamente, e deixá-los saber que tipo de pessoa eu sou. É, tipo isso. (risos)

Mas, quando vocês revisam suas músicas e performances objetivamente, todos vocês veem as suas mudanças, não é? 

JungKook: Tem muita mudança. Minha voz mudou muito; eu fiquei bem mais alto e minha figura e minha estrutura facial mudou, também. Eu sabia o quão estranho eu parecia no início, mas depois de um tempo, eu pensei: “Meus gestos são melhores agora, mas eu sinto que minha dança é muito rígida”. E novamente depois de um tempo, “Agora minha dança está boa e meus gestos estão bons, mas estou fazendo expressões faciais estranhas.” E depois, eu digo: “Agora eu consegui controlar as expressões faciais, mas, hmm, não tem um killer move” (risos) Foi assim que mudei lentamente. E então minhas ações, pensamentos, sonhos, metas, o que eu valorizo, o que quero fazer – todas essas coisas mudarão dependendo da situação.

Você teve algumas mudanças em BE, também. Ao longo de “Life Goes On,” você carrega sua voz e o tom por toda a música, como se estivesse fluindo. 

JungKook: Certo. Eu acho que isso é muito importante.  Meu sentimento geral era que minha voz deveria estar permeando a música, ao invés de acentuar minha voz individual. A letra diz que o mundo parou, mas eu não posso continuar triste, e a vida continua e flui. Eu queria misturar um pouco das minhas próprias cores naquela tristeza sutil e complexa. Eu ouvi como os outros integrantes gravaram suas partes para a música e cantei pensando em como poderia fazer de uma maneira que tudo se misturasse bem. Continuei mudando minha voz, explorando como torná-la melhor, mais limpa. Continuei tentando coisas novas enquanto gravava, tocava e praticava.

Olhando para trás depois de toda essa mudança, você não sente como se tivesse conquistado muito?

JungKook: Eu não presto muita atenção nas coisas que já aconteceram. Eu penso mais no que ‘é’ e coisas que eu preciso agora, então eu raramente penso, “Eu melhorei muito do que eu era,” ou, “Eu fiz um bom trabalho.”

Você parece insaciável, de um jeito bom.

JungKook: Sim. É assim que eu quero continuar vivendo, e eu espero que esse sentimento nunca desapareça.

Você conquistou um sucesso imenso com o BTS. O que te faz querer continuar fazendo mais e continuar melhorando a si mesmo?

JungKook: Eu quero mostrar às pessoas quem eu sou: como eu falo, como eu ajo, como eu canto e assim em diante. E depois disso, eu quero ser conhecido por fazer o que eu gosto, e que as pessoas possam me ver e achar que eu sou um cara legal. Eu quero fazer essas coisas um passo de cada vez. Eu quero ser valorizado como JungKook, como o ‘eu’ de verdade.

O que você acha que é a fonte dessa energia – a energia para continuar melhorando, mesmo depois de ter alcançado tanto com o BTS?

JungKook: Eu acho que é o meu coração me dizendo para continuar. O BTS conseguiu chegar tão alto graças aos integrantes do grupo, à empresa e aos nossos fãs. Mas sempre há a questão de saber se eu poderia receber esse tipo de reconhecimento por mim mesmo, então tenho essa sensação de querer me lançar a um desafio sozinho. Há muito que quero fazer e muito quero alcançar.

Ao melhorar a si mesmo gradualmente, que tipo de pessoa você gostaria de se tornar?

JungKook: Uma pessoa que é super incrível no que faz. (risos) Esses tipos de pessoas parecem legais até quando estão fazendo algo diferente. Eu ainda tenho um longo caminho a percorrer. Eu sinto que poderia ser mais cativante e atrair mais as pessoas se eu conseguir melhorar em uma série de coisas, me esforçando para ser confiante em minha voz ou na maneira como danço e me apresento. O BTS é muito mais importante e significativo para mim do que eu sou para mim mesmo, então não estou dizendo que quero fazer nada sozinho. Mas espero chegar ao ponto em que possa me apresentar sozinho por três ou quatro horas em um local cheio de pessoas.

Está claro que seu trabalho, música, é muito importante para você.

JungKook: A música sempre estará comigo. É isso o que eu sempre penso. Eu tenho que mantê-la perto de mim, mesmo que eu esteja entediado, ou que eu não queira ouvir, ou se eu sentir que é um incômodo. Eu quero continuar fazendo música. Pode ser um caminho longo, mas eu quero provar a mim mesmo com minha música. 

Há algum tempo, você disse que a sua personalidade (MBTI) é ISFP, então eu procurei sobre isso. Obviamente, MBTI não pode resumir uma pessoa perfeitamente, mas lá diz que os ISFPs costumam ser “artistas curiosos.” A sua resposta me lembra disso.

JungKook: É isso mesmo. Eu também procurei os traços de personalidade do ISFP também, e era interessante. (risos)

Talvez seja por isso que você estabelece seus objetivos tão altos.Parece que você tem padrões altos e quer continuar crescendo.

JungKook: É tipo o topo de uma montanha com muita neblina. (risos) Eu não consigo nem ver ainda. 

Você está escalando faz sete anos, se mantendo curioso. Há alguma coisa que você gostaria de dizer para as pessoas que te assistiram durante todo esse tempo?

JungKook: Umm… Bom, tem sete de nós, e continuamos correndo em frente. Então é possível que a gente fique cansados, um por um, e sair, certo? Mas se mais pessoas se juntarem a nós, um por um, e correrem com a gente, podemos nos apoiar e levantar um ao outro caso um de nós caia. É assim que eu me sinto. Há pessoas que nos apoiaram desde o início e nos assistem desde então, e por causa dessas pessoas temos mais e mais seguidores, e eles nos motivam a continuar. Então a única coisa que posso dizer é – obrigado. Nós não éramos nada demais, sério (risos) mas eles continuam nos apoiando e gostando de nós, e a melhor maneira como podemos retribuir é dar a eles o nosso melhor através da música e de nossas performances. Eles me motivam a trabalhar duro, mesmo nas coisas que eu acho difícil. (risos) Sou eternamente grato.

Assim como no último verso de “Stay.”

JungKook: “Nós estamos juntos.”

Fonte: Weverse Magazine

Entrevistas | por em 30/11/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio