RM explicou todas as músicas de ‘Map of the Soul: Persona’ para nós!

Anúncio

RM explicou todas as músicas de ‘Map of the Soul: Persona’ para nós!

No dia 23 de abril, RM fez uma transmissão ao vivo para conversar com os fãs sobre o mais recente mini álbum do grupo, Map of the Soul: Persona, que não para de quebrar recordes: já conquistou as maiores vendas no Hanteo, com mais de 2.1 milhões de cópias vendidas, além do posto de álbum nº 1 no Reino Unido, e, é claro, foi o terceiro álbum do grupo a atingir o topo da Billboard 200. Cumprindo com sua tradição comentar sobre cada lançamento do grupo, o líder compartilhou seus pensamentos sobre esse comeback.

RM disse que ele foi praticamente um robô de composições, escrevendo muito mais letras de músicas para esse álbum comparado aos anteriores. “Escrevi 80 a 90% das letras, excluindo as partes de rap do SUGA e J-Hope”, ele explicou, também comentando que trabalhar na sua intro “Persona” foi um pouco cansativo, mas que ficou feliz com o resultado.

O idol continuou a falar sobre a origem do conceito Map of the Soul: Persona, o primeiro álbum de uma nova série. RM relatou, “Para mim, a ‘persona’ é uma máscara que usamos na sociedade. Uma máscara pode ser algo bom ou ruim, mas é algo que você precisa quando vive numa sociedade. Minha ‘persona’ é o RM”.

Ele ainda admitiu, “Pensava que era hora de nós falarmos sobre as pequenas coisas da vida, ao invés de assuntos grandiosos. Parece que havia muito no nosso prato e não conseguíamos mais lidar com isso, então pensei que poderíamos falar sobre as coisas pequenas. Quando conversei com Bang Sihyuk, falei para ele que queria voltar um pouco no tempo”.

Outra parte importante de “Persona” são os ARMYs, disse RM. “Quando pensei em falar sobre tudo que ganhei, as máscaras, as sombras, as coisas boas, era esperado que eu falasse sobre os ARMYs. Fora a faixa de introdução e a música final “Dionysus”, todas as músicas parecem uma dedicatória, uma serenata, uma confissão para vocês. Enquanto trabalhava nas músicas, consegui escrever francamente o que sentia. Fui capaz de expressar minha gratidão às pessoas que fizeram quem sou até agora. Estou feliz que tudo parece ter corrido bem”.

RM notou que muitas pessoas não prestam atenção às letras das músicas atualmente, e ele procurou ir contra isso, porque “Numa era em que a melodia e a vibe da música é o que mais importa, sou alguém que já quis ser um poeta e escritor, então prefiro focar na percepção auditiva e na beleza da linguagem através das letras. Se quero apresentar músicas para meus fãs, as letras devem ser importantes, não é mesmo? Enquanto as escrevia, me senti pressionado, mas ao mesmo tempo feliz. Ficarei grato se vocês prestarem atenção nas letras enquanto escutam ao álbum. Acredito que essas letras são mais relevantes do que o normal para os nossos álbuns”.

RM então partiu para os comentários sobre cada uma das sete músicas do álbum. Sobre “Persona”, disse que “Foi minha primeira intro solo em cinco anos, então me senti muito pressionado. Reescrevi as letras algumas vezes. ‘mono.’ teve uma sensação mais tranquila, calma, então queria muito voltar ao estilo mais louco que sempre gostei. Enquanto filmávamos o MV, sugeri várias mudanças nas gravações.”

Ele também revelou que gravou a música cinco vezes, mas acabou usando sua primeira gravação. “Se eu apresentar essa música ao vivo quero fazer isso de um jeito bem legal. Depois que o MV saiu, Tablo e Gaeko me mandaram mensagens no KakaoTalk dizendo que ficaram inspirados e acharam muito bom. Fiquei muito agradecido, e pensei que realmente ficou ótimo”.

A próxima música é “Boy With Luv”, que RM queria que fosse chamada pelo seu título em coreano, que traduz literalmente para “um poema para as pequenas coisas”. Ao mesmo tempo, ele falou que no fim preferiu os dois títulos presentes para expressar o significado completo da música.

“Foi refrescante adicionar a voz da Halsey”, ele comentou. “Eu escutei a versão final no pendrive, e estava muito boa”. RM admitiu que teve dificuldades para combinar as letras com a melodia, mas que hoje está satisfeito.

A terceira faixa é “Mikrokosmos”, que também foi alvo de debates sobre seu título. Alguns integrantes do grupo queriam que fosse adicionado a tradução em coreano (algo como “mini-universo”). O líder ainda sugeriu que, logo antes de “You got me”, os fãs cantem “Hey!”, já que ele gostava muito da versão da música que tinha essa parte, porém não sobreviveu ao arranjo final.

A próxima música é “Make It Right”, que foi co-escrita com Ed Sheeran, e RM descreveu a canção como perfeita para se ouvir enquanto se está dirigindo. Ele explicou que “Como compositor, Ed Sheeran nos pediu para manter a parte que começa com “I could make it better, I could hold you tighter”. Agora que a música já saiu, acho que foi uma boa escolha manter essas partes em inglês. RM disse que enquanto trabalhava na letra, imaginou um caubói solitário que ao fim de sua jornada não receberia boas-vindas. “A música quase foi uma faixa só dos vocalistas, mas Ed disse que queria todos nós nela, como em ‘Spring Day’, então adicionamos o rap”, disse RM.

A quinta música é “HOME”, e inclui muitos vocais do RM, que quis integrar as partes dos vocalistas e rappers. Ele ainda explicou que todas as músicas do mini-álbum funcionam como um conjunto, e que a ordem delas foi proposital.

O idol resumiu a primeira metade da obra dessa forma: “Uma pessoa que começa a se preocupar demais com sua ‘Persona’ e percebe que devia focar nas coisas triviais da vida e no amor, que formam seu próprio mini-universo, o ‘Mikrokosmos’. Mas esse mini-universo não é suficiente, então se percebe no fim que ‘minha casa não é minha casa. Minha casa é o mini-universo onde você existe’, fechando esse ciclo. É sobre isso que eu penso”.

“Jamais Vu” é a penúltima faixa, gravada por J-Hope, Jin e JungKook. “Essa é a música mais triste do álbum. Eu fiquei muito emocionado quando escutei a primeira versão. Ela não tem a minha voz, mas como escrevi as letras fico triste sempre que escuto a música”. Ele explicou que o tema da canção é sobre um jogo, sendo os versos sobre algo que acontece dentro de um jogo. Ele explicou, “Pensei sobre um jogo em que, quando você morre, você perde seus pertences e seu equipamento e precisa continuar de novo. Tentei passar a sensação de perda e vazio que sentia quando jogo”.

“Essa foi uma combinação tão inesperada”, ele disse, e comentou acreditar que ela tenha funcionado muito bem. “Foi a música que o grupo mais gostou antes de ser lançada. É uma música que gosto bastante”.

O mini-álbum se encerra com “Dionysus”, a última música a ser composta, e apresentou dificuldades para o líder na sua fase de composição. Ele até desejou que outra pessoa assumisse essa tarefa, mas se esforçou para terminar de escrever, elogiando o trabalho de J-Hope na música e descrevendo o rap de SUGA como arte. “Os vocalistas também foram muito bem, é uma música que me fez perceber como melhoramos em nossas habilidades”, ele finalizou.

RM encerrou a transmissão, agradecendo aos fãs por ouvirem o álbum e conquistarem do oitavo lugar do BTS na Billboard Hot 100 pela primeira vez.

Fonte: Soompi

Artigos | por em 24/04/2019
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio