Side B: BTS encontra força na vulnerabilidade

Anúncio

Side B: BTS encontra força na vulnerabilidade

Neste mês, o BTS comemora seu quinto aniversário. Os últimos cinco anos trouxeram um mar de mudanças para o grupo, da mesma forma que mostrou a evolução da sua música. Entre as transformações, no entanto, algo permanece constante: seu compromisso em contar suas histórias através das canções.

Analisando sua discografia, parece que é nas B-sides mais vulneráveis e honestas onde está o lado mais humano e cativante do BTS. Essas faixas encontram-se em cruzamentos de contrastes, delineando os sonhos e dificuldades do grupo, bem como suas esperanças e medos, através de uma produção evocativa, a qual favorece letras sinceras.

 

 

Abrindo The Most Beautiful Moment in Life Part.1 de maneira marcante, “Intro: The Most Beautiful Moment in Life” conta com uma produção de tirar o fôlego, a qual evoca uma solitude intensa – um sentimento que, frequentemente, caracteriza as canções de Suga. A música inicia curiosamente, como se estivesse terminando ao invés de começando, com um sintetizador que plana nostalgica e melancolicamente, como raios de sol no fim de tarde atravessando cortinas que se movem com o vento. Isso é pontuado por respirações leves e irregulares, um motivo aural recorrente durante a canção. A esfera sonora sombria e desoladora ilustra como o caminho de Suga em direção ao seu sonho, carregado de circunstâncias hostis, parece estar terminando antes mesmo de começar. Uma batida abafada, acompanhada do ruído de passos emborrachados em uma quadra, entra junto ao rap de Suga. É o som da batida de uma bola de basquete no chão, como também da de seu coração, com adrenalina ou terror. Suga cospe seus amargos medos sobre sua decisão de ir atrás de seu sonho:

 

Minhas notas estão no chão mas

Eu prefiro fazer isto

Mas na verdade o mundo me dá medo

Ao invés da bola, eu jogo meu futuro

O horóscopo que os outros pintam

Desqualificado pelos critérios de sucesso

Graças a (estas) preocupações se espalha como câncer

 

Toda a vez que existe uma faísca de esperança, ela é inundada por uma corrente de inseguranças. Mesmo com todas as dúvidas expressadas, as letras são proferidas sem pausa. Pode conter hesitação, mas não há paradas nessa jornada à beirada de um sonho que parece impossível, mas ainda sim é almejado. De encontro à batida contínua, o rap de Suga chega a um momento de questionamento: “Eu estou feliz agora?”

“Essa resposta já está estabelecida”, Suga compreende, e o som abafado para ao passo que ele revela o entendimento. A entrega desta última linha é engenhosa, porque ele brinca com a estrutura da linguagem para criar uma tensão. Em coreano, o principal verbo, “feliz”, tem de ser conjugado com um verbo auxiliar, “sou” ou “não sou”, para determinar seu significado. Por pausar logo antes da conjugação do verbo principal, Suga deixa o ouvinte no mistério sobre ser ou não ser feliz, aumentando a angústia sobre a declaração que logo faz: “Eu sou feliz”.

A canção é um drama de catarse: Suga tem que proferir todos os medos que o consomem por dentro antes de poder ver o sentimento instintivo que permanece. O sintetizador deslizante retorna; o sol está se pondo na quadra, e o dia está chegando ao fim. A percepção de Suga é uma lembrança de que o fim sempre vem com um começo: sua manhã o espera.

 

 

“Intro” provou-se estranhamente presciente; The Most Beautiful Moment in Life Part.1 tornou-se a grande oportunidade que o BTS vinha trabalhando para conseguir. No período em que lançavam a segunda parte da série com The Most Beautiful Moment in Life Part.2, eles estavam numa escalada confusa a alturas nas quais eles tinham posto seus objetivos, mas não sonhavam alcançar tão cedo. Parecia apenas normal que o episódio final da série, The Most Beautiful Moment in Life: Young Forever, deveria celebrar suas conquistas.

Mesmo neste ponto alto eufórico de suas carreiras, eles apresentaram “Epilogue: Young Forever” extraordinariamente, confessando seus medos na transição de seu sucesso:

Quando o calor do show vai embora

Eu deixo assentos vazios para trás

O enorme aplauso, eu não posso tê-lo para sempre

 

A atmosfera sonora é, como em “Intro”, profundamente evocativa no que diz respeito à imagem sensorial que cria. Ela abre com sintetizadores ecoando gentilmente e um brilho distante como uma estrela cadente cortando o céu à noite. Uma batida que cai como gotas de suor entra junto ao verso de RM; ela também soa como um batimento cardíaco desacelerando após uma injeção de adrenalina de performances.

As reverberações conduzidas junto aos versos de Suga trazem à mente o palco vazio ao qual ele se refere. A imagem é reforçada pelo eco das últimas palavras em cada linha de seu segundo verso e do primeiro de J-Hope. O efeito de auditório desocupado forma um paralelo ao vazio emocional expressado por eles. A medida que os versos de J-Hope alcançam o tema central, batidas rápidas e de percussão acentuam cada sílaba, mas, de repente, o instrumental desaparece, expondo uma simples e comovente confissão sobre a verdade: “Eu quero permanecer jovem para sempre”.

Um refrão com um sentimento de hino surge, mas com cada repetição, o instrumental some camada por camada. O refrão final se assemelha a uma canção de rodas de fogueira de acampamentos cantada na noite anterior à partida, com um ar agridoce. Alguns momentos você já enxerga como uma memória, mesmo que eles ainda estejam acontecendo; esse é o efeito escolhido pela produção para ser evocado. A canção pode ser vulnerável, empolgante, triste e bonita.

O tema de “Young Forever” – a transição do sucesso – é um ao qual o BTS retornaria quando sua trajetória como artistas alcançara um nível que eles nunca poderiam ter imaginado quando debutaram. No encalço da sua conquista do prêmio Top Social Artist no Billboard Music Awards em 2017, Love Yourself: Her é um álbum divertido e animado, sinalizando o começo de uma nova trilogia. Acolhida entre a aura otimista está “Sea”, uma canção lançada como uma faixa escondida no álbum físico, porque ela expressa suas preocupações que, como o BTS acredita, os fãs entenderão melhor que ninguém.

Dentro da cena K-Pop, histórias sobre adversidades, frequentemente, são contadas por um ponto de vista encorajador, seguindo o padrão de “Foi difícil, mas agora estamos felizes”. “Sea” leva embora a ilusão de que, com o sucesso, tudo toma seu lugar e as dificuldades chegam ao fim. Ela expõe o quão competitiva e inconstante é a indústria através de uma metáfora sobre paisagens naturais contrastantes:

Eu quero ter o mar, eu te bebi rapidamente

Mas eu estou com mais cedo que antes

Tudo que eu conheço é o mar de verdade

Ou é um deserto azul

 

A canção inicia com o som de ondas, porém logo evade-se, sendo substituída por um motivo tranquilo na guitarra, lembrando a paisagem infértil de um deserto. Um chocalho distante junto aos vocais de Jungkook cria a imagem de uma cascavel. Os instrumentais são calmos, mas a sua uniformidade produz uma inquietação quando contrastada com a mistura de incertezas dos versos cantados.

O refrão mostra-se com resignação persistente. A letra conta com uma reviravolta à retórica comum de obtenção de recompensas após a superação de obstáculos, enfatizando “Onde há esperança, há dificuldades”. Uma batida contínua inserida na segunda parte do refrão constrói um momentum, prometendo um som mais otimista, mas desaparece antes do último verso. O instrumental volta ao motivo anterior quieto e perturbador da guitarra, ressaltando como o BTS teme que seu sucesso seja realmente uma miragem desértica que continua a retornar. Os aspectos musicais e a letra de “Sea” expressam de forma franca o lado vulnerável do grupo, sem tentar transformá-lo em algo mais esperançoso ou inspiracional.

Outras faixas encontram um equilíbrio entre a expressão de sentimentos específicos do BTS e uma abertura a interpretações diferentes aos ouvintes, permitindo que estes possam compreender da sua própria maneira. O solo de Jin em Wings, “Awake”, exterioriza as lutas que ele enfrenta como um membro escolhido, primeiramente, para o papel de visual do grupo. A letra conta sobre a percepção dolorosa de sua inadequação em contraste aos talentos dos outros membros, mas revela, também, a sua determinação em nunca parar de tentar. É a sua história, mas o sentimento pode ser compartilhado por qualquer um que já se sentiu insuficiente mesmo ao dar o seu melhor.

Um ornamento melódico de cordas abre a canção, com glissandos que lembram o Swing de 1930. O efeito é teatral, no entanto há uma mudança surpresa a um instrumental de piano que permite a voz sincera do Jin tomar o lugar central. Os versos são pensativos, como um monólogo interpretado em um teatro com um cenário simples, quadrado, de paredes e chão pretos. Não há sinos nem assobios no instrumental; a produção não chama atenção para si, mas sim apoia os altos e baixos dos vocais de Jin ao longo da sua história.

Através de tremolos expressivos nos versos de abertura e glissandos concluindo cada linha do pré-refrão como um suspiro, Jin revela suas incertezas quanto às suas limitações. Entretanto, ao mesmo tempo, sua elocução estável e bem sustentada da melodia demonstra como ele começou lentamente a transcender suas limitações.

2018 acompanhou novos recordes e incursões do BTS no cenário musical norte-americano. O grupo combinou esses passos com um movimento introspectivo em Love Yourself: Tear, buscando alguns de seus medos mais profundos nos cantos de seus corações. Vindo do mesmo produtor que canalizou uma idealização diferenciada no remix de “Mic Drop”, o som simples e sem excessos de “The Truth Untold” é um choque visceral, um abalo atordoante de vulnerabilidade.

A maturidade do BTS como liricistas é evidente na maneira em que a canção expressa um medo muito específico mas ainda permanece aberta a outras interpretações. Para o grupo, poderia ser o sentimento perturbante de que eles não estão mostrando aos fãs tudo o que são, mas na verdade apenas seus melhores lados. Esta é uma brecha que pesa a eles, considerando que um de seus objetivos como artistas é a conexão com seus ouvintes como pessoas, humanas e com defeitos, e não ídolos perfeitos.

No começo de seu documentário recente, Burn the Stage, Suga observa, “Eles acham que mostramos nossas vidas sem filtrar nada, mas escondemos muitas coisas”. RM complementa, “Eu na verdade… tenho outros lados como pessoa. Mas se eu permitir que eles vejam… eles podem não gostar de mim”. Esse medo ganha corpo em “The Truth Untold”:

Tenho que me esconder

Porque sou feio

 

Eu tenho medo

Eu sou patético

Eu tenho muito medo

Caso você também me deixe no final

Mais uma vez eu ponho uma máscara e vou te encontrar

 

Para alguns ouvintes, no entanto, a canção captura as lutas de se viver com depressão. A melodia é acompanhada por um piano só que, algumas vezes, traz a lembrança da balada impactante “My Immortal”, do Evanescence. Os vocais de BTS ainda podem adquirir maior conhecimento de técnicas, mas há um nível de sofisticação em sua entrega emocional ao passo que revelam os conflitos entre seus medos e desejos. O verso lastimoso de Jungkook no pós-refrão, “Mas eu ainda te quero’, é, particularmente, de arrancar o coração.

Analisando essas B-sides, fica claro que existe algo se movimentando no que tange a honestidade do BTS ao confrontar suas imperfeições. Coragem não precisa vir na forma de capacidade de mudanças internas; ela pode ser, simplesmente, o enfrentamento de lados desagradáveis de si sem se esconder atrás de desculpas. Espero que, mesmo que eles experimentem novos sons e temas, o BTS não perca de vista o fato de que a vulnerabilidade pode ser uma de suas maiores forças.

 

(YouTube, Imagens via Big Hit Entertainment, Letras via Bangtan Subs, Ktaebwi no Tumblr).

Fonte: Seoulbeats
Trans: eng-ptbr; cláudia @ btsbr

 

Artigos, Imagens | por em 04/07/2018
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio