SUGA fala sobre depressão e o custo da fama em sua Mixtape “Agust D”

Anúncio

SUGA fala sobre depressão e o custo da fama em sua Mixtape “Agust D”

“Essa categoria K-Pop não tem tamanho suficiente para mim,” SUGA afirma na faixa título ‘Agust D’ enquanto ele solta um rap feroz sob uma batida pulsante.

Algumas semanas após cuspir fogo no Staples Center na KCON LA junto ao restante de seus companheiros de grupo no BTS, Agust D expõe o plano de carreira e as dificuldades de SUGA (Min Yoongi) na melhor pegada rap old-school.

O rapper cheio de atitude fala sobre os opositores da indústria do K-Pop e seus próprios em sua primeira mixtape, que foi lançada na segunda (terça, na Coreia do Sul). Ele é o segundo integrante do BTS a lançar uma mixtape, seguindo “RM” de Rap Monster no ano passado.

Durante a fervorosa Agust D de 10 faixas, SUGA adicionou um novo elemento à sua carreira, separando sua arte da mixtape do que ele lançou com o BTS como um dos liricistas e compositores mais proeminentes do grupo. Para cortar os laços de sua identidade como um idol do K-Pop e ressaltar suas influências underground, a mixtape foi lançada sob pseudônimo de Agust D, combinando seu stage name soletrado de trás para frente com as iniciais de “Daegu Town” (cidade de Daegu), em referência a sua cidade natal, localizada no sul da Coreia do Sul.

Preparando o palco como um forasteiro, a mixtape começa com uma declaração feroz do sucesso de SUGA em uma rápida intro e faixa título, ambas contendo sample da anacrônica música de James Brown, “It’s a Man’s Man’s Man’s World” com muita energia adicionada. “Agust D” também conta com um disparo para a Billboard, quando ele agressivamente expressa seus grandes objetivos.

Seguindo com “Give It To Me”, um ataque contra aqueles que gostariam de vê-lo falhar, a primeira parte de ‘Agust D’ é puramente bombástica. As coisas diminuem um pouco o ritmo com a Skit onde SUGA relembra o ouvinte que essas são suas músicas próprias, algo que é totalmente separado de sua identidade para com o BTS.

Agust D então faz sua transição para a realidade crua da depressão, transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e fobia social que atormentaram SUGA durante o tempo que ele deixou sua cidade natal para buscar seu sonho em Seul e a angústia que ele sentiu sobre “se vender”.

Com uma franqueza nada comum para a Coreia do Sul, onde suicídio é predominante e os cuidados com a saúde mental enfrentam extremo estigma, a mixtape tem seu clímax com “The Last”, onde SUGA relata buscar ajuda psiquiátrica e entrando em termos com o fator de que ele é de fato um idol e parte da indústria comercial do pop. Se isso é “se vender” ou não, a decisão é deixada para o ouvinte com a próxima faixa, “Tony Montana”, que invoca Scarface, na qual SUGA conta com a participação do artista Yankie, e mostra os perigos do sucesso.

Terminando com um interlúdio, “Dream, Reality”, e “So Far Away” com a participação da artista indie coreana Suran, Agust D chega ao fim com o desejo contraditório de que a realidade da vida não seja nada mais do que um sonho, e ao mesmo tempo instigando seus ouvintes a continuar sonhando.

Intensa em sua vulnerabilidade, Agust D foi inteiramente produzida por SUGA, algo atípico no mundo do K-Pop. Depois de ficar disponível gratuitamente através de uma variedade de sites de download e streaming, “Agust D” foi um dos assuntos mais comentados mundialmente no Twitter, seguindo o lançamento do álbum. O clipe para a faixa-título “Agust D” também obteve sucesso imediato, e foi assistido mais de 1 milhão de vezes nas suas primeiras 12 horas no YouTube.

Fonte: Billboard

Artigos | por em 17/08/2016
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio