O efeito BTS: fazendo as pazes com o meu adolescente interior através do K-Pop

Anúncio

O efeito BTS: fazendo as pazes com o meu adolescente interior através do K-Pop

Estou no cinema com minha filha adolescente, assistindo o último show da turnê Love Yourself, que está sendo transmitida ao vivo pela Coreia do Sul. Paguei $ 25 em um único ingresso para sentar nesses assentos reclináveis ​​com outras mães e filhas, onde vejo algumas vestindo camisas do BTS, usando jóias ou arcos enfeitados com o Tata, Mang, Chimmy ou outro personagem da Line Friends do grupo.

Como muitas outras garotas daqui, minha filha está em uma plena sessão de dança sentada, balançando os braços e, às vezes, levantando-se completamente da cadeira para deixar o resto do corpo se mover com a música. Os olhos e o sorriso dela estão arregalados como eu nunca vi, mais amplos do que quando ela experimentou “Sesame Street Live”, como fã de Elmo na pré-escola, e ainda mais amplo do que quando viu “Hamilton” na Broadway, depois de memorizar a trilha sonora e representar Alexander Hamilton na aula de estudos sociais.

Os ingressos de “Hamilton” eram mais caros, mas esse show do BTS significa mais para nós duas. Não dizemos isso, é claro. Hoje em dia, não nos falamos muito. Ela passa a maior parte do tempo em casa, atrás da porta fechada do quarto. No carro, ela ouve suas próprias músicas e podcasts. Até jantares, quando conseguimos nos reunir, costumam ser silenciosos, pontuados por explosões de raiva de sua irmã mais nova.

Eu sei que é natural que as filhas, mesmo as filhas que sempre foram próximas de suas mães, se afastem durante a adolescência. Especialistas dizem que é um marco positivo. As meninas que fazem isso se sentem suficientemente seguras em seus relacionamentos para testar a paciência de suas mães enquanto tentam sua própria independência. Me afastar está ajudando minha filha a se tornar mais autônoma, mais responsável por si mesma, mais conhecedora de sua própria mente. É uma coisa boa. Também é difícil para mães como eu, que gostaram dos anos escolares um tanto independentes, mas não totalmente dissidentes.

Depois de um evento escolar na quinta série, minha filha se irritou quando tentei abraçá-la na frente de seus colegas de classe. A professora dela olhou para mim com simpatia.

“É quando começa a acontecer”, disse ela. “Eles se afastam. É normal.”

Não parecia normal quando minha filha parou de querer participar de noites de jogos em família e passeios de bicicleta. Não parecia normal quando ela deixou de fazer a lição de casa na mesa da cozinha para fazer em seu quarto. E parecia longe do normal quando ela começou a ficar brava com qualquer coisa que eu dissesse.

Até mesmo um “bom dia” vinha seguido de um grunhido ou “me deixe em paz!”

Então, um dia, enquanto eu a levava a algum lugar sem os fones de ouvido, “Boy With Luv” do BTS tocou no rádio.

“Esse grupo é bom, mãe”, disse ela, aumentando o volume.

A amiga dela, uma ARMY – como os fãs do BTS são chamados – deu a ela um álbum do grupo, e logo estávamos ouvindo mais BTS do que a mixtape de “Hamilton”.

 

Alguns meses depois, no cinema, minha filha está cantando músicas em coreano, um idioma que ela nunca ouvira antes de se apaixonar por esse grupo, e estou me lembrando de meus primeiros anos de adolescência e minha devoção a cinco cantores latino-americanos que estouraram nas capas de revistas nos anos 80. O grupo era o Menudo, e eles também cantavam em um idioma que eu não conhecia e nunca tinha ouvido antes de encontrar suas músicas. Passei horas sozinha no meu quarto, folheando minhas revistas de música, cativada por suas fotos. Possuía um caderno escolar com uma foto deles na capa, mas o marketing – o consumismo – não era como hoje. Na verdade, nunca vi Menudo se apresentar em um teatro ou em qualquer lugar.

Eu mantive guardado no meu interior a fã adolescente que existia em mim. As estações de rádio em nossa cidade não tocavam músicas em espanhol, então minha mãe e eu nunca tivemos um momento em que a rádio tocava Menudo, como eu e minha filha tivemos com o BTS. Até porque minha mãe nunca gostou dos Beatles, Rolling Stones ou qualquer outra banda popular de sua geração.

Além disso, estava inicialmente relutante em incentivar essa fã existente em minha própria filha. Minha preocupação inicial foi além de desperdiçar dinheiro por uma causa frívola. Eu estava sendo esnobe, pensando reflexivamente que o que estava sendo elogiado pelos adolescentes não podia ser uma boa música. É uma crítica equivocada predominante, como Brody Lancaster adequadamente resumiu no Pitchfork: “Quando a fama é relacionada imediatamente a uma crescente fanbase adolescente, em sua grande maioria feminina, essa celebridade se torna falsa, temporária e não merecida”.

Então minha filha fez com que eu pesquisasse a história do grupo. Eles não só ganharam inúmeros prêmios musicais, como também colaboraram com Halsey, Lauv e outros artistas populares: “O BTS faz o bem ao mundo”, ela me disse, antes de me enviar um link para um dos vídeos mais emocionais e etéreos da banda, que promoveu a campanha #ENDviolence da UNICEF através de representações de bullying sendo frustradas por atos de bondade.

Assim como com todas as celebridades, eu sei que há um alto grau de controle de marketing com o BTS. As causas do BTS são universalmente aceitáveis: amor próprio, respeito, beneficência. Tudo isso, embora não seja provocativo, também combina muito bem com os valores que tentei incutir na minha filha. Com tanta incivilidade, autodestruição e abuso no mundo, mensagens positivas como essas podem parecer uma tábua de salvação para muitos adolescentes, especialmente aqueles que lidam com ansiedade, depressão e opressão social. Talvez minha filha gostar do BTS – não apenas pela sua música, mas por suas mensagens – seja uma vitória para os pais. Ela não está apenas encantada com a música ou com os garotos que sabem cantar, fazer rap e dançar. Ela também encontrou uma comunidade de apoio a seus próprios valores entre seus fãs.

Minha filha pode não me querer mais no quarto dela, mas pelo menos ela está compartilhando essa parte de sua vida comigo. Quando o BTS está se apresentando, ninguém está lutando. Ela gosta de trocar de papéis, sendo a mais sábia, me ajudando a expandir meu conhecimento e vocabulário cultural. Há sempre algo para se comentar no mundo do BTS – um novo single que acaba de ser lançado, uma turnê anunciada. Minha filha agora é uma ARMY e eu sou seu apoio..

Não fazemos carpool karaoke, mas fazemos muitas sessões de dança enquanto os semáforos estão fechados.

Fonte: Jacqueline Marino @ Washington Post

Artigos | por em 14/04/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio