Para as estrelas do K-pop BTS, o sucesso mainstream demorou a chegar

Anúncio

Para as estrelas do K-pop BTS, o sucesso mainstream demorou a chegar

“Meu sangue, suor e lágrimas, minha última dança, leve tudo,” cantou Park Jimin em coreano, o verso de abertura da canção “Blood, Sweat and Tears” antes de mergulhar no último número coreografado da sua segunda data esgotada no Honda Center, em Anaheim. Depois de apresentarem um repertório de quase 20 músicas, SUGA, nascido Min Yoongi, continuou fazendo o rap, “meu sangue, suor e lágrimas, e meu corpo, mente e alma, saiba bem que eu sou todo seu,” personificando exatamente o que aconteceu no segundo show esgotado do BTS na Califórnia, domingo à noite.


O Honda Center não é estranho à shows de K-pop. O local recebeu as super-estrelas coreanas Big Bang em 2012 e 2015, fazendo deles o primeiro do gênero a ter mais de dois shows daquela magnitude. Vindo logo depois, BTS, um grupo masculino de K-pop com sete membros, consistindo em três rappers (SUGA, J-Hope e Rap Monster) e quatro vocalistas (Jin, JungKook, V e Jimin), alcançou esse nível de popularidade aos quatro anos de carreira, mesmo que ainda não tenham atingido o seu auge de sucesso na sua nativa Coreia do Sul.

“Hoje é o nosso último show da turnê americana, mas ainda não conseguimos sentir que é real,” o líder Kim Namjoon, conhecido pelo seu nome artístico Rap Monster, disse ao Weekly antes do show. “É como um milagre. Nos nossos shows anteriores em Los Angeles em 2015 nós tínhamos um público de 2.000 pessoas, e agora são 15, 16 mil pessoas, então nós só somos muito gratos por isso.” Ele chegou perto, mas a capacidade real da arena é de um pouco mais de 18 mil pessoas, e eles conseguiram esgotar duas noites consecutivas. Com o nome do seu último álbum de estúdio a turnê mundial, “The Wings Tour”, teve duas outras paradas em Nova Jersey, uma em Chicago e mais duas em Anaheim. Todas esgotadas.

O show de domingo à noite começou quando uma cortina branca caiu e revelou o BTS em plataformas no palco, seu último single “Not Today” explodindo pela arena. A música – um hino aos desfavorecidos – fala sobre o quão duro eles tiveram que trabalhar para chegar onde estão, enquanto chamam seus fãs para se juntarem à luta. “Para o nosso grupo, isso aconteceu muito gradualmente,” Rap Monster disse. “Nós não acordamos um dia e tínhamos um álbum número um.” Ele explicou que a carreira do BTS vem sendo uma série de escadas que eles precisam subir degrau por degrau para atingir o sucesso. “Isso é o que nos faz mais humildes e pé no chão, porque nós não acreditamos em hits surpresa e não acreditamos que o sucesso possa ser atingido sem tentar ou sem esforço.”

O tema de mais vigência na música do BTS – que é um híbrido de influências hip-hop e pop – é a juventude, como todos eles têm por volta de 20 anos. “Am I Wrong”, do álbum WINGS, declara o óbvio e diz que o mundo está enlouquecendo, enquanto “Baepsae” adereça a hipocrisia das gerações mais velhas que criticam os mais jovens, apesar destes não terem as mesmas oportunidades de prosperar. As dificuldades da vida, também é um tema recorrente. O single “Dope”, de 2015, que o público de Anaheim cantou os raps em coreano de SUGA e Rap Monster enquanto eles erguiam seus microfones no ar, fala sobre “a juventude que apodrece” no estúdio em busca de sucesso.
A faixa também declara audaciosamente, “eu sou meio sensacional”, e eles realmente são. Rap Monster e SUGA escrevem e produzem a maioria das músicas. Jimin é um dançarino emotivo. V, cujo verdadeiro nome é Kim Taehyung, como se ouve em seu solo “Stigma”, é capaz de cantar músicas inteiras em falsetto e não desafinar. Simplesmente, o BTS “não é como os outros grupos de K-pop onde a música é só feita para eles e são grupos robóticos que fazem o que suas empresas mandam. Eles dão muitas contribuições criativas nas criações,” disse a fã Ariana Scarpelli, de 23 anos.

E isso vem dando resultados. O BTS entrou para a Billboard 200 no 61º lugar com o seu último álbum, You Never Walk Alone, fevereiro passado. WINGS chegou ao 26º em outubro. Eles são o primeiro grupo de K-pop a entrar na parada com quatro álbuns consecutivos, desde 2015. Ademais, um dos seus últimos singles, “Spring Day”, se tornou a primeira música de um grupo de K-pop a entrar no Top 10 do iTunes nos Estados Unidos, algo que nenhum outro artista coreano, exceto PSY, havia feito antes. No último verão, o BTS liderou e se apresentou em ambas KCON LA e Nova York.

“Nós sempre tivemos a esperança de que poderíamos ser populares na América, mas achamos que era só um sonho,” disse Rap Monster, o único membro que se sente confortável falando inglês. “Nossas letras são todas em coreano, então nós íamos para a KCON e tínhamos esperança de que um dia, talvez, nós poderíamos ter popularidade. Mesmo depois de sabermos sobre a Billboard nós não sabíamos que poderíamos ser um artista que esgotou cinco noites de shows. Então é tipo, ‘Ok, o que está acontecendo agora?’ E todos no grupo pensam que deveriam aprender inglês agora,” ele acrescentou, rindo.

Mas a barreira da linguagem não é uma barreira real para os fãs do BTS, conhecidos como ARMY. “‘Spring Day’ realmente me tocou,” disse o fã Rico Ramirez, de 24 anos. “Me fez sentir falta de todos os meus amigos em casa, pessoas que eu não tenho falado em muito tempo. Então desde ‘Spring Day’ eu comecei a entrar contato com eles.” Para Ramirez, “casa” é as Filipinas, e ainda que ele não saiba coreano, a tradução mexeu com ele.

Rap Monster sente a mesma coisa; é recíproco. “Eu escuto Nas e Jay Z, o que as letras significam, eu sempre encontro traduções. E nossas letras são todas sobre a vida dos jovens. Há algo de similar, eu acredito, entre todas as pessoas jovens no mundo, então eu acho que é por isso que os fãs internacionais se relacionam com nossas músicas… Se a nossa música, palavras e dança são capazes de afetar ao menos uma pessoa, fazê-la acreditar em nossas letras ou acreditar em mudanças ou acreditar que o mundo deveria ir na direção certa, então é um grande sucesso para nós. E eu acho que vamos continuar a escrever sobre esses tópicos.”

Fonte; OC Weekly
Trans eng-ptbr; nalu @ btsbr

Notícias | por em 06/04/2017
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio