Os 15 melhores momentos da BTS World Tour: Love Yourself em Singapura

Anúncio

Os 15 melhores momentos da BTS World Tour: Love Yourself em Singapura

Já faz mais de uma semana que as estrelas globais BTS fizeram uma apresentação espetacular com a BTS World Tour: Love Yourself em Singapura. Mas alguns fãs, assim como eu, ainda não conseguem esquecer o fato de terem vivido essa experiência surreal pessoalmente.

Enquanto o entusiasmo e a emoção já desapareceram do local físico, remanescentes dos eventos que ocorreram naquele sábado, no Estádio Nacional de 45 mil lugares, ainda continuam a aparecer nos feeds do Instagram e do Twitter até hoje. O esforço para lembrar o que realmente aconteceu durante aquela noite mágica — afinal, o último encontro dos ARMYs de Singapura com o grupo foi durante a The Red Bullet Tour há 4 longos anos, então não tem como saber quanto tempo os sete garotos irão levar para visitar o país novamente.

Mas ninguém tem culpa sobre essa incerteza, já que ela é devida ao grande sucesso que o septeto está fazendo, de uma ponta a outra do mundo. O BTS sempre coloca tanto de si mesmos em seu trabalho, que é realmente difícil não apreciá-los e amá-los — o que explica o porquê deles se tornarem estrelas cada vez maiores com o passar do tempo.

As 2 horas e 30 minutos durante as quais os fãs gritaram, não apenas por conta da forma como RM, Jin, SUGA, J-Hope, Jimin, V e JungKook desencadearam uma tempestade com sua presença de palco, músicas e dance breaks. E também por conta das pequenas coisas, como a forma como cada um deles estava sempre a procura do outro, como alguns deles se perderam olhando o mar de ARMY Bombs, ou como eles tentavam trocar olhares com os fãs, mesmo que por um segundo, para fazer com que eles soubessem que são amados pelo BTS, pelo mundo e, consequentemente, por si mesmos. Resumindo, a noite toda foi simplesmente um grande festival que inspirou empoderamento ao mesmo tempo que manteve a leveza sem nenhum esforço.

A BTS World Tour: Love Yourself foi recentemente nomeada o Melhor Show pelo 6º Edaily Culture Awards, e eu tenho certeza que todos que estavam presentes podem concordar que a experiência [do show] mais do que merece esse título. Foi uma jornada emocionante, uma festa extravagante e irresistível para os sentidos. Foi tão impressionante que, às vezes, eu esqueço que eu vi pessoalmente o que todos esses vídeos dos shows mostram.

Então, para todos aqueles que também podem estar sofrendo com essa síndrome do esquecimento, ou para aqueles que não estavam lá para viver tudo isso, aqui estão alguns dos melhores momentos, grandes ou pequenos, do show do BTS em Singapura.

[TRAD] [#BangtanHoje] Obrigado, Singapura! Não uma boa noite, mas uma ótima noite! ARMYs que fizeram dessa uma super ótima noite, eu amo vocês! 💜 #PrimeiroShowEmSingapura

1. Ouvir “Euphoria” antes do show

Antes do show, os fãs que estavam esperando na fila do lado de fora do Estádio Nacional foram surpreendidos com JungKook cantando “Euphoria” ao vivo. Apesar de ter um evento oficial de soundcheck, ouvir um dos meninos cantando ao vivo pela primeira vez pegou alguns ARMYs de surpresa, especialmente com a voz surpreendentemente calma e melódica do vocalista principal do grupo. Alguns fãs até conseguiram observar JungKook ensaiando por alguns instantes, através das grades de ferro do portão. Que sorte!

2. O lembrete de RM para ficarmos seguros no começo do show

Logo após a grande abertura do show com “IDOL”, RM relembrou conscientemente os fãs de tomarem cuidado uns com os outros, para que todos pudessem aproveitar a noite juntos. Estas palavras simples não parecem muito, mas esse gesto de preocupação foi algo grande para muitos. Saber que o BTS está cuidando dos fãs tanto quanto os fãs prezam o BTS foi especialmente reconfortante para quem esperou por longas horas no sol antes disso.

3. “Trivia 起 : Just Dance”: a afinidade natural de J-Hope com o palco

Vestindo um terno todo branco, a apresentação de J-Hope para a groovy “Trivia 起 : Just Dance” se destaca com sua simplicidade e espírito. A música é um dueto sobre dança, com dança, e a forma como J-Hope deixa seu corpo ser levado pela batida da música é um reflexo direto da relação íntima que ele tem com esse tipo de arte. O que fez seu solo ser especialmente memorável foi o fato dos dançarinos de apoio estarem usando roupas coloridas ao invés de J-Hope — atrair o foco para os dançarinos e se manter fiel ao tema da música foi o que tornou toda a paixão dos artistas pelo movimento, no palco, mais crua e presente, cativante de se observar.

4. Os ternos brancos durante o medley

Todo o grupo apareceu em vários conjuntos fluidos e etéreos de branco para apresentar as animadas “I Need U” e “Run”. Essas duas músicas são especialmente importantes para a discografia do BTS por marcarem o começo da sua subida ao estrelato — o fato de todos estarem pulando e cantando todas as letras com tanta clareza diz o quão importante essas músicas são para todos no ambiente.

5. “Serendipity”: O jogo de tensão e libertação

Como Jimin costumava praticar dança moderna, assistir a execução habilmente ágil da rotina de dança de “Serendipity” sendo complementada pela voz única, suave e sonhadora do artista é algo incrível. Ele estava flutuando sobre o palco em determinado momento e realizando movimentos fortes, mas controlados, em outro. Confie em um homem tão meticuloso como ele para te dar o melhor dos dois mundos de uma vez só, tudo isso com um sorriso angelical no rosto.

6. RM chamando o restante do BTS para terminar “Trivia 承: Love” com ele

RM convidando o BTS ao palco para cantar “Eu vivo, logo amo” [“I live so I love”] foi uma das cenas mais emocionantes de se assistir, porque você realmente pode ver o quanto os meninos verdadeiramente amam uns aos outros. Foi especialmente fofo ver V dar um sorriso atrevido a um RM agitado do lado do palco, e então ver JungKook chegando para mandar um coração para a câmera em seguida, e RM sorrir de orelha a orelha. A música é uma conversa sobre amor, assim como o que estava acontecendo dentro e fora do palco naquele momento.

7. Profissionalismo está em seu DNA

Como o chão do palco estava molhado de suor e água, Jimin escorregou e caiu de costas enquanto cantava o primeiro coro de “DNA”. Os demais integrantes foram não apenas rápidos para checar se ele estava bem, como também em suas reações: J-Hope deu instruções ao time para não fazerem o dance break ao final da música enquanto eles ainda estavam cantando, e a mensagem foi eficientemente passada e um “plano B” entrou em ação sem um único deslize. Jin até tirou seus sapatos no meio da música também, já que ele quase escorregou uma vez e não queria que isso acontecesse novamente. Esse é o nível de profissionalismo que tantas resenhas de shows já os elogiaram no passado — junte isso a JungKook e V terem secado o palco com suas toalhas depois, e não há dúvidas sobre o porquê desses garotos serem os ídolos e modelos para tantas pessoas, jovens ou adultas, hoje.

8. “Singularity”: A divindade na forma de V

Cada decisão rítmica, gesto e sorrisos conhecidos de V foram sublimes em levar a energia quase luxuriosa de “Singularity”. Graças ao dueto engenhoso com o cabide e a maneira dramática com que o casaco floral de V glorificava seus longos e graciosos braços, esse número de jazz sombrio foi, sem sombra de dúvidas, uma das apresentações mais impactantes da noite.

9. “Epiphany”: Beleza, força, elegância e graça

A apresentação de Jin de “Epiphany” foi outro solo que se destacou por não ter floreios ou muitos dançarinos, apenas uma demonstração da sua voz majestosa. Havia algo delicado, ainda que difícil, na forma cuidadosa com que ele cantou sobre auto aceitação nessa balada, particularmente ao cantar “Eu sou quem eu deveria amar nesse mundo” — repleta de peso, mas reconfortante com sua estabilidade. Este lado mais suave do som do grupo foi uma mudança refrescante no line-up que acalmou os ânimos com um sentimentalismo terno.

10. Jin e V se divertindo em “So What”

Jin e V pareciam ter adquirido o hábito de puxar um ao outro ao cantarem “So What”, a faixa de EDM que é de praxe para essa turnê em particular. Naquela noite, eles fixaram seus olhares, saltando cada vez mais entusiasticamente no ritmo, antes de começarem a se darem soquinhos e chutes na bunda de brincadeira. Demonstrações de afeto desse tipo são o que fazem os shows do BTS valerem a pena.

11. Jimin cantando a introdução de “Anpanman”

Ao longo da turnê, JungKook e V vinham trocando quem começava a cantar a divertida “Anpanman”. Dessa vez em Singapura, V conseguiu que Jimin cantasse o trecho inicial, “Esperando por você Anpanman”, com o microfone dele, enquanto Jin e J-Hope emolduravam seu rosto. Adorável? Sim, muito!

12. Jimin cantando “Promise”

Um dos fanservices mais memoráveis resultados daquela noite foi quando os fãs conseguiram que Jimin cantasse um trecho da balada composta por ele, “Promise”. Os fãs começaram a cantar yaksok, a palavra em coreano para “promessa”, quando ele estava quase terminando seu discurso, o que fez com que ele cantasse a música com sua voz ofegante e bonita. Foi a primeira vez que ele cantou a música ao vivo, então os ARMYs do local ficaram muito orgulhosos por terem sido os primeiros a convencer o doce Jimin. RM também fez o estádio inteiro fazer uma “promessa de dedinho”, enquanto SUGA franziu as sobrancelhas de forma fofa ao observar a cena — reis do fanservice, de fato!

13. Worldwide Handsome termina seu discurso com charme

Após fazer um discurso prolongado, com alguns gritos em algumas partes, enquanto usava um par de óculos de sol, Jin terminou com um contrastante, direto e simples “Ok, terminei”, para a sua diversão e a dos fãs.

14. JungKook pegando o telefone de um fã

JungKook tinha acabado de sair do palco B durante a apresentação de “Answer: Love Yourself”, se aproximando dos fãs, mas ele também conseguiu, nessa curta passagem, impressionar e derreter o coração dos fãs com seu gesto carinhoso de pegar o telefone que uma garota havia derrubado. A melhor parte é que tudo ficou gravado! A garota sortuda depois falou em sua conta no Twitter que chorou, mas também, como você reagiria a uma coisa dessas?

[TRAD] Algo para eu guardar até morrer :’)

15. SUGA corrigindo o tradutor

Quando ele estava terminando a noite, SUGA fez os ARMYs rirem ao pontuar que a noite foi “não uma boa noite, uma ótima noite”. O tradutor pode ou não ter feito seu trabalho corretamente, mas o ponto é que SUGA é definitivamente mais fluente em inglês do que ele demonstra ser, e aquela noite foi definitivamente mais do que uma boa noite de formas que muitos jamais irão esquecer.

Fonte: E! Online

Artigos | por em 02/02/2019
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio