BE: uma documentação sensível e impressionante da vida em plena pandemia

Anúncio

BE: uma documentação sensível e impressionante da vida em plena pandemia

Em BE os gigantes do pop navegam por uma série de gêneros e triunfam. Seu quinto álbum traz a missão de confortar seus fãs diante de dias incertos.

Quando a pandemia surgiu, o BTS estava ocupado promovendo seu álbum Map Of The Soul: 7 e organizando uma turnê mundial. Contudo, uma semana após o cancelamento desta, que se iniciaria em Seul, RM, apareceu inesperadamente em uma transmissão ao vivo no canal oficial do grupo no YouTube com um anúncio: eles estariam usando esse repentino tempo livre para produzir um novo álbum.

Com o passar do tempo, mais transmissões ao vivo foram realizadas, dando aos fãs um vislumbre do processo criativo do novo álbum. Onde os sete integrantes dividiram entre si funções destinadas a sua produção – musicalmente e além – e compartilharam conversas sobre como responder à crise global que colocou o mundo em lockdown.

Sete meses depois, ‘BE (Deluxe Edition)’ emerge como a encapsulação musical mais precisa da montanha-russa que é a vida pandêmica até agora; um minuto transbordando alegria, o próximo apático e miserável, outro balançando lentamente de volta a uma linha de base neutra. O objetivo expresso do grupo é que o álbum espalhe conforto, mas, em um vlog inicial onde os integrantes discutiam ideias e temas para o álbum, Jimin avisou: “Mesmo algo com a intenção de ser consolador pode fazer alguém se sentir pior”. Ao longo de sete canções (e uma esquete), o BTS atinge o equilíbrio perfeito entre encorajamento e confiança, como também, compartilha a nuvem negra da luta cotidiana que a COVID-19 lançou sobre nós.

Tal objetivo foi alcançado por meio de suas composições honestas e da sinceridade que sempre transpareceu na música do BTS. ‘Life Goes On’ – um tema central para o álbum – retrata um sentimento de frustração. “Não há fim à vista / Existe uma saída? / Meus pés se recusam a se mover ”, suspira V, com a trilha brilhando suavemente sob ele. Em vez de insistir no que não podem controlar, eles voltam a se concentrar na esperança: “Como um eco na floresta / O dia vai voltar / Como se nada tivesse acontecido / Sim – a vida continua.”

Muito do BE mostra o grupo tentando encontrar algo em que se agarrar. Se apegando a pequenos momentos de felicidade onde quer que os encontre. No pop retro e animado de ‘Fly To My Room’, pontuado por grandes acordes de um piano dos anos 70, Jimin, J-Hope, V e SUGA celebram a possibilidade de viajar – através de suas memórias, Zoom e TV. “O som da TV faz com que tudo pareça movimentado e lotado, como se eu estivesse no centro da cidade”, diz J-Hope. “Sua mente pode ser mudada por sua mente.”

O arco redentor de “Blue & Grey” é mais longo, mais baixo e mais difícil de detectar. A música mais devastadora do álbum, ela detalha o “mal-estar e a melancolia” em termos que são extremamente vulneráveis. “Não diga que está tudo bem / porque não está”, cantam Jimin e V em uníssono, vozes gotejando com emoção desesperada. “Por favor, não me deixe em paz / Isso dói muito.” Depois que o BTS desvendou seu mal-estar, Jin sugere que ainda pode haver luz no fim do túnel, mesmo que pareça que esteja a quilômetros de distância: “Se, em um futuro longínquo, eu for capaz de sorrir / eu ‘ Vou te dizer que sim.”

‘Skit’ – sua primeira faixa não musical desde 2017 – talvez seja a melhor personificação da noção de aproveitar os poucos momentos de positividade que 2020 nos oferece. Aqui o grupo fala sobre suas reações ao descobrir que o recente single ‘Dynamite’ (que completa o álbum) alcançou o primeiro lugar na Billboard Hot 100; sendo a notícia dada no aniversário de Jungkook. “Este é o melhor presente da minha vida”, ele diz a seus companheiros de grupo. “Você não acha que felicidade é assim?” RM pergunta enquanto sua conversa desaparece. O sucesso pessoal colidindo com a turbulência universal vem com seu próprio conjunto complexo de emoções – um choque de felicidade e culpa – mas a conversa casual do BTS é um lembrete para comemorar o que você puder.

Assim como BE percorre os inúmeros sentimentos em constante mudança provocados pela pandemia, o álbum também mostra o grupo em um constante movimento entre os gêneros, sendo cada tentativa um triunfo. Jin, JungKook e RM em “Stay” assumem a forma de uma escalada constante de future house, seu refrão é um relâmpago trêmulo, mas melódico, de alegria.

Em “Dis-ease”, J-Hope, SUGA e RM estão em seu elemento em uma faixa de hip-hop old school, apresentando jogos de palavras inventivos a uma milha por minuto, a música transmitindo uma mensagem de força: “Não há noite eterna / Eu sou mais forte / Uma faísca de fogo / Eu nunca vou desaparecer. ” ‘Telepathy’, por sua vez, bebe novamente no gênero disco mas extrai um som bem diferente da vibrante ‘Dynamite’, uma paleta ainda rica e colorida, mas com um brilho mais metálico.

“Você está indo bem, certo? / Você não está com dor em lugar nenhum, certo?” pergunta SUGA. “Para mim, ultimamente, não tenho tanta certeza / sinto que estou apenas flutuando.” Palavras simples destinadas a ajudar os fãs em dias incertos proclamadas com cuidado e sensibilidade. Quando o NME falou com o grupo em agosto, RM disse que eles estavam “ansiosos para trazer conforto e dar alegria às pessoas por meio de sua música e apresentações mais do que nunca”. Bem, a missão foi cumprida.

Fonte: NME

Artigos | por em 22/11/2020
Compartilhe:

Comentários:


Anúncio